Quase ninguém gosta de ser criticado, e Neymar não foge à regra. Depois do segundo jogo da Copa, ele postou uma mensagem furibunda no Instagram:

“Nem todos sabem o que eu passei para chegar até aqui, falar até papagaio fala, agora fazer… poucos fazem!! O choro é de alegria, de superação, de garra e vontade de vencer. Na minha vida as coisas nunca foram fáceis, não seria agora, né!!! O sonho continua, sonho não… OBJETIVO! Parabéns pela partida rapaziada, vocês são FODA”.

A seleção acabara de derrotar a Costa Rica por 2 a 0, e Neymar fizera um gol. Assim que a partida terminou, as câmeras não se detiveram em Philippe Coutinho, que abrira o placar e seria escolhido o melhor do jogo. E sim no atacante do PSG, que chorava em campo.

Na estreia, o Brasil empatara com a Suíça em 1 a 1. Neymar sofrera dez das 19 faltas cometidas pelo adversário. Em vez de passar com rapidez, segurou demais a bola. Deixou o gramado mancando, devido a uma pancada num tornozelo. Tivera um desempenho apagado, mesmo para quem convalescera por três meses de uma fratura no pé direito.
Neymar é o craque supremo brasileiro e um dos três maiores do planeta. Com o futebol frustrante, muita gente falou mais do seu novo corte de cabelo do que de bola. Elegeram Coutinho, também contra os suíços, o “homem do jogo”. A honra coube a Paulinho nos 2 a 0 contra a Sérvia.

Neymar evoluiu da primeira para a segunda partida, desta para a terceira, até a quarta, quando a Fifa o anunciou como o melhor no triunfo de 2 a 0 sobre o México. Alguém se preocupou com o penteado dele? A seleção enfrenta a Bélgica na sexta-feira, pelas quartas de final. A Copa já pisca um olho para o Brasil.

Ninguém finalizou tanto

Um jogador que ficou um trimestre de molho se aprimora, no físico e na técnica, pouco a pouco. Mas o progresso de Neymar foi muiiiiiiiito grande, em um período de críticas contundentes a ele. A despeito do seu discurso, condensado no recado no Instagram, parece claro que na prática Neymar entendeu as opiniões e mudou de atitude. Como as queixas ao mole dado ao receber um cartão amarelo por reclamação no confronto com os costa-riquenhos. Atendeu aos pedidos e desistiu de peitar os apitadores, até depois do pisão canalha que o mexicano Layún lhe perpetrou.

O progresso de Neymar foi muiiiiiiiito grande, em um período de críticas contundentes a ele.

Às dez faltas dos suíços em Neymar, somaram-se mais 13 no Mundial – a média caiu para 4,4 por jogo. O motivo determinante foi não reter a bola além do tempo recomendável. Ele marcou dois gols e deu um passe decisivo. Nenhum jogador das 32 equipes finalizou tanto na Rússia: 17 vezes, 12 delas na direção do gol.

“Falar até papagaio fala”, mas um dos “poucos” que “fazem” acatou os conselhos dos papagaios da vida. (“Papagaio” é um apelido de Galvão Bueno. Talvez tenha sido um toque do jogador para o locutor. Tudo é história e, às vezes, negócios: na Copa de 2014, Neymar e a TV Globo mantiveram um contrato de parceria.)

A ascensão de Neymar na Rússia renova uma velha lição, não exclusiva do futebol: críticas costumam ser mais úteis para quem quer melhorar do que o puxa-saquismo incapaz de apontar erros e estimular correções. Não tenho dúvida de que Tite e outros integrantes da delegação brasileira conversaram com o atacante. Bem como amigos dele. “[Neymar] está melhorando também nesse aspecto”, disse o técnico anteontem, abordando o “emocional” do camisa dez.

Os fanzocas que no início do Mundial só observaram a caçada de marcadores a Neymar, omitindo os vacilos do brasileiro, não contribuíram para ele render mais. Críticas ajudam, até quando se discorda delas. Porque estimulam a reflexão, abalam ou sedimentam convicções.

Ao melhorar, seleção faz menos faltas

O jeito com que Neymar começou jogando na Copa é a tese. As críticas foram a antítese. O futebol redondo de agora é a síntese. Na dialética da seleção, Willian fez na segunda-feira seu primeiro jogaço na Rússia. Por enquanto, Coutinho é nosso melhor boleiro na competição. Thiago Silva encanta. Neymar atropela. Ele não “cala” os críticos. Isso é tolice. Ao mudar para melhor, tabelou com quem identificava problemas. Se dependesse apenas dos sabujos, permaneceria na mesma.

Willian fez seu primeiro jogaço na Rússia nesta segunda-feira.

Willian fez seu primeiro jogaço na Rússia.

Foto: Rodolfo Buhrer /Folhapress

Impressionado com a confiança crescente transmitida pela seleção, fui beber numa fonte que eu não frequentava desde os meus tempos de repórter e colunista esportivo, as estatísticas da Fifa. Descobri que, quanto mais o time melhora, menos faltas faz. Principiou com 12 (contra a Suíça) e baixou para 11 (Costa Rica), 7 (Sérvia) e 6 (México). É possível jogar muito e bater pouco, ou não bater. Um belo recado competitivo, estético e ideológico ao mundo.

É possível jogar muito e bater pouco, ou não bater. Um belo recado competitivo, estético e ideológico ao mundo.

A defesa tem se apresentado tão segura que Alisson é pouco exigido. O goleiro lembra o Taffarel de 94. A seleção de Parreira tinha um sistema defensivo vigoroso, sobretudo em virtude do meio de campo pegador, com Mauro Silva, Dunga, Mazinho e Zinho. A de Tite se protege com a participação intensa de todos os jogadores, inclusive os atacantes. Com Neymar melhor depois das críticas, as chances do hexa aumentaram.

P.S.: ainda há algum antropólogo de ocasião dizendo que “a Copa não vai pegar”?

Foto em destaque: Neymar comemora gol contra o México nas oitavas de final da Copa.