Enquanto a opinião pública ainda debatia a Operação Carne Fraca, o Congresso votou e aprovou na noite de ontem a terceirização ampla em todas as atividades das empresas privadas e alguns setores das estatais. O que se viu foi uma manobra do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, em sintonia com Michel Temer e empresários.

De acordo com o texto do PL 4302, que tramitava no Congresso desde o governo Fernando Henrique Cardoso, os trabalhadores terceirizados não têm nenhum tipo de vínculo com a empresa para qual prestam serviço. Outra mudança importante, diz respeito aos contratos temporários, que passam a ser de seis meses, podendo ser estendidos por mais três.

 

Federações, sindicatos patronais e entidades como o Sebrae comemoram o resultado da votação. Os apoiadores do projeto acreditam que haverá um aumento da produtividade e uma facilitação na contratação de trabalhadores temporários.

Os comentários dos nossos leitores mostram que os trabalhadores não nutrem o mesmo sentimento dos empresários.

Henrique Junior

É uma desgraça em qualquer lugar do mundo. Sou funcionário terceirizado numa empresa de informática na Irlanda e não vejo nenhuma vantagem. A terceirização só beneficia as empresas que contratam o serviço e a que presta o serviço. Os salários são mais baixos para o mesmo tipo de função, os direitos não são os mesmos e, se eu for tratado mal na empresa que eu trabalho, nem o RH eu posso acionar pois sou funcionário terceirizado

Érika

Sou advogada trabalhista, sei bem os prejuízos que a geração que está entrando no mercado de trabalho vai amargar pelo resto de suas vidas, com salários baixíssimos, sem a garantia de seus créditos trabalhistas (FGTS, férias, 13º), posto que as empresas com patrimônios, irão terceirizar tudo, e a empresa contratada não terá patrimônio a garantir os trabalhadores.

Braúlio

Quando vi que a mídia batia na “carne fraca” até sair sangue sabia que estavam aboiando, ou seja, tocando a boiada para um rumo só [hoje se diz, focar, não é? focar de foco ou foca?], enquanto isso… o Moraes foi empossado no STF, o Eduardo levado “coercitivamente” para prestar depoimento etc.

Marcia Pacheco Chaves

Vejam a lista e guardem bem esses nomes e partidos para se lembrar nas próximas eleições de quem votou contra os seus interesses, condenando os trabalhadores ao retrocesso.

Junior Remoli

Direitos Trabalhistas, Previdenciários e Educacionais sendo suprimidos pelos deputados! Segundo Dieese, trabalhador ganhará 25% menos.

Pedro Geber

Terceirização sem debate com o trabalhador e com a conivência da grande imprensa, que se manteve quieta até a aprovação.

João Alberto

Este projeto visa acabar com o funcionalismo público e voltar a antes da constituição. Cabides de emprego.

 

E, você, trabalhador? O que acha das mudanças da lei da terceirização?