Pelo terceiro ano consecutivo, agentes de polícia dos Estados Unidos mataram mais de mil pessoas no espaço de 365 dias.

O que significa esse número assombroso?

Na semana passada, o coletivo de pesquisa Mapping Police Violence, liderado por Sam Sinyangwe, divulgou o Relatório de Violência Policial de 2017, uma análise dos dados de todos os encontros letais com a força policial registrados ao longo do ano.

O site informa que, “ao reunir informações de reportagens, obituários, registros públicos e bancos de dados como o site Fatal Encounters [‘Encontros Fatais’, que coleta dados sobre as mortes ocorridas durante ações policiais] e o Washington Post, esse relatório representa a contabilidade mais ampla possível da violência policial letal em 2017”. Em 2016, a polícia matou 1.093 pessoas; no ano passado, foram mais de 1.100 mortes.

Os leitores podem baixar os dados compilados. Como nos anos anteriores (veja as versões de 2015 e 2016 do projeto), passei algum tempo contemplando os locais desses encontros. O que se vê em cada paisagem?

Usando o API do Street View, escrevi um programa que consulta os endereços no onisciente Google e baixa três imagens de cada lugar.

O resultado é um tríptico da brutalidade policial em 2017. Cada quadro do vídeo corresponde a um desses locais de violência.

“A polícia matou mais de mil pessoas esse ano. Cada quadro do vídeo é de um desses locais de violência.”

Tradução: Deborah Leão.