Com a abertura oficial dos Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro, todas as atenções se voltarão para o nosso país. Desde o afastamento da presidente legítima e democraticamente eleita, Dilma Rousseff, que aguarda seu julgamento no fim do mês, há um novo grupo de figuras políticas no poder que vêm dos mesmos partidos de direita e de centro – além de serem os mesmos indivíduos – que foram rejeitados nas urnas quando tentaram tomar o poder político que agora, mesmo sem vencer uma eleição, têm a felicidade de deter.

Além dos meios antidemocráticos utilizados para chegar ao poder, os novos governantes do país – em sua maioria articuladores de destaque no afastamento de Dilma – agora são alvos das investigações de corrupção nas quais se encontram acusados até o pescoço. Considerando que a principal justificativa do impeachment foi o combate à corrupção, isso é extremamente irônico (apesar do grande número de políticos de seu partido envolvidos em escândalos pessoais de corrupção, incluindo seu antecessor Lula da Silva, isso não aconteceu com Dilma). As autoridades brasileiras de alto escalão se presentearam com tantos privilégios – o Supremo é o único tribunal que pode julgá-los e dado o alto número de processos acumulados, isso levará anos e anos – que a maioria desses escândalos de corrupção deve demorar a receber uma sentença, e na maioria dos casos eles negaram sua própria culpa, ainda que sejam baseados em acusações legítimas.

Os escândalos de corrupção assombrando os novos líderes do país são tão generalizados que fica difícil acompanhá-los. Para seu conforto, The Intercept resolveu publicar um guia para identificá-los à medida que venham à tona durante as Olimpíadas:

Foto montagem por The Intercept:

 

Foto montagem por The Intercept. Fotos: Temer: (Sentinela Lacerdista); Serra (Twitter); Renan (Facebook); Jucá (Twitter); Cunha (Creative Commons); Nunes (GGN); Neves (Twitter)