Apenas duas semanas depois de seu lançamento, Pokémon Go, o jogo de realidade aumentada que virou sensação pelo mundo, ultrapassou Twitter, Facebook e Netflix em usuários ativos diários em dispositivos Android, de acordo com uma estimativa. Nos dispositivos da Apple, há mais downloads do jogo do que qualquer outro aplicativo na semana de estreia na App Store.

A adoção meteórica e em larga escala do Pokémon Go se deve ao uso agressivo de informações pessoais de usuários. Ao contrário de Twitter, Facebook e Netflix, o aplicativo requer acesso ininterrupto a sua localização e câmera (um verdadeiro estoque de dados sigilosos de usuários), conforme colocou um órgão fiscalizador de privacidade em carta aos órgãos federais.

Mais alarmante ainda é o fato de que o Pokémon Go, da Niantic Labs, é gerenciado pelo homem responsável pela equipe que dirigiu, literalmente, o maior escândalo de privacidade na Internet, em que os carros do Google, no percurso realizado para fotografar ruas para o recurso “Street View” dos mapas online da empresa, copiou secretamente os tráficos de internet de redes domésticas, coletando senhas, mensagens de e-mail, prontuários médicos, informações financeiras, além de arquivos de áudio e vídeo.

Antes de se tornar CEO da Niantic Labs, John Hanke era o homem por trás de uma mina de ouro incrivelmente popular no mundo do smartphones: a divisão geográfica do Google, responsável por quase tudo o que envolvia localização, em uma época que a empresa de busca estava crescendo e se expandindo muito além da simples indexação da web, rumo à catalogação de todos os quarteirões do planeta. Hanke chegou ao Google após deixar sua empresa, Keyhole, extremamente popular (e admissivelmente, muito interessante).  Financiada pela CIA, coletava imagens geográficas, foi adquirida em 2004 e relançada em 2005, com o nome de Google Earth. Em 2007, Hanke já administrava praticamente tudo o que envolvia um mapa no Google. Em 2007, um perfil na Wired (“Google Maps Is Changing the Way We See the World” – Google está mudando a forma como enxergamos o mundo) contou que Hanke foi elevado ao status de pioneiro (“Liderados por John Hanke, Google Earth e Google Maps estão levando ferramentas de cartografia às massas”) e endeusado, exibindo uma foto com um enorme globo sobre seus ombros.

Foi uma época sensacional para o Google. O Google Maps se tornou indispensável, fazendo com que outros recursos, como o MapQuest, ficassem obsoletos, e o Google tinha grandes ambições para transformar as ruas em receita. Mas antes do Google vender o mundo de volta para seus habitantes, era preciso digitalizá-lo; por todo o planeta, frotas de carros do Google equipados com sensores passearam por cidades, ruelas e autoestradas, fotografando edifícios, postes, árvores e outras características. Todos os veículos tinham adesivos “Street View Car”, do Google – uma referência ao recurso “Street View” do Google Maps, que recebia as fotos tiradas. O Google compartilhou as fotografias do Street View extensamente através de uma interface de programação de aplicativos, ou API. Dentre os aplicativos que deve muito aos carros do Street View, está o Pokémon Go.

Porém, em abril de 2010, o comissário de proteção de dados da Alemanha anunciou que os veículos do Google coletavam dados de Wi-Fi de forma ilegal. Investigações regulatórias subsequentes e notícias confirmando a violação trouxeram a verdade à tona: Enquanto circulavam pelas ruas, os carros do Street View coletavam dados de redes Wi-Fi não criptografadas. Peter Schaar, do Órgão Fiscalizador de Privacidade alemão, se disse “horrorizado” e “chocado”.

Finalmente, foi estabelecido que esse tipo de coleta de dados foi praticado por pelo menos dois anos nos Estados Unidos. O escândalo, à época chamado de caso “Wi-Spy” (espião de Wi-Fi), resultou em:

  • conclusões das respectivas autoridades competentes que a coleta de dados de Wi-Fi era ilegal em diversos países: Reino UnidoFrançaCanadáCoreia do SulNova Zelândia;
  • uma investigação de grampo pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos;
  • uma contundente investigação da Comissão Federal de Comunicações dos EUA (FCC – Federal Communications Commission), que se seguiu a um comentário de um de seus diretores, alegando que a atividade do Google “infringia na privacidade de clientes claramente”, e que resultou em uma multa de US$ 25.000;
  • uma ação civil pública federal contra o Google, ainda em curso, em que um tribunal distrital e um tribunal de recursos concluíram, em oposição às justificativas da empresa, que os dados acessados pelo Google contam com proteção legal contra interceptação, de acordo com a Lei de Escutas dos EUA (a suprema corte americana se recusou a aceitar a apelação do Google);
  • processos legais na Espanha;
  • intervenção de órgão reguladores na Itália e na Hungria;
  • e uma investigação governamental na Alemanha.

O Electronic Privacy Information Center (EPIC – Centro de Privacidade de Informações Eletrônicas), um grupo fiscalizador e crítico veemente do Google durante o escândalo do Street View, tem um excelente resumo dessas ações legais).

Hanke, através de um porta-voz, negou ter conhecimento da coleta de dados por Wi-Fi enquanto ela ocorria e responsabilizou a divisão de dispositivos móveis do Google. Mas foi sua divisão, e não a divisão de dispositivos móveis, que foi o foco principal das investigações dos órgãos reguladores dos EUA sobre o assunto. Além disso, foram os veículos de sua divisão que realizaram as coletas em discussão. A forma como a intercepção de dados de Wi-Fi se deu debaixo do nariz de Hanke deveria alarmar os usuários, e pais de usuários, do Pokémon Go.

OGoogle tentou se esquivar da responsabilidade durante os desdobramentos do escândalo, rechaçando preocupações, refutando investigadores e demonstrando a insolência e a arrogância pelas quais a empresa de engenheiros foi criticada inúmeras vezes.

Em uma postagem publicada no começo do escândalo, a empresa negou qualquer irregularidade, alegando não ter copiado dados de redes Wi-Fi, mas coletado “informações que identificavam as redes e como operavam”, como o nome do roteador, uma informação supostamente pública.

A narrativa não durou muito tempo: Duas semanas depois, à medida que aumentava a pressão internacional, a empresa mudou de tática, deixou de negar completamente o ocorrido e passou a tentar encontrar bodes expiatórios, admitindo ter copiado dados, mas “por engano” e de forma “fragmentada”. Surpreendentemente, a empresa americana tentou passar a responsabilidade dos carros operados pela equipe de Hanke para um engenheiro não autorizado “trabalhando em um projeto experimental de Wi-Fi”.

Um dos vice-presidentes da divisão de Hanke, dois meses depois, admitiu em um blog que “foram cometidos erros graves na coleta de conteúdo de Wi-Fi, e trabalhamos celeremente para retificá-los (…). Os equipamentos de coleta de dados de Wi-Fi foram removidos de nossos carros”, mas continuaram a chamar a coleta de dados um erro.

Três meses depois, outra publicação oficial reafirmou que a coleta foi um “erro”, mas apenas admitiu a coleta específica de e-mails, URLs e senhas.

Apenas depois de diversos questionamentos cada vez mais veementes da FCC, frustrada com as tentativas da multinacional americana de “obstruir e atrasar” as investigações “deliberadamente”, o Google revelou a verdade, que foi então resumida em um franco relatório da comissão em 2012. Longe de agir de forma independente, o suposto “Engenheiro Fulano” colaborou e discutiu de forma aberta o “trecho de código” por ele escrito com diversos engenheiros do Google, inclusive seus superiores.

Na verdade, ele tentou alertar seus colegas, enviando o código de software que havia escrito e um documento de design para os gerentes do projeto Street View, que repassaram o material para toda a equipe do Street View. “O documento de design”, relatou a FCC, “identificou ‘ressalvas sobre a privacidade’ e recomendou revisão por parte do conselho, mas isso nunca ocorreu”. Esse resumo do design afirmou, de forma bastante objetiva, que “uma das preocupações naturais [a respeito do projeto] é coletarmos o tráfego de usuários com dados suficientes para estabelecer com precisão suas localizações geográficas em um determinado momento, além de informações sobre o que estavam fazendo”.

Um alerta não pode ser mais claro do que isso.

O relatório da FCC também mostrou que, ao planejar o projeto de coleta por Wi-Fi, em “pelo menos duas” ocasiões, o “Engenheiro Fulano” foi específico ao informar seus colegas de que os carros Street View estavam coletando conteúdo de usuários”, e chegou a compartilhar porções dos dados pessoais coletados. Em um e-mail de 2008, um desses colegas, “um gerente sênior do projeto Street View”, disse achar a análise de mais de 300 milhões de pacotes de tráfego Wi-Fi, contendo mais de 32 mil endereços da web, “interessante”, e perguntou: “estes são os URLs obtidos através dos pacotes de Wi-Fi coletados pelos carros”? A resposta do engenheiro confirmou a suspeita do gerente: “Os dados foram coletados durante o dia, quando a maior parte do tráfego ocorre em ambiente profissional (e provavelmente criptografado). Não acho que o número seja alto suficiente para uma amostra relevante”.

Os dados encaminhados para os reguladores europeus e analisadas pela FCC comprovaram que foram coletados, basicamente, todos os tipos de dados, incluindo informações relacionadas a sites de namoro online e sobre preferências sexuais dos usuários.

No final das contas, é possível que tenham sido coletadas e armazenadas de forma secreta as atividades online não criptografadas de centenas de milhares de pessoas , enquanto o carros realizam as tarefas declaradas publicamente de coleta de localizações de redes sem fio. Os carros do Google não estavam apenas coletando os nomes de roteadores sem fio; estavam absorvendo todas as informações desprotegidas enviadas e recebidas pelos roteadores à medida que os carros circulavam, incluindo sites visitados, histórico de buscas e e-mails. Naturalmente, mesmo uma pequena amostra do tráfego de internet pode revelar tanto a respeito de um usuário que talvez eles preferissem que ficassem no âmbito privado.

The camera of a street-view car, used to photograph whole streets, can be seen on the Google street-view stand at the world's biggest high-tech fair, the CeBIT on March 3, 2010 in the northern German city of Hanover. Some 4,157 companies from 68 countries are displaying their latest gadgets at the fair taking place from March 2 to 6, 2010. AFP PHOTO DANIEL MIHAILESCU (Photo credit should read DANIEL MIHAILESCU/AFP/Getty Images)

Câmera de um carro do Google Street View ao lado do logotipo do Google na feira de tecnologia CeBIT. 3 de março de 2010 em Hannover, Alemanha.

Foto: Sean Gallup/Getty Images

Tudo isso ocorreu sob a direção de John Hanke na divisão geográfica, incluindo o Street View e o Maps, como vice-presidente de gerenciamento do produto. O Google, eventualmente, implementou reformas às políticas de privacidade, mas não é certo, mesmo antes das alterações, por que ninguém interveio quando os engenheiros falaram abertamente sobre a coleta do tráfego de internet de estranhos. Isso pode estar relacionado à cultura interna do Google, incluindo a divisão de Hanke; em uma entrevista em 2009 para o The Times de Londres, um ano antes do escândalo, ele disse:

“Como empresa, podemos não satisfazer 100% das pessoas em todas as situações, mas acho que você não pode viver a vida, seja como indivíduo ou como empresa, tentando não aborrecer ninguém. Temos que estabelecer um equilíbrio entre os possíveis benefícios de uma atividade e o respeito a leis e códigos sociais.”

Logo após a publicação do relatório da FCC, o New York Times identificou o Engenheiro Fulano como Marius Milner, um pesquisador de segurança e figura conhecida na comunidade de hackers. Na época, Milner preferiu não entrar em detalhes a respeito de seu papel no fiasco dos dados, dizendo apenas que a alegação do Google, de que ele havia agido por conta própria, “deixa muitas questões em aberto”. Milner confirmou ao The Intercept que ainda é funcionário do Google, o que significa que o engenheiro não autorizado durou quatro anos mais do que John Hanke, mas disse “nunca o ter conhecido”.

Milner, coincidentemente, tem vínculos com o Pokémon Go: ele, três outros engenheiros e Hanke colaboraram na criação de uma patente, mantida pela Niantic, de um “sistema e método de transporte de objetos virtuais em um jogo de realidade paralela”. Milner me contou que a patente veio de “ideias desenvolvidas com um amigo pessoal que foi um dos coautores” e que nunca a discutiu com Hanke. É importante mencionar que o Google solicitou a patente em 2012, dois anos depois de a empresa acusar Milner de ser um engenheiro não autorizado agindo por conta própria, e foi concedida pelo gabinete de patentes em 2015, quando foi atribuída à Niantic – à época, uma startup desconhecida de realidade aumentada.

Hanke começou a desenvolver a Niantic em 2010, dentro do Google, como uma unidade de negócios autônoma, de acordo com as notícias da época, antes de se desvincular, no fim do ano passado, visando liberar a Niantic para trabalhar com uma variedade mais ampla de parceiros. Google e Nintendo se associaram para investir US$ 20 milhões na empresa, embora o valor exato do investimento do Google não seja conhecido.

Quando deixou o Google, a Niantic levou a patente de Milner/Hanke consigo. A patente descreve extensamente como um jogo como Pokémon Go poderia ser usado para coletar dados reais de um jogador sem que ele saiba:

“O objetivo do jogo pode ser vinculado diretamente à atividade de coleta de dados. Um dos objetivos do jogo que pode ser vinculado diretamente à atividade de coleta de dados envolve uma tarefa que requer a obtenção de informações sobre o mundo real e o fornecimento das mesmas como condição para a conclusão do objetivo do jogo”.

A patente também menciona, para fins ilustrativos, um artigo acadêmico do The International Journal of Virtual Reality (Jornal Internacional de Realidade Virtual), “Aquisição lúdica de dados geoespaciais por comunidades de jogos com base em localização”, de Sebastian Matyas, que inclui o seguinte parágrafo em sua introdução:

“Em nossa opinião, o verdadeiro desafio está em motivar o usuário a fornecer dados constantemente, mesmo após o desgaste do entusiasmo inicial com a tecnologia inovadora. O processo de aquisição de dados deve ser divertido para que um possível contribuidor se envolva a longo prazo. Estamos convencidos de que o entretenimento e a diversão são aspectos fundamentais no design de serviços de coleta de dados como esse”.

Ao ser questionado sobre haver trabalhado na equipe do Street View de Hanke, conforme mencionado no relatório da FCC, Milner disse que não poderia responder.

Hanke, através de um porta-voz, se distanciou da controvérsia de forma mais explícita. Um representante da Niantic, falando em seu nome, disse que “ele não era o responsável pelo que aconteceu” e que não tinha conhecimento prévio das escutas sem fio, que, de acordo com o porta-voz, foi de responsabilidade absoluta da divisão móvel do Google, mesmo que a operação tenha sido conduzida por meio dos carros Street View em nome da divisão de Hanke.

O relatório da FCC sobre o escândalo Wi-Spy é diretamente voltado para a equipe do Street View de Hanke e não menciona a equipe móvel. Além disso, o relatório oferece uma possível explicação sobre como foi possível Hanke alegar não ter conhecimento da espionagem: apesar das tentativas verbais e por escrito de Milner (ou “Engenheiro Fulano”) de manter informados os gerentes do Street View sobre a coleta de dados sem fio, ele foi simplesmente ignorado com frequência. A FCC contou que “em entrevistas e declarações, gerentes do projeto Street View e outros funcionários do Google que trabalharam no projeto disseram ao gabinete que não leram o documento de design do Engenheiro Fulano”, ainda que ele tenha sido enviado para toda equipe do Street View.

A confusão a respeito da responsabilidade pelas ações de Milner podem vir do fato de que o engenheiro trabalhava no YouTube (do Google) na época, que não faz parte da divisão geográfica de Hanke, nem da equipe móvel, e criou o coletor de sinais de Wi-Fi como um projeto paralelo sob a política de 20% de tempo livre para funcionários do Google. Embora tenha dito que a coleta sem fio foi iniciada por “nossa equipe móvel”, a empresa deixou claro, na mesma postagem, que a equipe móvel era responsável pelas ações de Milner, visto que os “gerentes do projeto não queriam e não tinham intenção de usar os dados de conteúdo” coletados.

Enquanto isso, os dados coletados pelo software de Milner, contendo nomes e localização de pontos de acesso sem fio, foram implementados nos carros do Street View (operando em nome da divisão de Hanke) e foram usados para ajudar pedestres e motoristas a se localizar na versão para dispositivos móveis do Google Maps (parte da divisão de Hanke) e no sistema operacional móvel do Google, Android (uma divisão diferente). Em uma postagem no “Blog oficial” da empresa sobre a questão, o Google mencionou ambas as equipes – Google Maps (novamente, parte da divisão de Hanke) e a equipe móvel (que não fazia parte da divisão de Hanke), como beneficiários dos dados de Milner (que não trabalhava para nenhuma das duas).

Evidentemente, nenhum funcionário do Google está disposto a reivindicar a responsabilidade pelo Wi-Spy, incluindo Hanke.

Agora, levando em consideração a disseminação do Pokémon Go e a confidencialidade dos dados que acessa, o fato de Hanke culpar a equipe móvel pelo escândalo do Wi-Spy é menos importante do que o fato de sua divisão, propositadamente ou não, ter se tornado o veículo – ou, literalmente, os veículos – usado por um engenheiro para coletar enormes quantidades de dados extremamente confidenciais, enquanto gerentes e engenheiros da divisão de Hanke ignoraram inúmeras vezes os alertas explícitos, verbais e por escrito, sobre o que se passava com esse engenheiro, de acordo com a mais completa investigação sobre o assunto publicada por uma entidade do Governo dos EUA.

O Centro de Privacidade de Informações Eletrônicas, entidade fiscalizadora de assuntos de privacidade, já está pressionando a Niantic e seu CEO.

Em uma carta enviada à Comissão Federal de Comércio dos EUA (FTC –Federal Trade Commission) neste mês, o Centro de Informação sobre a Privacidade Eletrônica (EPIC – Electronic Privacy Information Center) defendeu que o “histórico sugere que a Niantic continuará a desrespeitar a segurança e a privacidade de consumidores, o que aumenta a necessidade de acompanhamento rigoroso à medida que continua a crescer a popularidade da Niantic, assim como seu estoque de dados”, e acrescentou que “dados os antecedentes do Google Street View, há poucos motivos para acreditar nas garantias oferecidas em relação às práticas de coleta de dados da Niantic”.

Por telefone, um porta-voz do EPIC enfatizou que o escândalo do Street View deve fazer os jogadores do Pokémon Go “pensarem duas vezes se devem acreditar na palavra deles” e que a FTC deve prestar mais atenção a isso e se certificar de que as práticas de coleta de dados [da Niantic] são honestas”.

É muito importante se certificar de que as práticas de coleta da Niantic são “honestas” por que já sabemos que são vastas. A política de privacidade oficial do Pokémon Go deixa isso claro:

“Coletamos e armazenamos informações sobre sua localização (ou a localização de crianças autorizadas) quando você (ou uma criança por você autorizada) usa nosso aplicativo e executa ações no jogo que usam os serviços de localização disponibilizados por meio do sistema operacional de seu dispositivo móvel (ou do dispositivo móvel de uma criança por você autorizada), que usa a triangulação de torres de sinais de celular, triangulação de Wi-Fi e/ou GPS. Compreende e aceita que, ao utilizar nosso aplicativo, você (ou criança por você autorizada) nos enviará a localização de seu dispositivo móvel, e algumas dessas informações de localização, assim como o seu nome do usuário (ou nome de usuário de criança por você autorizada) podem ser compartilhados por meio do aplicativo…

“Coletamos determinadas informações que seu dispositivo móvel (ou o de uma criança por você autorizada) envia quando você (ou criança por você autorizada) usa nossos Serviços, como um identificador, as configurações de usuário e o sistema operacional de seu dispositivo (ou do dispositivo de criança por você autorizada), bem como informações sobre o uso de nossos Serviços ao utilizar o dispositivo móvel.”

Uma vez coletadas, a Niantic se reserva o direito de compartilhar algumas das informações que coleta, no que alega ser de forma “não identificadora”, com terceiros “para pesquisas e análises, perfis demográficos e outras finalidades”. Isto seria uma grande quantidade de informações confidenciais a serem transmitidas em confiança, mesmo para um CEO com um bom histórico de respeito à privacidade de estranhos. E, como era de se esperar, na primeira semana de lançamento do Pokémon Go, a Niantic causou um breve pânico em torno da privacidade de usuários ao ser descoberto que o aplicativo solicitava um acesso muito mais aprofundado do que o necessário a usuários de contas do Google. A empresa respondeu quase que imediatamente:

“Descobrimos recentemente que o processo de criação de conta do Pokémon Go no iOS solicita, por engano, acesso total à conta de usuários do Google. (…) O Google verificou que nenhuma outra informação foi recebida ou acessada pelo Pokémon Go ou pela Niantic”.

Faltava apenas um “engenheiro não autorizado” na história.

 

Traduzido por Inacio Vieira