Eles deram a Luiz Inácio Lula da Silva a maior vitória eleitoral em Porto Alegre em 2006, mas, esta semana, se negam a marchar entre os previstos 50 mil que pedem sua absolvição. Os cerca de 1.500 moradores da Ilha Grande dos Marinheiros, no rio Guaíba, vivem com menos de um salário mínimo por mês e com o constante medo de perderem seus terrenos para uma empreiteira envolvida na Lava Jato. Um pilar de uma ponte deve ser levantado bem no meio do galpão de reciclagem que já foi modelo nacional.

Desesperançosos com a política – a abstenção saltou de 9% em 2006 para 37% em 2016 (nas eleições municipais) –, sentem que as alternâncias de poder em Brasília não provocaram grandes melhorias em suas vidas. Mas votariam em Lula caso ele concorresse.

“(Lula) podia até estar roubando, porque em Brasília não tem honesto mesmo. Mas, pelo menos, ele dava valor para os pobres. E, se vier para eleição, o povo vota nele, ele ganha. Mas, em manifestação a gente não vai. Já fomos muito, agora o povo está cansado”, diz André Luciano Cruz, de 45 anos. Soldador de formação, passou os últimos 17 anos trabalhando na coleta de materiais recicláveis, como a maior parte da vizinhança.

O desencanto está nos números. Em 2006, os moradores da ilha deram 60% de seus votos a Lula e apenas 9% se ausentaram ou anularam, segundo dados do Tribunal Regional Eleitoral. Em 2014, Dilma Rousseff manteve quase o mesmo índice: 57%. Mas, em 2016, abalados pela crise econômica, o candidato à prefeitura pelo PT, Raul Pont, fundador do partido e ex-prefeito da capital somou apenas 10% dos votos – e sequer foi ao segundo turno. As abstenções, somadas aos votos brancos e nulos, explodiram para 34%. Os moradores não trocaram o PT por outro partido. Abriram mão de votar.

“Se pudesse, eu nem votava. Eles só lembram que a gente existe em época de eleição”, afirma, de cenho franzido, a catadora de materiais recicláveis Ana Lúcia Teixeira, de 43 anos. Ela nasceu e cresceu na ilha, começou a trabalhar aos 14 anos e hoje é coordenadora da associação dos catadores. Ali, cada trabalhador consegue de R$ 600 a R$ 800 por mês, dependendo da quantidade de material que a prefeitura envia.

2018.01.22 - Porto Alegre/RS/Brasil: </p><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /> <p>Associação de Catadores da Ilha Grande dos Marinheiros, o primeiro galpão de reciclagem do Rio Grande do Sul, no bairro Arquipélago, região das ilhas da Capital.</p><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /> <p>Foto: Ramiro Furquim/outroangulo.com
2018.01.22 - Porto Alegre/RS/Brasil: </p><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /> <p>Associação de Catadores da Ilha Grande dos Marinheiros, o primeiro galpão de reciclagem do Rio Grande do Sul, no bairro Arquipélago, região das ilhas da Capital.</p><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /> <p>Foto: Ramiro Furquim/outroangulo.com

À esquerda, Ana, coordenadora da associação de catadores da Ilha. À direita, parede decorada por André Cruz para a criação de um museu da história do comunidade .Fotos: Ramiro Furquim/outroangulo.com

Há ao menos dois motivos para o desencanto. O primeiro é justamente a percepção de que, nos últimos 30 anos, as condições de vida na ilha não mudaram tanto assim. Levantamento da Fundação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul, publicado no ano passado, mostra que, de fato, a qualidade de vida na ilha variou muito pouco nas últimas décadas até 2010, ano limite do estudo. A região se manteve entre aquelas com os piores índices de renda, longevidade e educação da cidade, com um IDH equivalente ao da Síria.

Nesse período, de acordo com os moradores entrevistados por The Intercept Brasil, os dois grandes marcos positivos foram a chegada da luz elétrica, na década de 1980; a água encanada, nos anos 2000; o negativo: o fortalecimento das facções de tráfico de drogas na última década.

“Entra governo e sai governo, a nossa vida não mudou muita coisa”, afirma Ana. O impeachment causou algum desgosto, mas ela conta que a saída da ex-presidente Dilma não teve muito impacto na comunidade.

2018.01.23 - Porto Alegre/RS/Brasil: </p><br /><br /><br /><br /><br /><br /> <p>Associação de Catadores da Ilha Grande dos Marinheiros, o primeiro galpão de reciclagem do Rio Grande do Sul, no bairro Arquipélago, região das ilhas da Capital.</p><br /><br /><br /><br /><br /><br /> <p>Foto: Ramiro Furquim/outroangulo.com

Rua da Ilha Grande dos Marinheiros, no bairro Arquipélago, região das ilhas da Capital.

Foto: Ramiro Furquim/outroangulo.com

Outro motivo para a rejeição à política em geral é a construção de uma ponte, iniciada pelo governo Dilma Rousseff e de responsabilidade da empreiteira Queiroz Galvão – enrolada na Lava Jato por um superfaturamento de R$ 682,4 milhões na construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Em março de 2017, o mesmo Tribunal de Contas da União impediu a empresa de assinar contratos com o governo federal por uma fraude em licitação na usina nuclear Angra 3.

Os moradores observam com pouco interesse os desdobramentos do julgamento em segunda instância do ex-presidente Lula, que acontece nesta quarta feira no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, a 15 quilômetros dali. As preocupações de Ana Lúcia se dirigem a dois pontos bem mais próximos: as duas pilastras de concreto que emergem das águas do Guaíba, uma em cada ponta da ilha. As estruturas servirão de suporte para a nova ponte sobre o rio, que vai ligar Porto Alegre ao sul da região metropolitana. Quando anunciou o empreendimento, em 2014, a então presidente Dilma Rousseff afirmou que seria “um presente” para a cidade. Um presente orçado em R$ 649 milhões à época do anúncio.

As bases tracejam o rio formando uma linha – por ora imaginária – de 12,3 quilômetros, atravessando a Ilha Grande dos Marinheiros e as vizinhas Ilha das Graças e Ilha das Flores, igualmente pobres. Sempre que olha as duas estruturas, Ana lembra que um terceiro pilar será construído exatamente onde hoje é o galpão de coleta da sua associação. Ao todo, 1.014 famílias e 33 estabelecimentos comerciais do pequeno arquipélago deverão ser desabrigados para dar espaço ao totem de cimento.

2018.01.23 - Porto Alegre/RS/Brasil: </p><br /><br /><br /><br /> <p>Associação de Catadores da Ilha Grande dos Marinheiros, o primeiro galpão de reciclagem do Rio Grande do Sul, no bairro Arquipélago, região das ilhas da Capital.</p><br /><br /><br /><br /> <p>Foto: Ramiro Furquim/outroangulo.com

As pilastras que servirão de construção para a ponte entre Porto Alegre e o sul da região metropolitana. A obra prevê a construção de uma nova pilastra que desabrigaria 1014 famílias. A empreiteira responsável pela obra foi citada na Lava Jato.

Foto: Ramiro Furquim/outroangulo.com

Até agora, a construção dos apartamentos dos moradores da Ilha dos Marinheiros permanece apenas como promessa.

A obra estava prevista para 2017 mas, em 2015, os repasses da União começaram a atrasar, fazendo o ritmo diminuir até quase parar completamente. Atualmente, segundo o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), 55% dos trabalhos estão concluídos, e o novo prazo de entrega é o fim deste ano. Em novembro passado, o Governo Federal disse que investiria mais R$ 240 milhões para terminar a ponte.

A mudança dos moradores para um condomínio próximo ao local deveria ter sido feita ainda em 2015. O acordo era que a Caixa financiaria a obra. Os apartamentos seriam parte do Programa Minha Casa Minha Vida. Nesse tempo, o governo Dilma entrou em seu segundo mandato e foi derrubado, Temer ascendeu e já está entrando em sua reta final — e, até agora, a construção dos apartamentos dos moradores da Ilha dos Marinheiros permanece apenas como promessa.

Sandra Teixeira, irmã de Ana, também é catadora e representa os moradores da ilha nas reuniões com o Dnit e com os demais representantes de poderes públicos. Ela conta que a última reunião foi realizada em julho de 2017. Desde então, afirma, segue sem novas informações sobre o andamento do empreendimento. A falta de diálogo, segundo a gaúcha, é uma constante que atravessa governos:

“Tomam as decisões entre eles e só avisam a gente quando já está tudo fechado. A gente cansa de ouvir essas promessas. Disseram primeiro que iam colocar a gente em um terreno próximo, com esgoto, água encanada e uma estrutura que a gente não tem aqui. Então todo mundo achou bom. Mas nem a terraplanagem ficou pronta até hoje. Quem me garante que não vão mandar a gente para o outro lado da cidade?”

2018.01.23 - Porto Alegre/RS/Brasil: </p><br /><br /><br /><br /><br /> <p>Associação de Catadores da Ilha Grande dos Marinheiros, o primeiro galpão de reciclagem do Rio Grande do Sul, no bairro Arquipélago, região das ilhas da Capital.</p><br /><br /><br /><br /><br /> <p>Foto: Ramiro Furquim/outroangulo.com

Inscrições do DNIT relacionadas às obras de construção da ponte foram marcadas na capela da Ilha, localizada em frente ao galpão da associação dos catadores.

Foto: Ramiro Furquim/outroangulo.com

Lula na memória

A descrença nos políticos nem sempre reinou entre os moradores da ilha. Foi  lá que se estabeleceu a primeira unidade de reciclagem criada pelo Irmão Antônio Cechin (1927-2016), um dos fundadores do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Sob sua liderança, os catadores chegaram a viajar para outros estados e dar palestras sobre seu trabalho, que servia de referência nacional. Menos de dois anos depois da morte do líder, os catadores enfrentam dificuldade para manter de pé o galpão onde realizam suas atividades. Nas últimas chuvas, a estrutura não resistiu e chegou a perder parte do teto.

2018.01.22 - Porto Alegre/RS/Brasil: </p><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /> <p>Associação de Catadores da Ilha Grande dos Marinheiros, o primeiro galpão de reciclagem do Rio Grande do Sul, no bairro Arquipélago, região das ilhas da Capital.</p><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /> <p>Foto: Ramiro Furquim/outroangulo.com

Galpão onde os catadores realizam seu trabalho.

Foto: Ramiro Furquim/outroangulo.com

“Quando o irmão faleceu, a gente ficou sem liderança. O povo já andava desacreditado com essas obras, mas, sem ele, ficou sem norte”, conta André. Ele lembra que, após a morte do líder paroquial e social, uma sensação de abandono começou a tomar conta da ilha. Partidos e movimentos que antes respondiam prontamente ao chamado do irmão deixaram de ter contato com a população local:

“Quando o Lula vinha aqui para Porto Alegre, sempre falava com o irmão Cechin, era um homem de força. Então eles se interessavam mais em ajudar. Depois disso, o pessoal do PT foi tocando com a barriga; quando dava estrago no galpão, demoravam a ajudar, não ajudavam mais. Então as coisas ficaram caindo aos pedaços.”

2018.01.22 - Porto Alegre/RS/Brasil: </p><br /><br /><br /> <p>Associação de Catadores da Ilha Grande dos Marinheiros, o primeiro galpão de reciclagem do Rio Grande do Sul, no bairro Arquipélago, região das ilhas da Capital.</p><br /><br /><br /> <p>Foto: Ramiro Furquim/outroangulo.com

André Cruz separa notas antigas e outros objetos de valor para tentar vendê-los. A reportagem foi presenteada com alguns destes objetos.

Foto: Ramiro Furquim/outroangulo.com

Para 2018, a muitos afirmam que, mais uma vez, não devem votar; e, se votar, devem anular. André é um dos poucos que declara já ter decidido seu voto. Se Lula for candidato, ele garante a fidelidade, mas pede que não contem com sua presença nas manifestações.