Na nossa newsletter desta semana, eu olho para a campanha presidencial brasileira e chego a uma conclusão… vamos dizer… “polêmica”: vendo os números, não consigo enxergar um caminho real em que alguém nominalmente da esquerda possa chegar ao Planalto (Marina não vale, ela apoiou Aécio e o impeachment). Vejo apenas Ciro Gomes.

Pedi que os leitores me explicassem por que estou equivocado. Em geral, acredito que as pessoas não responderam à minha pergunta. Não quero saber por que Ciro é bom ou ruim, ou se você gosta mais de outro candidato do que dele – eu perguntei qual é o caminho prático para um outro candidato ganhar que não seja ele. Ao meu ver, o melhor contra-argumento que li era algo como: ainda é muito cedo e pesquisas de opinião não são lá muito confiáveis. Mas veja você mesmo a seleção das melhores respostas dos nossos leitores, e chegue às suas próprias conclusões.

Se você ainda não assina nossa newsletter semanal, o que você está esperando?

Segue o texto da newsletter e, depois dele, as respostas da audiência sem edição ou cortes. Ainda monitorarei os comentários nesta página e nas redes e atualizarei a lista com novas contribuições de vocês. Obrigado a todos que contribuíram com o debate!

Newsletter

Quem não é de direita tem que apoiar Ciro Gomes agora. Eu, pelo menos, não consigo enxergar outra opção.

Peraí, peraí, antes de jogar bolinhas de papel na minha cara, pense comigo. Quais são as alternativas? De verdade. Esqueça o seu argumento ideológico ou purista. Não quero ouvir discurso emocional sobre seus princípios. E não que eles sejam desprezíveis, mas estou falando sobre estratégia, matemática e mundo real: neste momento, quais são os candidatos que ficam à esquerda de Alckmin que têm chance real de ir para o segundo turno?

Lula. Não. Mesmo se ele concorrer, você realmente acredita que o Judiciário vai deixar ele assumir o mandato? É igual votar nulo.

Manuela d’Ávila, Guilherme Boulos e Vera Lúcia Salgado. Em muitos cenários nas pesquisas, d’Ávila e Boulos juntos nem superam a margem de erro e Salgado nem está incluída. Sem chance.

Marina Silva. Falei “esquerda”. Apoiou Aécio em 2014 e impeachment em 2016. Next!

Fernando Haddad e Jaques Wagner. Mesmo sem Lula, eles nem chegam perto de Ciro nas últimas pesquisas.

Queridos, gostem ou não, Ciro é seu único ingresso para o segundo turno — mas só se todos vocês tirarem suas cabeças do buraco na areia. Por experiência própria, pense em redução de danos. Se não, você estará votando em Alckmin ou Marina no dia 28 de outubro.

Eu sei. Ele é um oligarca que vem de uma tradição coronelista também. É amigo do agronegócio e da Fiesp. Fez declarações extremamente machistas. Ganhou uma reputação por abandonar aliados. E tem atritos com grevistas e movimentos sociais. Mas o PT foi amigo dos bancos, enrolou os movimentos sociais, atropelou os ambientalistas, endureceu a guerra às drogas e o sistema penal, passou a Lei Antiterrorismo, implementou austeridade, fez uma aliança com o MDB e tem um problema real com corrupção. Na prática, Ciro e Lula não são exatamente de planetas diferentes.

Sou americano, e a eleição de 2016 ainda está fresca na minha memória – e de muita gente também. Este argumento de “é o melhor que tem, então tem que abraçar” é o mesmo que os apoiadores de Hillary Clinton fizeram durante sua campanha fracassada. A grande diferença é que eles propositalmente sabotaram um candidato mais progressista e mais popular na eleição primária. (Essa figura não existe na atual conjuntura brasileira.)

A Clinton perdeu porque era uma candidata ruim, arrogante, desconectada, pouco carismática, e muitas pessoas decidiram que dariam melhor uso para o seu tempo se ficassem em casa em vez de votar nela (ou contra Trump, no caso). A apatia, negação e raiva prevaleceram. Ninguém queria acreditar que aquele ogro teria chance de ganhar, ignorando a energética onda de apoio popular que recebia. Mas a onda era real e ele é o Presidente Ogro agora e — nos raros momentos em que não está jogando golf, tuitando ou assistindo televisão — está quebrando tudo e piorando as vidas de milhões de pessoas.

Talvez não seja bom. Pode ainda ser ruim por um bom tempo, mas olha, de onde eu venho, posso dizer: pode ser muito pior. Ciro é sua Hillary. Seu Bernie Sanders está preso. Você vai mesmo deixar o Trump brasileiro ou um Temer-de-outro-nome ser presidente?

(Obs. Você acha que estou louco? Então me conta seu plano genial. Responda o post da newsletter na nossa página de Facebook ou Twitter e republicaremos os melhores comentários.)

Para quem perguntou se este texto foi um endosso oficial meu ou do The Intercept Brasil, respondo: quando foi a última vez que você leu um endosso que critica o candidato que supostamente está endossando e não tem nenhuma palavra positiva sobre ele? (Além disso, o TI e TIB nunca endossam candidatos, mas criam o espaço para que seus escritores assumam diversos pontos de vista.)

Comentários dos leitores (e talvez uns bots também)

acho esse tipo de pensamento ajuda a despolitizar as campanhas eleitorais. Esse papo de “voto útil” é fruto de certo grau de manipulação através dos famosos “institutos de pesquisa”, que evidentemente não são neutros. Prefiro pensar no voto ideológico, sem ficar atrelado às pesquisas de opinião. Votemos nas ideias, nos programas, nas identificações ideológicas, não nas porcentagens de pesquisas.

– Jorge Schroeder

A questão é: Ciro teria chance de ir pro segundo turno sem meu voto? Porque o ideal seria Manuela ou Boulos no primeiro turno e Ciro no segundo. Veremos o que nosso Bernie Sanders diz, na prisão, para ajudar a esclarecer nossos votos. Ele costuma ser melhor político do que todos os outros juntos.

– Anna Fonseca

Tá tudo certo quanto às considerações que vc faz relativas ao voto em Ciro. contudo, penso, não devemos dar o veredicto sobre o *affair* Lula antes dos “*juízes*“. i.e. *facilitar-lhes o trabalho* *sujo*.”

– Homero Mattos Jr. (por e-mail)

mas no caso voce esta dizendo que votar no ciro sera a unica saida pra um bolsonaro nao ser eleito? mesmo sabendo que ele tambem nao é um candidato bom (pq afinal nao vejo nenhum bom candidato a ser votado). eu penso que seria melhor votar nulo como forma de protesto do que apoiar um cara que nao me representa. A diferença é que o ciro por um lado (ao menos do que eu consigo ver mais dele) é que ele é um pouco mais transparente nos seus interesses, mas ai do mesmo jeito nao vejo ele como uma melhor alternativa ou unica a se votar.

– Laura Borges Ribeiro (por e-mail)

Caro editor.

Muito lúcida e real sua análise. Concordo em quase tudo com ela. Acho que temos que achar uma saida, mas como ‘amarrar’ Ciro a compromissos sociais e não conservadores? Vendo a verdadeira desgraça que é o governo golpista e ilegítimo de Temer e o que foi o governo do príncipe FHC podemos imaginar os resultados de uma traição de Ciro. A presidência da República tem muito poder e é influenciável pelo poder econômico e da banca Internacional e nacional. Não creio que o Ciro enfrentaria os interesses dos EUA por exemplo…

– Walter F. (por e-mail)

Prezado interceptados,

As eleições, se houverem, serão em outubro. Até lá, esperava de uma mídia que se diz alternativa, cobertura pra esses nanicos, inexpressivos nas pesquisas (um mecanismo muito usado em manipulações, aliás), praticamente ausentes da grande mídia. Por favor, façam um jornalismo melhor, conforme espero de vcs.

– Débora F. (por e-mail)

Temos a prática dele sempre acenando pro PSDB. Sem conta q não se uniu às causas da esquerda nunca. Agora apareceu batendo no Bolsonaro (o q poderia pra muitos ‘prática pra esquerda’).

Mas blz, se ele for contra as privatizações (difícil com esse congresso) até vai, mas algo me diz q a governabilidade dele à esquerda não existirá. Eu não confio, apesar de achar menos mal q Bolsonaro, Amoedo, Alckmin, Marina e etc…

– Caio Marcellus Cervasio

Está se baseando suas afirmativas citando as pesquisas atuais. Se Lula ficar impedido, o candidato que ele indicar vai estourar nas pesquisas. Por isto é precoce afirmar que Ciro é a única opção.

– Lais Moreira

O argumento todo gira em torno de resultados de pesquisas de opinião. É como se alguém no Titanic tivesse visto o iceberg a quilômetros de distância e pensasse “ah não vou fazer nada, vai bater mesmo”.

– André Vila Ramos

Como você diz que é americano (estadunidense, na verdade – e com todo respeito-, pois americanos somos todos nós), sempre é bom lembrar que a Hillary perdeu, mas foi mais votada que Trump. Nos EUA, vocês se concentraram em obedecer as regras do jogo, aliaram-se a uma candidata ruim, conforme avalia o próprio texto, conseguiram maioria absoluta dos votos, para? A realidade é que Ciro, por mais que eu até tenha certa simpatia por ele, é também um candidato ruim (ele não sabe falar com o povo, só isso já é um grande motivo contra sua tese porque a nossa vontade vale menos que a vontade da maioria que ele não atinge) e está também obcecado por seguir as regras do jogo. Lula já jogou esse jogo conforme várias regras. Por mais que esperassem dele uma atitude radical, ele sempre se sujeitou, mas nunca abriu mão de jogar. Está se sujeitando agora ao permitir-se ir preso – pois é bem plausível pensar que se ele desistisse do pleito seria também liberado. Dito tudo isso, se o PT conseguir oficializar a candidatura do Lula, a única opção da esquerda é votar 13. Votar no Lula já é obedecer demais as regras e ainda assim, quanto mais obedecemos, menos espaço nos é dado. Votar no Ciro é ceder ainda mais. Votar no Lula é um ato de radicalismo dentro da democracia burguesa. É um voto radicalmente democrático. É levar tudo isso até as últimas consequências e ver no que vai dar. Já que nos dão migalhas, nós queremos todas as migalhas. E se deram um golpe na Dilma e depois prenderam o Lula, não vão deixar que o Ciro faça um governo à esquerda – ainda mais numa eleição esvaziada, pois ele só ganha se o Lula não concorrer e as pesquisas mostram que nesse cenário muita gente nem sai de casa pra votar. Por fim, essa discussão precisa de mais informações: Lula concorre ou não; PT lança candidato ou não; PT apoia alguém ou não; o negócio é tão grave que podemos até duvidar da própria realização das eleições. Se o Lula não concorrer e o PT tomar a decisão de apoiar o Ciro, talvez aí ele se torne uma opção. Enquanto isso: Lula livre, Lula 2018.

– Diego Bravo

Pelo menos no discurso, o programa do Ciro está muito mais à esquerda do que qualquer coisa que o PT fez.

– Pitu Fequer

Andrew tenho a mesma percepção (não tão dura com o Ciro) mas outro plano. Acho que essa eleição tem um peso histórico muito forte e deveria deixar uma marca para além da dicotomia EsquerdaXDireita. É preciso lembrar que sofremos um golpe sim mas uma mulher, a primeira presidentA do Brasil, foi ofendida, sofreu preconceito, foi julgada e condenada (demonizada) de forma injusta… é só verificar os crimes e criminosos da lava-jato. Os votos no primeiro turno serão bem espalhados, assim eu penso. Sei que as chances concretas da Manuela ir para um segundo turno não são tão animadoras mas a sua candidatura é um marco importante! Uma mulher com uma carreira política linda, não foge da briga, não esconde o que pensa… é mãe e esposa que luta como leoa! Uma mulher como muitas que conheço… que tem nos olhos o desejo de novos rumos. Meu voto no primeiro turno é um GRITO!! Um canto feminista, socialista, humanitário… uma forma de deixar registrado que uma mulher pode ser derrubada mas não sem que outras levantem-se pra gritar! A esquerda precisa se unir sim. Mas num primeiro momento quero que a ManuEla (como sua equipe gosta de escrever) saia dessas eleições com um número de votos expressivo. Um impulso para que sua trajetória continue em uma crescente! No segundo turno, se não entrarmos em um Matriarcado, voto no Ciro (que agrega uma esquerda e um centro significante).

– Moulaz Talita

Não sou a favor da campanha do medo e nem acho que a solução está no “menos pior” estou cansado dos menos piores. Quem eu vejo realmente planejar o país de forma progressista é o Guilherme Boulos. Ciro é o menos pior deles, o PT tbm, Ciro é melhor o que o Lula/PT? Não sei, e sinceramente não me importo, quero o novo, a política nova está ao redor de Guilherme Boulos.

– Renato Cavalcante

Nenhum candidato de esquerda terá caminho fácil…

Ciro, no entanto, é o mais bem colocado candidato da esquerda, no cenário mais provável deste ano… É o que mais recebe votos vindos dos eleitores do Lula dentre todos os candidatos de esquerda (última pesquisa DataPoder360)… É o segundo que mais recebe esses votos do Lula, quando considerados todos os candidatos em disputa (último Datafolha)… É o único que não perde para os candidatos da direita, no segundo turno (último Datafolha)… É o único, segundo a última pesquisa CNT/MDA, que apresentou melhoras em todos os quesitos, aumentando a intenção de votos, reduzindo a rejeição e incrementando a porcentagem daqueles que poderiam votar nele…

Se não for ele, não será ninguém a vencer estas eleições pela esquerda…

– Henrique Maggi

Precisamos entender que a o cenário imposto pelo governo de direita apresentado até agora, é nada mais nada menos que um desmonte sobre políticas de inclusão social, industrialização e política externa. A econômia é um desastre pela contradição do discurso de fortalecimento do país versos a falta de investimentos para a produção e inclusão social das classes baixas. Em contra ponto a tudo isso, existem três visões de esquerda reais, Ciro, Manuela e Boulos, se seguirmos o critério de percentual de intenção de voto, sem dúvida Ciro é a melhor aposta, uma vez que ele tem mais aceitação sobre o eleitorado de centro, ao contrário de Boulos e Manuela que são vendidos pela mídia como opções mais extremistas e associadas ao Lula e o projeto anti petista que tentam ainda consolidar. Porém se analisarmos pelo viés de propostas, não concordo que Ciro seja a única aposta. E se o interesse, como me parece ser a análise da matéria do ITB, é apostar em quem tem mais força para chegar ao segundo turno, então Ciro até o momento mostra ser o mais visível e aceitável. Porém analisando essa visão, penso em como estamos perdendo força em consolidar união estratégica da esquerda para optar por quem tem mais força para fazer frente com o possível candidato de direita. Triste visão, porém ainda assim, triste realidade que vivemos.

– Andrews Lira

Não temos alternativa ou é Ciro ou Bolsonaro. O que a esquerda brasileira deseja? Mergulhar o país em mais 4 anos de caos? Esperar que libertem Lula da cadeia? Esses caras não estão brincando, não deram o golpe a toa enquanto isso a cegueira política da esquerda acreditando em duendes e papai Noel como Boulos e Manoela. Aff!!!

– Flavia Souza

Acho cedo d+ fazer tal análise. Nas pesquisas pra prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno e Martha Duplicidade eram os primeiros. Doria aparecia com 5% qnd ainda eram pré candidatos e no entanto ganhou em 1° turno. Após a copa, especificamente a partir de agosto, nos últimos 45 dias até às eleições, que o brasileiro irá efetivamente fazer suas avaliações e escolhas. Até lá, considerar um ou outro vencedor ou perdedor, parece leviano.

– Alexandre Santos

Você está louquissimo e a sua comparação entre Ciro/PT/Lula é super forçada, justamente para justificar o seu apoio a Ciro. Não negue a trajetória do Lula. Não negue a história do Lula. Não negue o vínculo do povo com Lula. Acho um absurdo estarmos discutindo eleições em um cenário como esse onde sabemos que o único que é capaz de corresponder aos interesses do povo está preso ilegalmente. O que deveriamos estar fazendo nesse momento é uma campanha enorme e unitária em defesa da candidatura e da liberdade de Lula. Respeito a candidatura de Boulos e Manuela mas, sinceramente, ao mesmo tempo que respeito acho um absurdo. Não dá pra pensar em eleições sem a participação do Lula. E pior, apoiar Ciro é aceitar que já estamos derrotados e a coisa não é bem assim… apesar dos urubus já estarem contando com o cadáver.

– Caio Clímaco

Foto em destaque: Então-candidatos à presidência Luiz Inácio Lula da Silva e Ciro Gomes durante uma coletiva de imprensa em 1998. Na época, Lula tinha 25% de intenção de votos e Ciro ficava com 9%, enquanto Fernando Henrique Cardoso liderava as pesquisas com 46%.