O papel da imprensa na democracia é essencial. Caberia a ela fiscalizar os poderes, denunciar, informar, investigar e aprofundar análises. Esse último, em franco desuso, às vezes por falta de tempo, de profissionais basicamente qualificados ou até mesmo interesse.

Isso vem adquirindo contornos drásticos há tempos, principalmente após a democratização e no Rio de Janeiro, especialmente com a implantação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP), em 2008, e que agora chega ao ápice com a criação de uma “Editoria de Guerra” no Jornal Extra.

“Pra gente resolver o problema, a gente tem que chamar o problema pelo termo correto”, explica o editor de redação do Jornal, Octávio Guedes. Para ele, já não se pode mais chamar o que ocorre no Rio de editoria de polícia, de “Casos de Polícia“. “Uma coisa é guerra, outra coisa é polícia”, afirmou ele em vídeo, depois de ler no dicionário o conceito de guerra e afirmar que “não é o caso”. Em editorial o jornal explicou que “a criação da editoria de guerra foi a forma que encontramos de berrar: isso não normal! É a opção que temos para não deixar nosso olhar jornalístico acomodado diante da barbárie”.

Soldiers take part in a crackdown on crime gangs, at the Lins de Vasconcelos slum complex in Rio de Janeiro, Brazil, on August 5, 2017.Thousands of Brazilian army troops raided Rio de Janeiro slums leaving parts of the city looking like a war zone. Their main goal was to stop gangs behind a surge in brazen robberies of commercial trucks, with arrest warrants issued for 40 people. However, the unusually aggressive pre-dawn operation also follows wider concerns that nearly bankrupt post-Olympic Rio is spinning out of control. / AFP PHOTO / Apu Gomes (Photo credit should read APU GOMES/AFP/Getty Images)

Operação das Forças Armadas no Complexo do Lins, na zona norte do Rio, em 05 de agosto de 2017

Foto: Apu Gomes/AFP/Getty Images

Com a implantação da primeira UPP os termos que invadiram os jornais já eram usados por militares e polícias: pacificar, território, retomada, conquista. Elas se somaram aos já batidos “guerra do bem contra o mal”, “inimigo” e “herói”. Ou seja, isso não é bem uma novidade. O novo é o espaço que lhes é dado.

Acompanhando os jornais parece que o Rio de Janeiro é o pior lugar do país. Mas é nas regiões Norte e Nordeste que ficam 22 municípios no ranking dos 30 mais violentos em 2015 (último dado disponível). Nenhum é no Rio. Quando se olha a taxa de homicídios, o estado é o 16º colocado.

O coordenador do curso de Extensão Mídia, Violência e Direitos Humanos do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas em Direitos Humanos da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Pedro Barreto Pereira, analisou o discurso do jornal O Globo sobre a implantação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) na cidade do Rio de Janeiro desde 2008. Sem surpresa chegou a conclusão de que embora não haja uma subserviência da mídia comercial em relação ao estado (Governador, Secretário de Segurança e Polícias), há uma relação recíproca entre eles, em favor de uma visão de mundo comum, hegemônica, na qual o discurso de um ecoa na fala do outro, gerando uma cadeia de reciprocidade que se retroalimenta indefinidamente. Ou seja, mídia e segurança aliados, criando um discurso comum e retroalimentando o ambiente de medo e insegurança. E traçando políticas de segurança.

O Estado diz que estamos em guerra. Cabe a imprensa endossar ou questionar isso? No caso, até ser agradecida por isso.

PMERJ-1502913286

Hoje o Extra Twittou sobre sua decisão de criar uma “editoria de guerra”. A PMERJ agradeceu o apoio.

Foto: Reprodução do Twitter

Após análise de mais de 500 matérias Barreto chegou a conclusão de que o discurso do O Globo legitima a política de segurança e a política de segurança se alimente e se baseia no que é dito na mídia para definir suas prioridades. “É uma relação recíproca, como se fizessem parte do mesmo grupo que define as políticas públicas através de uma legitimação do discurso. As políticas são construídas, elaboradas e consolidadas através do discurso da imprensa”, afirma.

Outra conclusão a que chegou o pesquisador foi de que esse discurso do Globo é construído até mesmo com o verniz da imparcialidade, quando tecnicamente se ouve os “dois lados”. “As fontes ouvidas pelo jornal são predominantemente estatais. Mesmo quando as fontes não estatais falam, elas referendam o discurso estatal. Mesmo quando há crítica, elas reivindicam lei e ordem, no sentido de que as UPPs não estão dando certo porque precisa de mais Lei e Ordem”, explica.

Para a pesquisadora de violência da Fundação Getúlio Vargas/DAPP, Maria Isabel Couto, que já trabalhou com as “UPPs Sociais”, programa hoje denominado “Rio + Social“, a situação é caótica, o Estado é parte fundadora do problema e usar o discurso de guerra para legitimar ações não vai resolver a situação, e sim, mante-la como está. “Há tratados que “regulam” a guerra, mas no limite, o outro não é cidadão e pode morrer. Não é preciso esforço para imaginar os efeitos de tratar moradores de favelas como inimigos, pois já lidamos com políticas de segurança desse tipo há mais de 30 anos. A estratégia de enfrentamento adotada fez com que um mercado ilegal territorializado, como tantos outros que existem inclusive em outros locais do Brasil, sofresse uma escalada armamentista que deixa milhares de vítimas para trás,entre policiais e civis”, reitera.

Em editorial o Extra disse que “Temos consciência de que o discurso de guerra, quando desvirtuado, serve para encobrir a truculência da polícia que atira primeiro e pergunta depois. Mas defendemos a guerra baseada na inteligência, no combate à corrupção policial, e que tenha como alvo não a população civil, mas o poder econômico das máfias e de todas as suas articulações”. Isso vai de encontro com uma percepção de Barreto, de que O Extra vinha sendo um contraponto ao Globo – embora façam parte do mesmo Grupo – com outro enquadramento, mas que nos últimos tempos o discurso vem se aproximando cada vez mais.

Inclusive os jornais O Globo e “Extra” vão promover nos próximos dias 30 e 31, no Museu de Arte do Rio (MAR), o seminário “Reage, Rio!”. “Somos uma das vozes da cidade na busca de soluções para os seus inúmeros problemas”, disse o diretor de Redação do O Globo, Ascânio Seleme, no anúncio da campanha.


Não é uma guerra. É o resultado de corrupção, mau planejamento – como o próprio Extra mostrou, ao analisar as operações do Exército no Rio, somados a falta de investimentos em pessoal e inteligência e o descaso histórico – e complacente – com áreas do estado. Lembrando que o Estado é maior que a capital.

Isso ocorre menos de duas semanas depois de o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Westphalen Etchegoyen afirmar que existem dois fatores críticos para o sucesso da operação das Forças Armadas no Rio: a adesão da sociedade e “a compreensão que a mídia terá do que tem sido feito”. Isto porque, de acordo com o ministro, haverá “insucessos” e “incidentes”. “Nós estamos numa guerra. Vai acontecer. É previsível que aconteçam coisas indesejáveis, inclusive injustiças. Ou a sociedade quer ou não quer”, disse Etchegoyen. Parece que o Extra entendeu.