As impressões digitais de Carlos Alexandre Pereira Maria, colaborador parlamentar do vereador Marcello Siciliano, do PHS, e do subtenente reformado da PM Anderson Claudio da Silva serão comparadas com as recuperadas nos cartuchos usados na execução de Marielle Franco. Pereira, conhecido como “Alexandre Cabeça”, e Silva foram mortos a tiros nas noites de domingo e da última terça-feira, respectivamente. Ambos tinham estreita relação com as milícias que tomaram a cidade do Rio de Janeiro. Os paramilitares são a principal linha de investigação do caso.

Investigadores conseguiram extrair fragmentos de digitais dos cartuchos de pistola 9 mm encontrados no local da execução de Marielle Franco e de seus motorista, Anderson Gomes. O objetivo agora é saber se o cabo eleitoral e o policial reformado assassinados nos últimos dias tiveram participação na tocaia à vereadora do PSOL. Um eventual resultado positivo indicaria que as execuções de Alexandre Cabeça a de Silva teriam sido queima de arquivo para dificultar a identificação dos mandantes do ataque a Marielle e Anderson.

“Chega para lá que a gente tem que calar a boca dele.”

Alexandre Cabeça foi assassinado dois dias depois que o vereador para o qual ele atuava, Marcello Siciliano, depôs na Delegacia de Homicídios da Capital sobre o caso Marielle. Policiais disseram que, segundo uma testemunha, ele foi executado por um grupo armado. Antes de atirar, um dos assassinos teria gritado: “Chega para lá que a gente tem que calar a boca dele”.

Siciliano foi citado em um relatório produzido pela Secretaria de Segurança sobre a influência de paramilitares nas eleições de 2014. A Câmara de Vereadores do Rio está no foco da investigação.

Bonde dos Galáticos

O ex-policial Silva foi fuzilado dentro de uma BMW. Ele era apontado como membro da milícia autodenominada “Bonde dos Galáticos”, que mantém domínio territorial em comunidades nas zonas Norte e Oeste do Rio. Silva foi atacado por três homens. Ele chegou a reagir, disparando contra os agressores. Policiais militares abordaram um carro momentos depois do crime e prenderam o também ex-PM David Soares Batista. Ele estava ferido em uma das pernas, e alegou ter sido vítima de uma tentativa de assalto. Foi hospitalizado e permanece sob custódia.

Mais digitais

Os investigadores também estão comparando os fragmentos de digitais encontrados nos cartuchos da cena do crime de Marielle com as de parte dos 226 indiciados na CPI das Milícias. Marielle, à época assessora do deputado Marcelo Freixo, trabalhou na comissão que desestabilizou temporariamente alguns grupos paramilitares.

Desde o início das investigações quase 50 pessoas foram ouvidas, incluindo doze vereadores da Câmara Municipal do Rio. Seis deles eleitos com votos de áreas sob domínio de grupos paramilitares. The Intercept Brasil investigou e publicou com exclusividade a movimentação de ao menos dois milicianos na Casa nos dias que antecederam o crime.

No próximo dia 14, as mortes de Marielle e Anderson completam um mês.