O então governador de Minas Gerais Aécio Neves, o empresário Alexandre Accioly e o jornalista Diogo Mainardi (que nega este relato) jantavam no restaurante Gero, um dos mais conceituados do Rio de Janeiro, em algum momento entre o fim de 2007 e começo de 2008. No mesmo salão, mas em outra mesa, estava um velho conhecido de Aécio, Henrique Valadares, então diretor da área de energia da Odebrecht. Valadares achava normal encontrar o mineiro em Ipanema, onde o tucano se habituara a passar seus finais de semana quando era governador.

Isso já faz quase dez anos, mas o representante da Odebrecht diz não se esquecer desse dia até hoje. É que, dias depois, o ex-diretor de Furnas e homem de extrema confiança de Aécio no setor elétrico Dimas Toledo procurou Valadares no escritório da Odebrecht na Avenida Pasteur, no Rio. Não era a primeira vez dele ali, nem seria a última. Dimas levava consigo um pedaço de papel com algumas informações sobre dados bancários. Era uma conta bancária em Cingapura, identificada como “Accioly”.

Valadares não teve dúvidas e até hoje afirma que a conta era do amigo de Aécio. Depois de um tempo, disse o diretor em um de seus depoimentos no acordo de delação premiada, ele viu Accioly também com Dimas, o que reforçou sua convicção. Nessa conta, foram depositados algo em torno de R$ 2 milhões, disse Valadares.

UHE Santo Antônio

Usina Hidrelétrica de Santo Antônio, no Rio Madeira, cuja obra foi facilitada por meio de propina a políticos.

Foto: Beethoven Delano

Mas a história, conforme conta o delator, não começa nem termina aí. Em fevereiro de 2008, Henrique Valadares e Marcelo Odebrecht marcaram um encontro com Aécio Neves. A conversa foi na residência oficial do governador, o Palácio das Mangabeiras, num ponto alto de Belo Horizonte. Com os três sentados nos confortáveis sofás do palácio, com vista para a cidade, a noite foi de conversas sobre a situação política e econômica do país, mas em tom de amenidades. Na saída, Aécio falou rapidamente com Valadares, sem dar maiores explicações: “O Dimas vai te procurar”.

O delator afirma que não presenciou o pedido de propina durante a noite. No entanto, ao entrar no carro com Marcelo, Valadares – sempre segundo seu depoimento aos procuradores da Lava Jato – foi informado do grande fato da noite: eles tinham acertado um pagamento de R$ 50 milhões para Aécio. Era uma contrapartida a ações que o tucano, hoje senador e presidente do PSDB, iria tomar, usando sua influência como governador, em favor do consórcio que a Odebrecht formou com a Andrade Gutierrez pelas obras da Usina Hidrelétrica de Santo Antônio, no Rio Madeira.

As empreiteiras  queriam resolver questões em relação ao leilão da usina de Jirau, que aconteceria dali a três meses. Daqueles R$ 50 milhões, R$ 30 milhões caberiam à Odebrecht pagar. O restante da propina seria executada pela Andrade Gutierrez.

Dias depois, Dimas Toledo foi mesmo ao encontro de Valadares, no Rio. Não perdeu tempo. Já levava consigo um cronograma de pagamentos a serem feitos. Antes de cada data prevista para os repasses, Dimas voltava ao diretor da Odebrecht e entregava um pedaço de papel com informações sobre o destino de cada remessa. Pelo que se recorda Valadares, todos os pagamentos, sempre da ordem de até R$ 2 milhões, eram feitos para contas no exterior (embora ele admita que pode ter havido alguma conta também no Brasil). Considerando que foram R$ 30 milhões pagos, teriam sido indicadas cerca de 15 contas bancárias diferentes para os depósitos.

A respeito disso, o que as delações da Odebrecht mostram é que o padrão da empresa para pagamento de contribuições irregulares de campanha era por pagamentos em dinheiro vivo para emissários indicados dentro do Brasil. Pagamentos no exterior, em tese, teria como objetivo final enriquecimento pessoal. Valadares disse em depoimento não saber para que o dinheiro era usado.

Todos os R$ 30 milhões que teriam sido pagos pela Odebrecht, no acerto com Aécio Neves, foram desviados do contrato da Usina de Santo Antônio, conforme relato de Henrique Valadares.

O acerto do total de R$ 50 milhões para Aécio chama atenção também por um outro motivo. Na mesma época, segundo narrou Valadares aos procuradores, o mesmo valor foi acertado pela Odebrecht e Andrade Gutierrez também para o então deputado Eduardo Cunha, que passou a exercer forte influência no setor elétrico a partir do governo Lula, e também com o objetivo de garantir facilidades para o consórcio no projeto das usinas do Rio Madeira.

Cunha-certo-1492461752

Relato do Ministério Público sobre o depoimento de Henrique Valadares.

Reprodução

“Fôlego” de R$ 15 milhões

Corta para 26 de setembro de 2014. Aécio saiu do governo de Minas Gerais com alto cacife político. Quase disputou as eleições de 2010, quando tinha mais de 70% de aprovação da população de Minas Gerais ao seu governo, conhecido pelo “choque de gestão”. Acabou perdendo a disputa interna no PSDB para José Serra e foi disputar uma vaga no Senado. Depois, com a derrota de Serra para Dilma Rousseff, conseguiu prevalecer internamente e foi eleito presidente do partido, encaminhando-se como nome natural para disputar o Planalto em 2014.

Naquele dia, em declarações a jornalistas, Aécio bateu mais uma vez no PT. Segundo ele, o partido de Dilma “era complacente com a corrupção” e tinha “absoluto desprezo pela ética”. Aécio estava preocupado, porque a eleição estava na reta final do primeiro turno, e ele corria risco de ficar de fora do segundo turno com a ascensão de Marina Silva.

Foi por isso que, dias antes, Marcelo Odebrecht foi procurado por Aécio. O candidato foi atrás de “um fôlego”. Pediu R$ 15 milhões, que, por motivos que Odebrecht acaba não detalhando em seu depoimento, acabaram não sendo pagos.

Mas a Odebrecht já vinha financiando ilegalmente a campanha de Aécio desde o primeiro semestre, como conta Marcelo. Só naquele mês de setembro, quando o candidato criticou a falta de ética do PT, sua campanha e de aliados próximos tinham recebido três pagamentos de R$ 1 milhão, segundo delatores. Antes, os repasses em dinheiro vivo – doze ao todo – eram de R$ 250 mil e vinham ocorrendo desde maio daquele ano. O dinheiro era entregue para emissários indicados por Aécio: Dimas Toledo e Oswaldo Borges da Costa, tesoureiro informal de Aécio e presidente da Companhia de Desenvolvimento do Estado de Minas Gerais (Codemig).

Colaboração: Alline Magalhães, Bruno Pavan, Jéssica Sbardelotto, Guilherme Zocchio, Kleyson Barbosa, Lúcio Lambranho e Renan Antunes de Oliveira.