Durante seu discurso de posse, Donald Trump usou de uma retórica familiar a quem esteve nos Bálcãs durante os anos 90. “Vocês nunca serão esquecidos novamente”, esbravejou Trump, com o Congresso Nacional dos EUA ao fundo. O presidente dos EUA entrou em mais detalhes alguns dias depois, durante visita ao Departamento de Segurança Interna, onde disse: “A todos aqueles sofrendo, eu repito as seguintes palavras, nós os vemos, nós os ouvimos e vocês nunca, nunca serão ignorados novamente”.

A mensagem de Trump foi uma variação, direcionada em grande parte a seus eleitores brancos, da retórica do tipo vocês-não-serão-castigados-novamente de Slobodan Miloševic que teve consequências terríveis durante a queda da Iugoslávia. Trump não é Miloševic, e os Estados Unidos não são a Iugoslávia, naturalmente, mas os paralelos entre esses paradigmas de falta de vergonha nacional revelam os métodos e a fragilidade subjacentes às manobras de Trump.

Em 1987, Miloševic foi enviado para o Kosovo para acalmar sérvios nervosos, que se sentiam ameaçados pelo domínio dos albaneses sobre a província. Ainda um oficial comunista de baixo escalão à época, Miloševic visitou um gabinete municipal e se dirigiu a uma multidão de sérvios insatisfeitos que se reuniam do lado de fora. Durante o discurso, Miloševic não estava seguro quando se dirigiu a eles, mas tudo mudou quando usou um tom nacionalista que nunca havia sido ouvido antes: “Ninguém poderá castigar os sérvios novamente, ninguém”, exclamou.

A multidão começou a gritar seu nome. Ainda que tenha permanecido frio (o líder não tinha praticamente nenhum carisma), o momento foi decisivo para perceber a utilidade política de explorar os ressentimentos de sérvios que se sentiam menosprezados por outros grupos na Iugoslávia. Isso era um tabu, e ele o quebrou. Quando Miloševic retornou a Belgrado, adotou a bandeira do nacionalismo sérvio e dispensou seu nada energético mentor, Ivan Stambolic. Ele provocou a separação de outras repúblicas que faziam parte da Iugoslávia, o que causou anos de guerra e diversos crimes de guerra.

Miloševic criava sua própria realidade. Eu nunca entrevistei Donald Trump, mas tenho memórias inesquecíveis de como é se sentar em uma sala com um líder gaslighter e questioná-lo. Fui dos poucos jornalistas americanos que conversaram com Miloševic antes que ele fosse destituído e extraditado para ser julgado por seus crimes de guerra em Haia, onde morreu de ataque cardíaco em 2006.

"387109

Slobodan Miloševic é recebido por apoiadores em frente à sua casa em Belgrado, durante uma reunião do Partido Socialista da Sérvia, em 2001.

Photo: Couple/Globalphoto.com/Liaison via Getty Images

Minha visita ao líder aconteceu em um dia ensolarado de primavera enquanto o poder de Miloševic ainda florescia. Seu gabinete era no centro de Belgrado, em um antigo palácio que havia sido talhado com um toque sombrio de arquitetura austro-húngara. Guardas à paisana me pediram para passar por um detector de metais que apitava alto, levando um dos guardas a perguntar com um sorriso no rosto, “Alguma arma?”. Ele me deixou passar. Uma mulher então me conduziu através de saguões vazios a uma sala de espera. “Sente-se aqui”, disse.

Ela retornou em um minuto e abriu uma porta dupla que dava para um escritório com uma longa fileira de janelas permitia que a luz do sol entrasse. O escritório estava vazio, exceto por Slobodan Miloševic, que estava de pé, próximo às janelas. Suas primeiras palavras foram: “por que escreve mentiras a respeito do meu país?” Agora, me dei conta de que essas palavras poderiam facilmente vir da boca de Trump ou de sua conta no Twitter, quando ele fala de veículos de mídia de que não gosta, ou seja, a maioria deles.

Miloševic não teve vergonha de mentir sobre as mais óbvias verdades. “Somos acusados de uma política nacionalista, mas não acho que nossa política seja nacionalista”, disse. “Se não temos uma igualdade nacional e uma igualdade entre as pessoas em geral, não podemos ser, como se diz, um país próspero e civilizado no futuro”. Enquanto conversávamos, as forças militares  organizadas por ele continuavam a assolar a Bósnia, cercando Sarajevo e outras grandes cidades no melhor estilo medieval.

Passamos uma hora e meia juntos, sem mais ninguém na sala. Apesar de não ter a petulância de Trump — Miloševic falava baixo e de forma controlada, com ocasionais momentos de raiva, de caráter mais tático que impulsivo —, era mestre dos fatos alternativos, mesmo estando cara a cara com alguém que sabia que eram mentiras, já que eu havia escrito sobre os crimes cometidos por seu exército na Bósnia. Algum tempo depois, quando escrevi um livro sobre tudo isso, descrevi a relação de Miloševic com a verdade de uma forma que, agora percebo, também se aplica a Trump.

Seria mais fácil acertar um soco em um holograma. Miloševic vivia em outra dimensão, em um crepúsculo de mentiras, e eu fuçava na dimensão dos fatos. Ele tinha passado toda sua vida no mundo do comunismo e tinha se tornado um mestre, um verdadeiro mestre da fabricação de fatos. Evidentemente, meus socos verbais o atravessavam sem atingi-lo. Era como se eu apontasse para uma parede preta e perguntasse a Miloševic qual era a cor dela. “Branca”, ele responde. “Não”, eu respondo, “olha para ela, aquela parede ali, ela é preta, está a dois metros da gente”. Ele olha para a parede, vira para mim e diz: “a parede é branca, meu caro, você precisa fazer um exame de vista”. Ele não grita com raiva. Parece preocupado com minha visão. Eu sabia que a parede era preta. Eu podia ver a parede. Eu tinha tocado na parede. Tinha assistido aos pintores usando a tinta preta.

President Donald Trump puts his fist after speaking during the 58th Presidential Inauguration at the U.S. Capitol in Washington, Friday, Jan. 20, 2017. (AP Photo/Carolyn Kaster)

Presidente Donald Trump levanta o punho após seu discurso de posse no Capitólio dos EUA. Washington, 20 de janeiro de 2017.

Photo: Carolyn Kaster/AP

Comparações de líderes políticos é um exercício de utilidade limitada porque líderes nunca são exatamente iguais — o que me traz à mente uma frase de Tolstói sobre famílias infelizes: cada uma é infeliz de uma maneira. Miloševic era sagaz, disciplinado e não era narcisista como Trump. Não participava de muitos encontros públicos, seu rosto não estava espalhado pela mídia sérvia e passava a maioria das noites com sua esposa, uma professora linha-dura chamada Mira Markovic, também sua principal confidente. E não importa o que faça Trump, não acredito que os EUA estejam a caminho do tipo de violência a que Miloševic levou a Iugoslávia.

O modo bufão de Trump estava presente, entretanto, em outro protagonista da carnificina nos Bálcãs — Radovan Karadžic, o líder sérvio que começou como marionete de Miloševic. As fábulas de Karadžic eram ainda mais ousadas que as de seu parceiro sérvio, talvez porque, assim como Trump, ele adorava os holofotes e falava muito. Karadžic era notívago e, uma noite, compareceu a uma coletiva de imprensa que foi iniciada após a meia-noite no quartel general de sua pequena cidade, próxima a Sarajevo. Os muçulmanos estavam se bombardeando, disse Karadžic. A mídia inventou as histórias de sérvios maltratando prisioneiros. Não havia limpeza étnica — os muçulmanos deixaram suas casas voluntariamente.

A performance de Karadžic era trumpiniana em seu audacioso faz de conta e passa uma lição útil para os dias de hoje. Tiranos não se importam se você acredita neles, querem apenas que você se sujeite à dúvida. “Suas ideias eram tão grotescas”, escrevi a respeito de Karadžic algum tempo depois, “sua versão da realidade era tão distorcida que eu estava prestes a concluir que ele estava drogado, ou quem sabe eu. Eu conhecia bem a Bósnia e sabia que Karadžic dizia mentiras, e que essas mentiras estavam sendo transmitidas diariamente em todo mundo, diversas vezes por dia, e estavam sendo levadas a sério. Não estou dizendo que as mentiras eram encaradas como verdade, mas suspeitava que estivessem obscurecendo a verdade, fazendo com que observadores externos ficassem por fora, o que representava uma grande vitória para Karadžic. Não era necessário que os observadores externos acreditassem em suas versões dos acontecimentos, bastava que duvidassem da verdade e permanecessem inertes.

No entanto, a terrível experiência nos Bálcãs oferece um pouco de esperança: Miloševic foi deposto. Seu mundo de realidade paralela levou a um desastre que gerou níveis de inflação equivalentes aos da República de Weimar, o que desgastou o apoio popular a seu regime. Em uma das vezes em que me hospedei no Hotel Hyatt de Belgrado, cada noite custava mais de quatro milhões de dinars, sem taxas. O momento mais importante de sua deposição ocorreu quando trabalhadores da cidade operária de Cacak invadiram Belgrado com uma escavadeira ao perceber que seu herói os havia enganado.

Não foi a inércia que derrubou Miloševic, nem progressistas e alunos que fizeram oposição desde o primeiro dia de seu governo. Democratas bem comportados tiveram um papel fundamental, preparando o terreno para a queda de Miloševic, no entanto, foram seus principais eleitores, a classe trabalhadora e os serviços de segurança que deram o golpe final. O papel de Brutus foi assumido por infiltrados que se cansaram da demagogia malsucedida. É apenas o começo da era Trump, mas se o destino de Miloševic funcionar como guia tanto quanto sua retórica, Trump será derrotado quando a resistência se aprofundar e os eleitores e partido que o elegeram virarem-se contra ele.

Foto principal: Slobodan Miloševi? em transmissão de discurso. 1999.