A liderança e o projeto vitorioso de 2002, admirados por aqui e invejados no resto do mundo, não se renovaram nos 15 anos seguintes da conquista. A aposta na velha fórmula acelerou o colapso, e a campanha traumática de 2014 abriu as comportas para um sentimento difuso e incoerente por mudanças. A saída foi recorrer a um velho nome com receituários ainda mais ultrapassados. A mudança só prorrogou a sucessão de vexames e a frustração.

O paralelo entre a seleção brasileira de futebol (masculina) e o que acontece no cenário político nacional é tentador, mas para por aqui. No futebol, a escolha de um nome finalmente antenado com os valores da sociedade contemporânea, menos paternalista e ranzinza que seus antecessores responsáveis pelos 7 a 1 e as eliminações precoces em torneios médios, produziu uma mudança de postura evidente em campo.

Nessa, o grande atributo do novo treinador talvez esteja menos relacionado com a estratégia de jogo do que com a capacidade de ouvir, o que ajudou a estabelecer, em vez do estilo centralizado em torno da figura do “paizão” que sabe o que é bom para a tosse, uma relação horizontal entre comandante e comandados em uma época de conexões, compartilhamento, acesso a informação, referências e disposições para ouvir e tomar decisões em conjunto.

Para Renan, a gestão atual é a seleção de Dunga, mas os brasileiros querem a seleção de Tite.
Não é à toa que o nome do técnico Tite, oito vitórias em oito jogos pela equipe (e um refresco, diante da opinião pública, para os mesmíssimos mandatários da CBF enrolados até a alma aqui e lá fora), surgiu num bate-boca público promovido pelo líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), e o presidente Michel Temer, seu colega de partido com quem já vivia às turras desde outras Copas.

Para Renan, a gestão atual é a seleção de Dunga, mas os brasileiros querem a seleção de Tite “para dar orientação”.

O que Renan quer, é bem verdade, não é nem uma coisa nem outra. Desorientado com o avanço da Lava Jato e sem o mesmo espaço de outrora, quando era presidente do Senado, sob risco de não se reeleger nem reeleger herdeiros em Alagoas, ele sabe que sua sobrevivência política é inversamente proporcional à proximidade com o atual presidente, engajado na promoção de algumas das medidas mais impopulares de seu mandato, como as reformas Trabalhista e da Previdência.

Os petardos de Renan começaram a ser disparados há mais de uma semana. Ele já chamou a gestão Temer de “errática” e vaticinou: “quem não ouve erra sozinho”.

A referência a Dunga, que em 2010 trocou Neymar por Júlio Baptista, parecia fazer sentido.

Guardadas as proporções, Dilma Rousseff começou a cair quando perdeu apoio das figuras-chave do PMDB em seu governo. Renan foi o último a abandonar o barco, incomodado que estava com o protagonista Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na estratégia. Segundo um ex-aliado, demorou a perceber que Michel era Cunha e Cunha era Michel. Um ano depois, ele reclamaria das chantagens e da influência de um detento no governo da suposta união nacional (risos nervosos).

Quem tem um líder assim não precisa de adversário, diria o eleitor torcedor não vaticinado pelo histórico peemedebista.

Temer disse que não pode brigar com quem “não é presidente da República”. Faltou chamar de bobo, feio e careca.
Renan já não é o presidente do Senado, mas a influência sobre seu grupo de parlamentares pode atrapalhar e muito as pretensões de Temer no Congresso, o único lugar do Planeta em que tem mais de 10% de aprovação.

A resposta do presidente demorou, mas surgiu. Em entrevista no meio da semana, Temer disse que não pode brigar com quem “não é presidente da República”. Faltou chamar de bobo, feio e careca.

“Eu compreendo o Renan e há as dificuldades dele. De alguma maneira, ele sempre agiu dessa maneira. Ele vai e volta. Então, estou tratando com muito cuidado politicamente. Até porque não posso todo momento brigar com quem não é presidente da República”, disse.

Pela lógica, Temer poderia debater apenas com ele mesmo. Minha bola, minhas regras, dizia o menino mimado da quadra quando era contrariado no jogo. Se o esperneio de Renan, outrora o dono da bola, teve efeito ou não, ninguém sabe, mas na mesma semana o governo anunciou a disposição de recuar em alguns pontos da reforma da Previdência.

A metáfora futebolística é mero acessório decorativo. Na vida real, o bate-boca entre os dois caciques mostra que, na busca por um salvador à la Tite, Brasília se tornou um grande jardim da infância. Os próximos capítulos prometem.