Acabou a festa. O Brasil conquistou um número recorde de medalhas – 19 – e chegou a um ponto inédito no pódio olímpico –13º lugar. E agora? Manteremos o desempenho nos próximos jogos? Provavelmente, não. E o motivo da resposta negativa é a forma como os investimentos em esporte foram geridos para tentar garantir o top 10 em casa: em vez de investir em uma estrutura esportiva nacional, o dinheiro foi direcionado a atletas específicos escolhidos a dedo pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB).

Investindo em atletas específicos assegura-se um desempenho melhor nesta edição dos Jogos, mas não se garante um legado esportivo ao longo prazo. “Um atleta só não fortalece um esporte como um todo, porque ele dura de dois a três ciclos olímpicos”, explica o professor da USP José Renato de Campos Araújo, que tem o trabalho focado em Gestão de Políticas Públicas.

A lógica que guiou a gestão dos recursos foi a mesma de quem compra ações da bolsa: quanto maiores as chances de retorno, maior o investimento.

“Foram criados programas oportunistas, que visavam apenas a conquista das medalhas e apenas nesses jogos”, avalia Katia Rubio, autora de 12 livros acadêmicos na área de Psicologia do Esporte e Estudos Olímpicos. Segundo a especialista, “é uma pena, a oportunidade perdida”.

RIO DE JANEIRO, BRAZIL - SEPTEMBER 06:  Agatha Bednarczuk  of Brazil in action during final match against Larissa Franca and Talita Antunes at the FIVB Beach Volleyball World Tour Rio Open at Copacabana beach on September 5, 2015 in Rio de Janeiro, Brazil. This event serves as a test for Rio 2016.  (Photo by Buda Mendes/Getty Images)

Agatha Bednarczuk, da dupla Agatha/Barbara, durante jogo contra a dupla Larissa/Talita no Rio Open de vôlei de praia, com patrocínio do Banco do Brasil, em Copacabana, em setembro de 2015.

Foto: Buda Mendes/Getty Images

Os programas aos quais Rubio se refere são os financiamentos oferecidos pelo Ministério do Esporte, o Ministério da Defesa, o COB e empresas estatais patrocinadoras, como Caixa EconômicaPetrobras, Correios e BNDES. Entre eles, o destaque está no Plano Brasil Medalhas, criado em 2012 com o objetivo de colocar o país na 10ª posição do ranking olímpico deste ano.

A lógica que guiou a gestão dos recursos foi a mesma de quem compra ações da bolsa: quanto maiores as chances de retorno, maior o investimento. Apenas o Plano Brasil Medalha injetou R$1 bilhão em esportistas nacionais. As Forças Nacionais investiram, em média, R$18 milhões por ano.

Para entrar no top 10 é preciso mais que isso, os países que figuram na elite olímpica possuem redes bem estruturadas de recrutamento e desenvolvimento de talentos a partir do esporte escolar. Basta observar a nação que alcançou justamente a 10ª posição: a Austrália.

Foi traçado um plano estratégico em 1989, “The Australian Sports Kit” com o objetivo de aumentar a participação esportiva da população. Envolveu um aumento de 79% no financiamento para esportes e lazer, focando principalmente centros esportivos comunitários. O aumento no número de pessoas praticando esportes permitiu um segundo passo na estratégia, em 1992: “Maintain the Momentum”. Potenciais olímpicos eram localizados e enviados para treinar em centros de referência regionais. Não por acaso, em 1993 Sydney venceu a disputa pela sede dos Jogos de 2000.

Australia's silver medallist team Emily Seebohm, Taylor McKeown, Emma McKeon, Cate Campbell pose during the podium ceremony of the Women's swimming 4 x 100m Medley Relay Final at the Rio 2016 Olympic Games at the Olympic Aquatics Stadium in Rio de Janeiro on August 13, 2016.   / AFP / Martin BUREAU        (Photo credit should read MARTIN BUREAU/AFP/Getty Images)

O time australiano que recebeu medalha de prata no 4×100 da natação (da esquerda para a direita): Emily Seebohm, Taylor McKeown, Emma McKeon e Cate Campbell. Com 29 medalhas, das quais 10 vieram das piscinas, o país chegou ao 10º lugar no ranking geral.

Foto: MARTIN BUREAU/AFP/Getty Images

Todo esse plano foi traçado a partir de um relatório feito pelo Comitê de Finanças e Políticas Administrativas, em 1989, chamado “Going for Gold” e faz parte de uma política pública de esportes que o governo explica detalhadamente em seu website. Após receber os jogos, em 2000, a estratégia seguiu focada em incentivo a uma melhor qualidade de vida dos cidadãos através do esporte, paralelamente com objetivos ainda mais altos para o esporte de elite. O plano “Play. Sport. Australia.” foca em esporte de base e recreativo enquanto o “Winning Edge” foca no objetivo de entrar para o top 5 do ranking olímpico até 2020.

Nações que sediam as Olimpíadas registram aumento no número de medalhas ao jogar em casa. O desafio é manter o ritmo depois.

O problema não reside no fato de o governo investir em atletas de alto rendimento. Mas, ao mirar apenas em profissionais formados, deixa o esporte de base de lado num país onde seis em cada dez escolas públicas sequer possui quadra esportiva. Os investimentos programados para o período pós-jogos também foram cortados.

Diversos países desenvolvem planos estratégicos de investimento em esporte de elite, principalmente com o objetivo de aumentar o número de medalhas no ano em que sediam os jogos. Exatamente por isso, é comum haver um pico no número de medalhas no ano em que se sedia os Jogos, seguido de uma ligeira queda (confira no gráfico abaixo). O verdadeiro desafio olímpico é manter um patamar elevado em relação ao anterior em longo prazo.

O Reino Unido traçou um plano para o pós-olímpico de Londres e colocou em prática: foi feito um investimento recorde de £347 milhões ( o equivalente a aproximadamente R$1,5 bilhão) com a meta de ganhar 66 medalhas, uma a mais em comparação a 2012. O objetivo foi ultrapassado no Rio, onde permaneceu no top 3 da tabela, em 2º lugar, com 67 medalhas. China, Espanha e Austrália também são exemplos de nações que conseguiram subir de patamar nos rankings das edições seguintes às que sediaram. Já a Grécia não conseguiu reverter os investimentos em fortalecimento do sistema esportivo nacional e caiu da 15ª para a 59ª logo após sediar os jogos.

Segundo o professor da USP José Renato de Campos Araújo, a principal oportunidade perdida foi a falta de profissionalização do esporte brasileiro, exatamente o mesmo o erro grego:

“É um problema de gestão. Por anos o Estado brasileiro investiu nos atletas e deu dinheiro para as confederações esportivas. É delas que temos de cobrar, porque são elas que mantém as equipes de seleção. O Estado deveria ter incentivado as confederações para se profissionalizarem e passarem a ser geridas como empresas de fato, e não como feudos familiares que são”. A dificuldade em cobrar contas das confederações é que elas são empresas particulares e, por isso, não existe uma agência reguladora que fiscalize seu desempenho.

Enquanto, em conjunto, os atletas da delegação brasileira terminam os jogos com resultados históricos, na vida prática, voltam a uma realidade triste. 

RIO DE JANEIRO, BRAZIL - AUGUST 17:  Jaqueline de Carvalho Endres of Brazil cries after being defeated by China during the Women's Quarterfinal match between China and Brazil on day 11 of the Rio 2106 Olympic Games at the Maracanazinho on August 17, 2016 in Rio de Janeiro, Brazil.  (Photo by David Ramos/Getty Images)

Jaqueline Carvalho, da seleção feminina de vôlei de quadra, após derrota para a China. Atletas de elite como ela estão perdendo espaço nos clubes brasileiros com cortes de verbas.

Foto: David Ramos/Getty Images

Enquanto, em conjunto, os atletas da delegação brasileira terminam os jogos com resultados históricos, na vida prática, voltam a uma realidade triste. A equipe feminina de vôlei, por exemplo, não atendeu às expectativas do COB. Pudera, os clubes estão freando investimentos e cortando justamente nomes que compõem a seleção.

Jaqueline Carvalho, estrela da equipe, perdeu o emprego a poucos meses das Olimpíadas. É que o Sesi-SP, time onde trabalhava, resolveu fazer um corte de custos e mudou a estratégia para a equipe de vôlei, alterando o perfil do time de profissional para sub 23.

Outros clubes que já tiveram histórico forte em esportes olímpicos, agora, focam apenas no futebol masculino. É o caso do carioca Vasco da Gama: seu parque aquático, que já foi casa do medalhista Gustavo Borges, hoje está abandonado.

É importante ressaltar que, enquanto o futebol masculino está sob os holofotes na grande maioria os clubes, a Confederação Brasileira discute a extinção da seleção permanente de futebol feminino. Faria algum sentido extinguir a seleção permanente se o país tivesse desenvolvido um sistema amplo e variado de times que possibilitassem a seleção feminina a funcionar como a masculina, que só é escalada nas vésperas de um evento. Mas este não é o caso.

(L-R) Mayor of the city of Rio de Janeiro Eduardo Paes, Governor of the State of Rio de Janeiro Sergio Cabral, President of Rio 2016 Bid Committee Carlos Arthur Nuzman, Brazilian President Luiz Inacio Lula da Silva  and Brazilian Minister of sport Orlando Silva rejoice at the press conference after Rio won the right to host the 2016 Olympic games, on October 2, 2009 in Copenhagen. The International Olympic Committee (IOC) voted in Rio as the 2016 Summer Olympic city today after a final round battle in Copenhagen.  AFP PHOTO / FRANCK FIFE  (Photo credit should read FRANCK FIFE/AFP/Getty Images)

Da esquerda para a direita: O prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes, o então governador Sergio Cabral, o presidente do Comitê Rio 2016 e do COB, Carlos Arthur Nuzman, o ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva e o então ministro dos esportes, Orlando Silva comemorando a escolha do Rio para sediar os jogos de 2016.

FRANCK FIFE/AFP/Getty Images

O ano é 2009, na Dinamarca, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva levanta a mão com o punho cerrado em comemoração à escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016. A partir da escolha do Comitê Olímpico Internacional, um plano foi traçado. Era preciso fazer bonito não apenas na organização e nas festas, mas nas provas também. E assim foi criado o “livro preto” do COB.

“A gente fez um livro para cada uma das modalidades traçando o perfil do medalhista. Pegamos os medalhistas de Pequim, Londres e Atenas e destrinchamos a vida deles, perfil biológico, tudo. Vimos o que cada um tinha ganhado nos quatro anos anteriores, como era carreira desde pequeno. Foi em 2009 que a gente começou a fazer. Em 2010, ele virou papel e, em 2012, já teve resultado”, explica Marcus Vinícius Freire, diretor executivo de Esportes do COB. Ele conta que inúmeros especialistas em cada uma das modalidades, em medicina esportiva e estatística participaram da criação do livro e, na reta final, a equipe contava com “apenas” 50 pessoas.

“A gente conseguiu alinhar que todo mundo apostasse nos mesmos possíveis resultados ou medalhistas possíveis.” 

Das 30 confederações que compõem o comitê, 18 foram consideradas estratégicas, estas comandam os 21 esportes apontados no Plano Brasil Medalha. Os atletas foram divididos em três grupos –“vital”, “potencial” e “legado”– que indicavam a possibilidade de pódio. No primeiro, estavam aqueles com grandes chances, o terceiro reunia os atletas que só estariam “maduros” para os Jogos de Tóquio, em 2020. A organização era dinâmica, os nomes podiam subir ou descer de categoria de acordo com seu desempenho em competições internacionais. Assim se montou o Time Brasil.

Uma vez selecionados os nomes, os investimentos eram feitos em conjunto. “Essa conjunção só foi possível porque todo mundo entendeu que esse era o mapa”, lembra o diretor executivo do COB: “A gente conseguiu alinhar que todo mundo apostasse nos mesmos possíveis resultados ou medalhistas possíveis. Todo mundo, eu quero dizer o COB, as confederações, o Ministério dos Esportes e o Ministério da Defesa, que incorporou os caras que nós pedimos. Tanto que, se você pegar hoje, muitos são da Marinha, do Exército, da Aeronáutica”.

O desafio será transformar esses novos ídolos que estão nascendo em inspiração para uma nova geração de atletas. 

RIO DE JANEIRO, BRAZIL - AUGUST 18:  Bronze medalist Isaquias Queiroz dos Santos of Brazil stands on the podium during the medal ceremony for the Men's Canoe Single 200m event at the Lagoa Stadium on Day 13 of the 2016 Rio Olympic Games on August 18, 2016 in Rio de Janeiro, Brazil.  (Photo by Mike Ehrmann/Getty Images)

Isaquias Queiroz dos Santos recebendo sua primeira medalha, de bronze.

Mike Ehrmann/Getty Images

Deste plano surgiu o que, para alguns brasileiros foi “uma surpresa”: Isaquias Queiroz. O hoje multimedalhista na canoagem de velocidade podia ser desconhecido para a torcida brasileira ou para os organizadores do álbum de figurinhas dos atletas olímpicos antes da cerimônia de abertura, mas o COB o acompanha de perto desde 2011, quando foi campeão mundial junior.

O desafio será transformar esses novos ídolos que estão nascendo em inspiração para uma nova geração de atletas e dar aos jovens condições de treino para popularizar esportes não tradicionais, mas com potencial. Com Gustavo Kuerten, atleta do tênis que se tornou fenômeno nacional, a confederação perdeu o timing e o esporte continua sendo um hobby de elite.

Já a ginástica olímpica colhe hoje os louros plantados há mais de uma década. “Esses atletas que estão se destacando na ginástica não são de agora, são resultado de um longo investimento. Mas é um dos poucos esportes em que conseguimos construir algo sólido ao longo dos anos. E agora eles têm uma boa estrutura, quem vai administrar e manter isso?”, provoca o professor Araújo.

O Estádio Olímpico do Engenhão, onde Usain Bolt correu, foi construído para os Jogos Panamericanos, em 2007, e fechado seis anos após a inauguração por falhas estruturais. Precisou de reformas milionárias para receber as Olimpíadas. A única medalha do atletismo brasileiro foi o ouro de Thiago Braz, do salto com vara. Ele mora e treina na Itália desde 2014 como parte da estratégia de preparação olímpica. Ou seja, foi preciso enviá-lo para outro país justamente pela falta de estrutura no Brasil.

Jamaica's Usain Bolt kisses the track as he celebrates Team Jamaica winning the Men's 4x100m Relay Final during the athletics event at the Rio 2016 Olympic Games at the Olympic Stadium in Rio de Janeiro on August 19, 2016.   / AFP / FRANCK FIFE        (Photo credit should read FRANCK FIFE/AFP/Getty Images)

Usain Bolt beija a pista de atletismo do Engenhão após vencer prova.

Foto: FRANCK FIFE/AFP/Getty Images

Único local para treinamento de atletismo no Rio antes dos Jogos, o estádio Célio de Barros fazia parte do complexo esportivo do Maracanã. Foi destruído em 2013 para dar espaço às construções temporárias de escritórios de televisão e transmissão dos Jogos e cerimônias olímpicas e da Copa do Mundo de 2014. Desde então sua reconstrução é debatida pela secretaria de esporte do Governo Estadual, sem garantia de realização.

O Parque Aquático Maria Lenk seguia subutilizado e também passou por reformas. Ainda assim, sofreu críticas durante sua utilização nas Olimpíadas. A consequência da falta de locais apropriados para treino é a falta de medalhas do Brasil. A natação é justamente o tipo de esporte onde o investimento tem altas chances de retorno, pela quantidade de medalhas distribuídas. Foram das piscinas que saíram 33 das 121 medalhas dos Estados Unidos nos Jogos do Rio. E graças, também, às 10 medalhas conquistadas na natação, a Austrália alcançou o posto que era almejado pelo Brasil. Mostrando, mais uma vez, como fazer direito o dever de casa.