Qual é a sua opinião sobre o conflito sírio? A resposta a essa pergunta talvez seja a melhor maneira de descobrir a posição política de alguém atualmente.

Você é de esquerda ou libertário e fica indignado com os bombardeios americanos, invocando a soberania da Síria e a legislação internacional? Ou você é conservador – ou um liberal mais tradicional – e apoia uma ação militar para derrubar o ditador sírio – ou ao menos para proteger seu povo das bombas de barril e armas químicas de Assad?

Você é um muçulmano xiita que defende Assad contra os rebeldes salafistas genocidas respaldados pela Arábia Saudita sunita? Ou um muçulmano sunita que defende os rebeldes contra um regime alauíta genocida apoiado pelo Irã xiita?

Cada um dos dois lados têm uma narrativa que o favorece – o seu próprio conjunto de “fatos alternativos”. Ambos se revoltam de maneira seletiva: na semana passada, os partidários de Assad condenaram o massacre de mais de 120 pessoas por um homem-bomba. Na semana anterior, os inimigos do presidente sírio repudiaram um cruel ataque com gás que matou pelo menos 74 pessoas em uma cidade em poder dos rebeldes.

Os cadáveres sírios se tornaram fantoches políticos, usados com cinismo para sustentar esta ou aquela posição no conflito. Há mentiras por toda parte. Os defensores de Assad – nos dois extremos do espectro político – afirmam que ele é um bastião do secularismo contra o Estado Islâmico, mas esquecem que esse ditador supostamente secular ajudou a enviar “jihadistas” ao Iraque para atacar as tropas dos EUA e civis iraquianos menos de 10 anos atrás. Eles também preferem ignorar que a grande maioria das mortes de civis na Síria foi causada pelo regime de Assad, e não pelo EI ou pelos rebeldes.

Já os críticos de Assad – liberais e conservadores – costumam minimizar os bem documentados crimes de guerra e outras atrocidades cometidas pelos rebeldes apoiados pelos EUA, sem contar a predominância da Al Qaeda e outros grupos terroristas na oposição síria. Muitos afirmam – erroneamente – que o Ocidente “ficou parado” e “não fez nada” para apoiar essa oposição. Porém, de acordo com o jornal “The Washington Post”, a CIA “gasta cerca de 100 mil dólares anuais por cada rebelde sírio” que passou pelo programa de treinamento da agência. O armamento e financiamento fornecido aos rebeldes – “seculares” e “islamistas” – contribuiu para exacerbar este terrível conflito, tornando praticamente impossível uma solução diplomática.

Ao renunciar ao cargo de enviado especial da ONU à Síria, em agosto de 2012, Kofi Annan culpou ambos os lados pela escalada da violência no país. Sua declaração desapareceu completamente da memória histórica recente sobre a Síria. O mesmo aconteceu com o discurso de Joe Biden em Harvard, em 2014, no qual ele descreveu como os aliados dos EUA na região “estavam tão determinados a derrubar Assad e desencadear uma guerra indireta entre sunitas e xiitas (…) que forneceram centenas de milhões de dólares e dezenas de milhares de toneladas de armas para qualquer um que estivesse disposto a lutar contra Assad”.

Enquanto isso, quem sofre é o povo sírio. Eles continuam sendo governados por um criminoso de guerra cujos principais opositores também cometem atrocidades; seu país se tornou um campo de batalha entre americanos e russos, turcos e iranianos, rebeldes chechenos e milícias iraquianas pró-Assad. Em vez de priorizar uma solução diplomática, ou ao menos um cessar-fogo duradouro, todos esses agentes externos passaram os últimos seis anos instigando mais violência – sem sequer aderir de forma consistente ou fundamentada a um dos lados do conflito.

Os governos russo e iraniano reclamam constantemente dos combatentes estrangeiros – chamados de “terroristas” – que violam a soberania síria. Mas será que alguém realmente acredita que Vladimir Putin, que vem desrespeitando sem o menor pudor a soberania ucraniana desde 2014, se importe com o respeito à soberania e às fronteiras da Síria? Ou que a República Islâmica do Irã, que pediu a intervenção do grupo libanês Hezbollah em defesa de Assad e trouxe combatentes xiitas até do distante Afeganistão para lutar contra os rebeldes, esteja preocupada em impedir a entrada de “combatentes estrangeiros” na Síria?

Enquanto isso, a Turquia e a Arábia Saudita exigem que o povo sírio possa escolher seus próprios governantes. Mas será possível acreditar que a Turquia de Erdogan – o país com o maior número de jornalistas presos no mundo – e a monarquia absolutista de Arábia Saudita – que ainda pratica a decapitação – querem realmente ver uma democracia secular e liberal no lugar de Assad em Damasco?

E há ainda Donald Trump, que afirma ter lançado 59 mísseis contra uma base aérea de Assad, no dia 6 de abril, por ter ficado comovido com as imagens de crianças morrendo asfixiadas após o ataque químico de Khan Sheikhun. Ora, devemos mesmo acreditar que um narcisista belicoso que barrou a entrada de crianças refugiadas nos EUA, comparando-as a “cobras”, realmente se importa com as vítimas infantis dos gases tóxicos sírios?

Por que respaldar qualquer um desses líderes desonestos e oportunistas, se todos eles têm as mãos sujas de sangue sírio? Por que trair a sua ideologia política – seja você conservador, liberal, socialista etc. –, permitindo que ela contamine suas opiniões sobre um conflito tão complexo como o da Síria? Por que manchar a sua crença muçulmana – sunita ou xiita – ao confundi-la com o regime ou os rebeldes? (A propósito, existem diversos sunitas do lado de Assad e muitos alauítas e xiitas contra ele.)

A realidade é que “ninguém é santo neste trágico conflito”, como disse o ex-enviado especial da ONU à Síria Lakhdar Brahimi no ano passado. O veterano diplomata argelino, sucessor de Annan de agosto de 2012 a maio de 2014 – quando também sucumbiu à frustração e renunciou ao cargo –, atribuiu uma “grande parte da culpa a forças externas, governos e outros atores que apoiam um ou outro lado do conflito” mas para quem “o interesse do povo sírio nunca foi prioridade”.

Exatamente. Assad pode ser um monstro, mas está longe de ser o único. Portanto, alguns de nós nos recusamos a escolher um lado. Nós nos recusamos a enaltecer o regime em vez dos rebeldes, americanos em vez de russos, iranianos em vez de árabes. Brahimi tinha razão: malditos sejam todos eles. O povo sírio merece coisa melhor do que Assad, mas foi traído por todos, e agora seu sofrimento já dura seis longos anos.

Uma solução política baseada na negociação e no compartilhamento de poder é agora tão utópica quanto a estratégia de derrubar Assad militarmente. A sangria síria vai continuar. Em vez de escolher um vilão para apoiar, prolongando ainda mais o conflito, deveríamos pressionar os governos hipócritas do Ocidente e do mundo árabe a abrirem as portas para os refugiados sírios e a cumprirem as promessas de ajuda humanitária que foram tão alardeadas. A verdade é que existem muitas maneiras de ajudar os sírios sem jogar ainda mais bombas sobre suas cabeças.

Tradução: Bernardo Tonasse