(This is a Portuguese translation. For the English version, click here.)

O DEPUTADO FEDERAL Jean Willys (PSOL-RJ), conhecido por seu progressismo e sua liderança em movimentos de justiça social, está tentando se defender de várias críticas feitas por seus eleitores e apoiadores de esquerda devido a sua recente viagem a Israel. O congressista despertou a ira de boa parte da base do partido de esquerda PSOL (Partido Socialismo e Liberdade), ao qual é filiado, após participar de uma conferência em uma universidade israelense intimamente ligada a violações de direitos humanos dos palestinos. Após as críticas, ele defendeu sua presença no evento com argumentos frequentemente usados por fervorosos defensores da política de ocupação israelense. O discurso inesperado de Wyllys é um grande exemplo da bem sucedida tática de explorar questões socio-liberais para gerar apoio da esquerda ao militarismo.

Em uma mensagem de vídeo postada na sexta-feira no Facebook, Paulo Sérgio Pinheiro, um renomado diplomata brasileiro que trabalhou na Comissão Nacional da Verdade sobre violações de direitos humanos cometidas durante a ditadura militar brasileira e foi relator especial de direitos humanos da ONU em Myanmar (Birmânia), criticou duramente o deputado. “Lamentáveis e deploráveis as notas do Deputado Jean Wyllys sobre sua visita a Israel. Revelando uma crassa ignorância e desinformação sobre as políticas de direitos humanos praticadas atualmente por Israel”, falou. Esse sentimento reflete a reprovação de boa parte da esquerda, motivada tanto pela viagem quanto pelos comentários feitos posteriormente.

The Intercept questionou o Deputado Jean Wyllys repetidas vezes por meio de sua assessoria para obter informações para este artigo, porém nem o deputado nem sua equipe responderam a quaisquer dos questionamentos.

A polêmica visita de Wyllys a Israel e sua defesa das políticas israelenses ocorre em um momento especialmente tenso das relações bilaterais. O Governo Federal, também de esquerda, do Partido dos Trabalhadores, sob o comando da combatida Presidenta Dilma Rousseff, se recusou a aceitar a nomeação de Dani Dayan como embaixador de Israel no Brasil baseado no argumento de que ele é um polêmico defensor de assentamentos ilegais de Israel na Cisjordânia ocupada. Tanto na gestão de Dilma quanto na de Lula, o partido governista tem demonstrado apoio aos palestinos. O PSOL se posiciona como uma alternativa mais à esquerda à moderada esquerda do PT; portanto, o posicionamento de Wyllys é surpreendente.

Jean Wyllys tornou-se nacionalmente conhecido em 2005 como o primeiro vencedor abertamente gay do famoso programa de reality TV “Big Brother Brasil”. Um professor universitário de origem pobre, ele conquistou a audiência nacional com sua erudição e intelecto e converteu sua fama em passaporte para ser eleito o primeiro membro assumidamente gay do Congresso Nacional, em 2010. No ano passado, ele foi eleito o deputado mais popular pelo site Congresso em Foco e foi listado pela revista inglesa The Economist como uma das 50 figuras públicas mais importantes no quesito promoção da diversidade.

Ele angariou popularidade perante os jovens do PSOL, eleitorado de esquerda comprometido com a defesa inegociável de questões de justiça social: apresentando projetos de lei para a legalização da maconha, estatutos contra a discriminação, legalização plena do trabalho sexual e erradicação de vestígios institucionais da ditadura militar brasileira — todas essas propostas são abominadas pela direita evangélica em ascensão no país. Wyllys é o único político abertamente gay em um país majoritariamente católico e evangélico. Além disso esse carismático político de 39 anos é constantemente alvo de agressões verbais e ofensas  homofóbicas proferidas por pessoas como o Deputado Jair Bolsonaro, a quem The Intercept já definiu como “o político eleito mais misógino e execrável do mundo democrático”. Tudo isso consolidou a posição de Wyllys como uma figura de destaque da esquerda brasileira.

No entanto, na terça-feira, Wyllys chocou e despertou a ira de muitos de seus mais leais apoiadores. Ele postou uma foto sorridente de si mesmo para seus 871.626 seguidores no Facebook, posando em frente da Universidade Hebraica de Jerusalém. O comentário postado junto à foto: “Estou muito feliz e emocionado pela oportunidade de visitar, pela primeira vez, esta cidade cheia de história, terra santa para as três religiões do livro, onde se encontram tradições e costumes do Oriente e do Ocidente. Amanhã vou ministrar uma palestra na Universidade Hebraica de Jerusalém, a convite da mesma, junto ao professor James Green. Vamos debater sobre antissemitismo, racismo, homofobia e outras formas de ódio e preconceito e suas relações com a política contemporânea”. Até o momento, a foto já obteve mais de 24 mil likes e mais de 1.700 comentários.

O post causou grande e imediata comoção, com algumas demonstrações de apoio, porém muitos dos comentários em veemente oposição. Vários críticos expressaram choque e indignação que um líder do movimento progressista brasileiro romperia tão profundamente com o posicionamento oficial do seu partido, que defende o movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) contra as ocupações ilegais de Israel na Palestina. Porém, Wyllys inflamou os ânimos ainda mais nos dias seguintes com uma série de declarações em defesa própria cujo conteúdo, até mesmo para ouvidos americanos, soa como pró-Israel.

1536440_1010050162376324_6442609102482165598_n

Foto: Jean Wylllys/Facebook

O ex-deputado Milton Temer, membro da liderança do PSOL, foi incisivamente crítico a Wyllys durante entrevista para The Intercept. “Essa visita me incomoda demais. Em Israel, a opressão ao povo palestino não é feita pela extrema direita. A verdade é que o governo israelense, eleito pelo povo, perpetra essa opressão. Somente uma pequena minoria de judeus israelenses está engajada na corajosa luta em defesa de um posicionamento humanitário para os palestinos. Me incomoda profundamente que um membro progressista do Congresso vá a Israel e afirme que Israel é um paraíso onde LGBTs recebem tratamento civilizado, enquanto Israel investe bilhões todos os anos em suas forças militares para oprimir os palestinos. Acho que Jean Wyllys cometeu um grande erro”.

Ele disse ainda: “Um congressista de esquerda deveria ir a Israel somente para denunciar (esse Estado) publicamente pela ocupação da Palestina. Esse político certamente não deveria ir a Israel para declarar que há algum tipo de conflito simétrico, a ser pacificado, entre as duas nações. Por esse motivo, ele cometeu um erro”.

O QUE PIOROU A SITUAÇÃO foi a visita de Jean Wyllys à universidade que simboliza a ocupação israelense. Boa parte das instalações da Universidade Hebraica de Jerusalém foi construída em terras palestinas na Jerusalém Oriental. Essas terras foram expropriadas ilegalmente por Israel e, por esse motivo, o país sofreu recentemente um boicote importante. Uma carta assinada por 351 pesquisadores internacionais explica que “apesar de todas as universidades israelenses compactuarem plenamente com a ocupação, o colonialismo de assentamentos e o apartheid, a Universidade Hebraica de Jerusalém tem papel proeminente”. A carta destaca que “a universidade (Universidade Hebraica de Jerusalém) compactua com o tratamento desigual de palestinos, inclusive daqueles que são cidadãos de Israel”; “restringe a liberdade de expressão e de protesto de seus poucos estudantes palestinos”; e é afiliada à Universidade de Ariel na Cisjordânia ocupada, no entanto, nega o reconhecimento de credenciais acadêmicas à instituição palestina, a Universidade de Al Quds.

Em 2014, a Universidade Hebraica criou um fundo de bolsas acadêmicas destinado exclusivamente a estudantes que estavam servindo no ataque militar brutal em Gaza durante o qual 2.131 palestinos, em sua maioria civis, foram assassinados e mais de 100 mil, segundo dados da ONU, ficaram desabrigados. “A universidade está participando do esforço de guerra para demonstrar apoio aos seus alunos combatentes de modo a minimizar o fardo financeiro”, segundo uma carta oficial enviada a “amigos e ex-alunos”. Na época, Jean Wyllys apoiava as críticas da Presidenta Dilma Rousseff sobre o ataque a Gaza como um “uso desproporcional da força” e, meses depois, apoiou uma missão humanitária a Gaza.

A conferência desta semana, da qual Wyllys participou, é intitulada “Brasil e Israel: desafios sociais e culturais”. O evento ocorreu nos dias 5 e 6 de janeiro e foi patrocinado pela Universidade Hebraica de Jerusalém, pela Universidade Brown (EUA), pelo Ministério de Relações Exteriores do Brasil (MRE) e pela Confederação Israelita do Brasil, dentre outros. De acordo com uma descrição do evento, Brasil e Israel são dois países com complexa diversidade social, cultural, étnica e religiosa. Em ambos os países, o Estado e a sociedade civil têm se envolvido no combate a problemas relacionados à diversidade cultural, tolerância e inclusão. Programas e políticas têm sido desenvolvidos para superar a histórica marginalização de certos grupos, com níveis variados de sucesso, e, por vezes, a despeito das críticas de outros setores de seus respectivos países”.

Esse tipo de discurso morno e comparativo, cheio de argumentos progressistas e humanistas, é popular entre liberais defensores do descarado Estado não liberal de Israel. Observadores críticos identificam injustiças evidentes (digamos, na limpeza étnica de milhares de palestinos, na permanência do cerco à Gaza e na basilar essência israelense de colonização por assentamentos), um liberal sionista vê complexidade que demanda estudo e discurso em detrimento de culpar a todos indiscriminadamente: Sim, o Estado é governado por extremistas de direita, porém, nós – os sionistas liberais – somos pessoas boas, portanto vamos observar as pequenas diferenças.

Não obstante, há imperativos morais evidentes em jogo quanto à ocupação israelense da Palestina: durante décadas desse “diálogo” elogioso de si entre liberais, Israel desmantelou sistematicamente a sociedade civil palestina e ocupou suas terras ilegalmente, matando e encarcerando aqueles que se opuseram e fomentando radicalismo por todos os lados. A participação nessas conferências intermináveis funciona eficientemente como uma proteção liberal, evitando qualquer questionamento sério às duras verdades da situação palestina. Muitos, inclusive o próprio partido de Wyllys, o PSOL, apoiam um boicote a Israel.

Em uma carta aberta publicada na quarta-feira, a Frente em Defesa do Povo Palestino, um grupo brasileiro pró-Palestina, argumentou que “A tática de Israel de convidar personalidades e autoridades a participarem de palestras em suas instituições acadêmicas – cujo histórico de cumplicidade com a ocupação é amplamente comprovado – objetiva transmitir ao mundo a ideia de normalidade, enquanto mantém o apartheid, a colonização e ocupação de terras palestinas”. A carta expressa surpresa com relação à viagem de Wyllys; além disso, afirmou-se que o post do deputado no Facebook demonstra que “você não entendeu a história e a ocupação”.

Uma charge feita pelo cartunista brasileiro Vini Oliveira foi compartilhada por usuários de esquerda nas redes sociais e sintetiza o descontentamento de muitos. Nessa imagem, Wyllys, com a Estrela de David estampada em seus óculos, posa para uma selfie em frente a um jovem palestino estirado no chão em cima de uma poça de sangue. Em segundo plano, o sol sorridente, símbolo de seu partido PSOL, brilha à distância (The Intercept obteve permissão para divulgar a imagem).

Imagem: Vini Oliveira

À MEDIDA QUE ESSA POLÊMICA se desenvolveu nesta semana, a assessoria de imprensa de Jean Wyllys respondeu rápida e grosseiramente às críticas, tentando justificar a decisão do deputado de participar da conferência. Ao fazer isso, eles tanto acirraram os ânimos ao atacar quem fazia críticas, quanto ecoavam argumentos pró-Israel rasos e pouco sofisticados sobre terrorismo, antissemitismo e direitos civis. Por diversas vezes, Wyllys confundiu o Hamas, partido político democraticamente eleito que governa a Faixa de Gaza desde 2007, com a “ISIS ou outras facções criminosas” — uma retórica israelense padrão no governo de Netanyahu.

Wyllys também definiu o muro que separa Israel da Cisjordânia e que separa muitos fazendeiros palestinos de suas terras como sendo “construído por Israel para impedir os atentados terroristas”. Ele repete a justificativa israelense padrão que alguns críticos afirmam ser parte de uma política mais ampla de apropriação ilegal de terras e separações forçadas.

O congressista também invocou o antissemitismo várias vezes e o fez de tal maneira que deixaria Alan Dershowitz orgulhoso. Em um dos comentários, ele argumenta que muitos de seus detratores que se identificam como “antissionistas” estão usando esse rótulo para esconder suas reais motivações antissemitas. Ele explicou para seus seguidores a diversidade de fundamentos e opiniões entre sionistas, israelitas e judeus; argumentando que não se pode culpar todos os sionistas por todos os pecados de Israel (“complexidade”).

A discussão de Jean Wyllys é, dentre outras coisas, uma tentativa descarada de ser um laranja. O BDS não é um movimento contra todos os sionistas. Pelo contrário, o movimento combate a personificação moderna do sionismo, a supremacia étnico-religiosa do “Estado Judeu de Israel”, cuja subjugação militar palestina tem sido feita tanto pelas gestões israelenses “brandas” como pelas gestões mais à direita. As lágrimas de liberais sionistas cada vez mais marginalizados não melhoraram a rotina dos moradores da Faixa de Gaza.

Jean Wyllys foi criticado por perpetuar a tática israelense de “pinkwashing” (“lavar em rosa”), por meio da qual o governo Netanyahu destaca o discurso relativamente progressista do país concernente a direitos LGBT para obter apoio de liberais e indivíduos LGBTs para suas políticas de ocupação em geral, enquanto perpetra violações de direitos humanos fora do âmbito LGBT. Conforme Sarah Schulman argumentou em um artigo de opinião do New York Times publicado em 2011, trata-se de “uma estratégia proposital para esconder a sistemática violação de direitos humanos dos palestinos por trás de uma imagem de modernidade personificada na vida gay israelense”. “Os direitos dos homossexuais tornaram-se, basicamente, ferramentas de relações públicas”, disse Aeyal Gross, um professor de direito na Universidade de Tel Aviv.

Essa abordagem pinkwashing tenta definir Israel como o único bastião de tolerância em meio a um mar de extremismo homofóbico islâmico; portanto, a noção de que Israel deveria receber apoio de todos aqueles que defendem direitos LGBT está implícita. Esqueça-se do resto: coisas pequenas como as longas décadas de brutal ocupação do povo palestino marcadas por bombardeios seguidos de demolições ocasionais de bairros inteiros. Esse método doutrinador prega que a única medida para avaliar a moral de um país ou, ao menos, o critério norteador para essa medida, deveria ser os direitos dos LGBTs.

Essa tática se assemelha às tentativas mais amplas dos neoconservadores americanos de, após os Ataques de 11 de setembro,  explorar posicionamentos liberais quanto a questões sociais para angariar apoio da esquerda para a agenda militarista neoconservadora. Essa tática era implementada ao, por exemplo, cinicamente apresentar a Guerra no Afeganistão como uma causa feminista ou afirmar que os desentendimentos com o Irã foram motivados por preocupações referentes aos direitos da população LGBT. Em novembro de 2001, a gestão Bush enviou Laura Bush para descrever a Guerra no Afeganistão como “uma luta por direitos e dignidade das mulheres” e — mesmo após 14 anos de conflitos que mataram um números incontável de mulheres afegãs – alguns grupos de mulheres continuam a apoiar aquela guerra tendo por base argumentos feministas.

Jean Wyllys rechaçou a acusação de que ele teria adotado pinkwashing. Segundo ele, trata-se de uma “teoria da conspiração” e “desrespeitoso a nós, LGBTs”. Ele continuou esse protesto apresentando uma demonstração perfeita do pinkwashing padrão:

Os direitos conquistados pelos LGBTs israelenses são uma luz numa região dominada pelo fundamentalismo, o totalitarismo, a misoginia e a homofobia, e eu parabenizo esse povo por seus avanços. […] E a solidariedade com os palestinos não deveria impedir a esquerda de denunciar a opressão que (por exemplo) os homossexuais sofrem nos países islâmicos, ou reconhecer as conquistas democráticas em Israel!

Conforme definido por Jay Michaelson na publicação Forward, além de a tática de pinkwashing ser doutrinação política calcada em uma falsa caricatura de todas as nações islâmicas da região (por exemplo, tanto Beirute quanto Istambul oferecem uma cena LGBT bem agitada), essa tática subestima as forças anti-LGBT ativas em Israel, “um país que pode ser pró-gay e contra direitos humanos”. É importante destacar que essas políticas sociais “progressistas” não beneficiam a comunidade LGBT palestina. “Sim, é difícil ser gay em Gaza – assim como é difícil ser gay em Meah Shearim. Porém, queers palestinos dirão a você que o regime de confisco de terras, assentamentos, paradas para identificação, cartões de identidade, restrição na construção de prédios e, é claro, o bombardeamento pesado das áreas civis são um fardo muito mais pesado”, Michaelson afirma.

Screen-Shot-2016-01-06-at-7.27.30-PM

Captura de tela: Jean Wyllys/Facebook

Em uma interação que aparentemente foi apagada, quando um dos seguidores no Facebook perguntou, “Jean, quando você visitará a Faixa de Gaza?”, a conta de Jean Wyllys (sob os cuidados de sua equipe de comunicação) respondeu, “Talvez você não saiba que a [F]aixa de Gaza está atualmente sob o controle da organização terrorista Hamas. Não é, portanto, um lugar seguro para um homossexual assumido… mas, talvez você possa ir. Boa sorte!” Em um comentário posterior, ele disse que “de fato, eu também gostaria de ir a outros países do Oriente Médio, mas não posso, porque em muitos deles poderia ser enforcado ou preso por ser gay”.

É bem verdade que fundamentalistas islâmicos, assim como fundamentalistas judeus e cristão, não costumam ser aliados confiáveis e a homossexualidade é tecnicamente ilegal em Gaza e em muitos países islâmicos, porém a sugestão de que o Hamas seria tão tolo a ponto de machucar uma importante figura pública estrangeira simplesmente por ele ser gay é profundamente ingênuo ou extremamente dissimulado — ou ambas as opções. Essa afirmação é uma distorção infundada, caricatural, e alarmante do Hamas como uma gangue de terroristas irracionais, atrasados e sedentos por sangue – aliás, o Ministério das Relações Exteriores israelense publicou uma charge assim no ano passado, que foi removida após muitas críticas (ir para 0:28)

A discriminação por homofobia existe e é horrível, no entanto, esse tipo de pinkwashing ignora o fato que se trata de uma preocupação global. Lembre-se: leis punitivas à sodomia foram vigentes nos Estados Unidos até 2003 e a luta por igualdade das pessoas LGBT ainda está longe de acabar. Cristãos evangélicos exigiam uma nova lei em Uganda punindo homossexualidade com pena de morte, ficaram satisfeitos com a prisão perpétua. A menos que o nosso deputado decida passear em Raqqa, Síria, hasteando a bandeira do arco íris, ele pessoalmente tem zero chance de ser enforcado por sua orientação sexual, porém ele não poderia ficar tão à vontade e aberto como no Rio de Janeiro.

NA QUINTA-FEIRA, um assistente do congressista Jean Wyllys disse a The Intercept que ele não havia visitado e que não pretendia visitar nem a Cisjordânia nem a Faixa de Gaza. Mas, algumas horas depois, naquela mesma noite, ele comunicou que visitaria “Belém e talvez Hebron” antes de ir para Tel Aviv. Temer disse que, inicialmente, Wyllys não havia planejado visitar a Palestina, porém a polêmica o forçou a fazê-lo.

Wyllys também disse ter se encontrado brevemente com apoiadores do BDS de um grupo identificado apenas como “FFIFP”, possivelmente em referência a FFIPP, um grupo internacional sem fins lucrativos que se denomina uma “rede educativa de direitos humanos Palestina/Israel”. O grupo sedia seminários internacionais de educação em Israel e na Palestina. Esse seminários incluem visitas a Tel Aviv. Yoav Elinevsky, o diretor executivo da FFIPP-USA, disse a The Intercept que cada filial nacional é independente, ele desconhece filiais da FFIPP que tenham condenado publicamente o BDS.

A despeito dessas concessões, Wyllys continuou a receber uma enxurrada de comentários raivosos.

  • “Realmente decepcionado com o Deputado Jean Wyllys. Visita Israel e não visita os territórios do Estado da Palestina ocupados por Israel. Fecha os olhos ao que acontece com o povo palestino e se preza a ecoar a propaganda do apartheid israelense. Caetano Veloso, ao menos, se retratou depois que visitou Israel e foi visitar a Palestina. Ele escreveu artigo declarando que nunca mais volta para Israel. Deputado, você acaba de ganhar o título de ‘Ex-defensor dos Direitos Humanos’. Que decepção!”, escreveu Emir Mourad, secretário geral da Federação Árabe Palestina do Brasil.
  • “Que mancada monumental! …. Admiro sua atuação como parlamentar, mas dessa vez eu fiquei extremamente decepcionado”, escreveu João Canobre.
  • “O cara finaliza um texto cheio de preconceitos e visões reducionistas das sociedades islâmicas afirmando seguir ‘com a cabeça aberta e sem preconceitos’. Coerência manda beijos. A visão do Oriente Médio apresentada aqui poderia muito bem ser a de um europeu do XIX.”, escreveu Rafaél Antônio Cruz.
  • “O apoio a Israel vai contra toda postura revolucionária, corajosa do Jean. Pesquisem um pouco e vejam o que realmente acontece com os palestinos”, escreveu Silvia Medeiros.

O BDS obteve força significativa no Brasil nos últimos tempos. Em 2014, o governador do Rio Grande do Sul cancelou um contrato importante com a empresa de segurança israelense Elbit Systems para desenvolver um centro de pesquisa aeroespacial (Segundo um porta-voz, “o apoio à causa palestina” por parte do governador em exercício naquela época não influenciou a decisão de cancelar as negociações com a Elbit).

Em julho de 2015, os lendários músicos brasileiros Caetano Veloso e Gilberto Gil se apresentaram em um show em Tel Aviv e participaram de um evento público com o ex-presidente israelense Shimon Peres, apesar de forte pressão pública para cancelamento da viagem, inclusive de alguns apoiadores do BDS como o Arcebispo Desmond Tutu e o co-fundador do Pink Floyd, Roger Waters. Após a viagem, Caetano Veloso escreveu um artigo de opinião para a Folha de São Paulo explicando o impacto emocional de visitar comunidades palestinas sob ocupação. “Todas as queixas dos participantes do BDS são fundamentadas”, ele escreveu, afirmando ainda que, “Gosto de Israel fisicamente…Mas acho que nunca mais voltarei lá”.

No Facebook, Wyllys declarou ser contra o BDS. “Sou contra boicotes voltados a qualquer povo. Acho um erro confundir o governo, o Estado e a população. O boicote destrói pontes e favorece os extremistas de ambos os lados”, ele escreveu, citando o fracassado bloqueio de Cuba como um exemplo e questionando retoricamente, “por que não há boicote contra a Síria?” Porém, enquanto bloqueios e sanções contra regimes autocráticos e semi-isolados, como Cuba e Iraque se mostraram ineficientes porque o sofrimento imposto à população não afeta a liderança, o oposto é verdadeiro em sociedades democráticas ou marginalmente democráticas, como Israel ou a África do Sul do Apartheid, nos quais (uma parte da) população pode votar em novos líderes que prometam mudar as políticas. Funciona melhor, principalmente, quando uma nação depende muito de ajuda externa e apoio diplomático, como Israel.

Como o líder antiapartheid e atual defensor do BDS, Desmond Tutu escreveu em 2010: “Na África do Sul, nós não teríamos alcançado nossa liberdade e nossa paz sem a ajuda das pessoas do mundo todo, que, por meios não violentos, tais como boicotes e desinvestimentos, estimularam seus governos e outros atores corporativos a minar as bases de apoio que o regime do Apartheid teve por décadas”.

A eficácia dos boicotes, desinvestimento e sanções é, talvez, a razão pela qual o Estado de Israel e seus apoiadores têm empregado esforços concentrados em combater o surgimento de quaisquer movimentos BDS ao redor do mundo e atingir aliados inesperados, como políticos latino-americanos de esquerda.

Políticos estrangeiros frequentemente visitam Israel e elogiam as “conquistas democráticas” do país baseados em afinidades ideológicas, um valor político percebido ou ambas as opções – principalmente para políticos dos Estados Unidos, um país para o qual apoiar Israel é imprescindível e apoiar movimentos BDS seria suicídio político.

No entanto, o caso de Jean Wyllys é especialmente confuso. O Brasil não tem um considerável lobby pró-Israel e seu apoio aos direitos dos palestinos é o discurso padrão. O trabalho louvável desempenhado por Wyllys no combate à discriminação, por justiça social e direitos humanos para todos simplesmente não se encaixa com sua nova defesa de Israel e de parte da retórica israelense mais nociva. Além disso, ele não obteria nenhuma vantagem política perceptível ao alienar sua base e contrariar seu partido em uma questão basilar de política externa.

Nota: Devido a um erro na tradução, a versão em Português desse artigo descreveu o Jean Wyllys como a primeira pessoa assumidamente gay a ser eleita para o Congresso Nacional. Na verdade, a primeira foi o Clodovil Hernandes, eleito em 2006. Wyllys é o único parlamentar assumidamente homosexual desde sua eleição em 2010.

Primeira foto: Deputado Jean Wyllys do PSOL palestra nesta semana na Universidade Hebraica de Jerusalém, em Israel.

Colaborou: Cecília Olliveira