Aécio Neves estava atrasado três horas e meia quando subiu numa mesa improvisada como palco e começou a discursar no último sábado. Vinte eleitores, que chegaram num ônibus escolar, escutavam o senador mineiro em uma fazenda no interior da cidade de Teófilo Otoni, distante 443 quilômetros de Belo Horizonte, em uma espécie de lançamento oficial da campanha do atual senador, candidato à Câmara dos Deputados. A claque foi inflada com dezenas de prefeitos e ex-prefeitos da região, convidados para o evento pela assessoria.

Se em 2014, quando enfrentou Dilma Rousseff à Presidência e perdeu, o tucano tinha apinhado em seus palanques o jogador Ronaldo Nazário e o apresentador Luciano Huck, neste ano Aécio precisou se contentar com Popó. Leopoldino Ribeiro, o Popó, ex-prefeito de Caraí, pegou um sax e começou a tocar “Amigo”, hit de Roberto e Eramos Carlos, quando o candidato chegou ao recinto. Ao fim da música, Aécio abraçou Popó e chorou.

O senador tucano que está de volta à vida política teve 51 milhões de votos em 2014. Hoje, atordoado por investigações da Polícia Federal e do Ministério Público – que variam de pedido de propina a obstrução de justiça –, preferiu tentar uma cadeira de deputado federal. Ele precisa de menos votos para continuar com o foro privilegiado que o mantém fora da cadeia, na fortaleza da impunidade que é o STF.

O cálculo de Aécio faz sentido. Dilma o derrotou por apenas 3 milhões de votos em uma conturbada eleição, mas ganhou em Minas Gerais, estado que o tucano governou por duas vezes – fez meio milhão de votos a mais. A desistência de tentar se manter no Senado reside justamente no risco de enfrentar Dilma, que concorre a uma das vagas do estado e lidera as intenções de voto. Aécio não arriscaria perder novamente.

Afinal, mesmo após o impeachment, Dilma se manteve mais popular que ele em Minas Gerais. O tucano, apesar de aparecer na segunda colocação nas pesquisas, tinha vantagem apertada em relação ao terceiro colocado. Havia grande risco de perder a segunda vaga. Desconfiado como bom mineiro, deu um passo atrás em busca de sua boia de salvação.

Quis o destino (ou algum assessor) que Dilma também tivesse agenda em Teófilo Otoni naquele mesmo sábado. Enquanto a ex-presidente participou de um ato de campanha aberto ao público em um clube da cidade, Aécio foi para a fazenda. Como o tucano não tem aparecido em nenhum ato político (não participou nem da convenção estadual do PSDB, que presidiu até dezembro, quando o partido formalizou a candidatura do seu afilhado político Antonio Anastasia ao governo de Minas Gerais), o Intercept resolveu conferir in loco o evento peculiar.

Só para convidados, pero no mucho

Marcado para às 8h, o evento só começou às 11h30, quando o senador foi convidado para subir na pequena mesa improvisada posicionada diante de um enorme telão, debaixo de um calor de 30 graus. Seria a primeira oportunidade para ouvir o senador sobre os seus planos para a volta à Câmara dos Deputados, que ele chegou a presidir e para a qual foi eleito pela primeira vez em 1986 como herdeiro político do seu avô, Tancredo Neves.

A assessoria do senador informou que o evento era destinado apenas a convidados, mas o chamado circulou nas redes sociais e não estabelecia qualquer restrição de entrada – e não havia nenhum controle de acesso à fazenda. Bastava pegar a entrada em frente ao motel Dallas, na BR-116, e seguir mais 2 km de estrada de terra até a fazenda de Téo Barbosa, ex-prefeito de Setubinha, anfitrião do evento e seu amigo de longa data.

Convite lançamento candidatura Aécio Neves 2018

Convite lançamento candidatura Aécio Neves 2018 rodou pelo zapzap do Brasil

Foto: Divulgação.

Téo Barbosa é pecuarista e por isso estava de chapéu de vaqueiro no palco. Seu filho, João Barbosa, também já foi prefeito da cidade que hoje está sob o comando de outro parente, Warlim Barbosa, ambos eleitos pelo PSDB. O domínio do clã Barbosa não foi capaz de livrar Setubinha de ser um dos piores IDHs do estado. Nas últimas eleições municipais, Téo Barbosa tentou ser prefeito da mineirae Malacacheta , dessa vez pelo PHS em uma coligação com o PT. Perdeu a eleição e ainda teve um pequeno desconforto: foi acusado de comprar votos, mas conseguiu se livrar.
Na plateia, nenhuma liderança tucana importante, apenas figuras de menor expressão como prefeitos e ex-prefeitos de Governador Valadares, Ouro Verde, Novo Cruzeiro e Ladainha.

À frente do enorme telão, Aécio falou do seu reencontro com a região, uma ligação que vem de família. Aécio Ferreira da Cunha, o pai, nasceu em Teófilo Otoni em 1927. O avô de Aécio, Tristão Ferreira da Cunha, foi vereador no município. Depois de criticar o governo do petista Fernando Pimentel – de quem foi aliado em 2010 –, Aécio mencionou o fato de ter aberto mão da candidatura ao Senado, como se fosse um nobre “gesto” de desprendimento em favor do partido, e aproveitou também para dar uma distorcida nas pesquisas.

Nem Alckmin nem Anastasia querem aparecer ao lado de Aécio.

“No momento em que eu faço esse gesto para o fortalecimento da candidatura de Antonio Anastasia (ao governo de Minas) e abro mão da disputa ao Senado, mesmo com todas as pesquisas, e vocês acompanhavam, me dando uma ampla possibilidade de ser eleito, eu priorizo naquilo que será essencial pra vocês, que é termos um novo governo, com compromisso com essa região, e eu serei, se obviamente eu merecer a confiança dos mineiros, com muita honra, com muito orgulho, representante mais uma vez dessa região na Câmara dos Deputados”.

Animado, o ex-presidente do PSDB em Teófilo Otoni, o Doutor Neiva, fez questão de reconhecer o belo “gesto” do amigo: “Quem teve mais de 50 milhões de votos se lançar a deputado federal… olha, não é para qualquer um!”.

Apesar de ter exaltado a importância das candidaturas de Alckmin e Anastasia em seu discurso, nem um nem outro querem aparecer ao lado dele. Alckmin há pouco tempo disse que não “seria o ideal” que Aécio se candidatasse. Já Anastasia, quando perguntado sobre o motivo de não estar fazendo campanha com o senador, se limitou a dizer que “cada deputado faz sua campanha como achar conveniente, eu estou fazendo campanha de governador”.

Aécio, que sempre foi muito paparicado pela imprensa mineira graças à ação implacável de sua irmã nas redações, reclamou das críticas de que estaria se “escondendo” em uma fazenda para lançar a candidatura. “Um importante jornal de São Paulo dizia o seguinte. O Aécio vai começar sua campanha numa fazenda isolada no Vale do Jequitinhonha, como se isso fosse um desprezo. Um outro jornal, um outro site diz o seguinte: Aécio terminou em Teófilo Otoni, como se isso pudesse ser demérito a alguém. Mal sabem eles a importância desse evento”.

A imprensa, aliás, deu pouquíssima importância para o evento, para não dizer nenhuma. Nem parecia que se tratava da campanha eleitoral de alguém que quase foi presidente do Brasil.

“E o resto é com Deus”

O primeiro ato de campanha de Aécio, escondido na fazenda do Téo Barbosa, não poderia ser mais simbólico deste momento da sua vida pública. A vertiginosa derrocada começou quando foi gravado pelo empresário Joesley Batista pedindo R$ 2 milhões, que teriam sido entregues para um primo do senador — aquele do a “gente mata ele antes de fazer delação” — e para um assessor indicado por Zezé Perrella. Também é investigado por obstrução de Justiça e foi citado na delação de Delcídio Amaral como responsável pela adulteração de provas colhidas na CPI dos Correios, de 2005.

“A política é feita mais de desencontros. Meu sentimento é de reencontro com a minha história, com a razão primeira que há mais de 30 anos me fez optar pela política”, discursou na fazenda. Mas não é bem assim. O sentimento do senador que foi largado ferido na estrada por seus principais aliados não é o de reencontro, é o de medo. Medo de ir para a cadeia. E de perder novamente nas urnas para a mulher que ele ajudou a derrubar.

Aécio Neves discursou por 13 minutos. No começo, pareceu fazer até mesmo um mea culpa. “No momento de tamanho desgaste, de tantas frustrações, e muitas delas com razão, eu continuo acreditando na política com uma das mais nobres atividades que o ser humano possa desempenhar no seio da sua comunidade, da sociedade em que vive.” Continuou, dizendo que aprendeu com seu pai “a importância de servir na política, mas de jamais servir-se da política”. Citou programas criados por ele quando governador de Minas e enalteceu a quantidade de estradas asfaltadas. “Vai priorizar asfalto? Os adversários diziam, né?”, falou, sob aplausos tímidos.

‘Sou imensamente grato por estar aqui e ser recebido dessa forma’.

Com microfone em punho, ele lembrou quando substituiu interinamente o então presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, por motivo de viagem, e aproveitou o momento para destinar obras em favor do Vale do Mucuri. “Isso é a prioridade, não no discurso, é a prioridade na prática”, falou, para logo relembrar seu desejo há muito acalentado: “o fim definitivo desse ciclo perverso e danoso dos governos do PT em Minas Gerais”.

Mencionou novamente o pai. “Eu me lembro de uma frase que ele ensinou a mim e a meus irmãos muito cedo. Ele dizia que a gratidão é a memória do coração. Portanto eu quero dizer aqui hoje que não são vocês que têm de ser gratos ao que eu fiz. Eu é que serei sempre grato por, ao lado de vocês, inspirado por vocês, ter ajudado, mesmo que um pouco, ajudado a melhorar a vida de cada conterrâneo nosso, de cada cidadão, que vive nessa região. Eu sou imensamente grato por estar aqui e ser recebido dessa forma, como estou sendo recebido.”

Prosseguiu: “Ao abrir a sua casa, Téo, você abre o seu coração. Você abre o coração da sua família. E aqui estamos nós que nos transformamos numa enorme família em favor daqueles que confiam em nós e que apoiam a nossa caminhada.” Olhando para o público de políticos e eleitores que haviam chegado na van escolar, declarou: “Acho que esse é o discurso uníssono de todos que estão aqui. Pelo menos o sentimento de cada um que aqui está, porque eu percebo, que me dizem de alguma forma, mesmo com seu silêncio, mais com abraço apertado, com afeto do olhar, me dizem vá em frente, que nós ainda precisamos de você.”

O discurso já chegava ao final quando o político pediu votos. “Mas eu quero ser parceiro de cada representante dessa região, na certeza de que vocês, cada um no seu limite, cada um nas condições que tiver, poderá nos ajudar a chegar na Câmara Federal, Casa que já presidi, e poder, no meu primeiro discurso, dizer chegou aqui novamente o deputado do Vale do Mucuri, o deputado Aécio Neves, o deputado do Vale do Jequitinhonha.”

Antes de descer da mesa, o senador deu um tapinha nas costas de um correligionário e finalizou. “Obrigado, João. Cada prefeito. André. Prefeitos queridos. Ex-prefeitos que aqui vieram. Estou extremamente honrado pela presença de cada um. São inúmeras as lideranças que aqui estão. São inúmeros os vereadores que aqui estão, que me abraçaram. Vamos juntos, com o apoio de vocês podemos chegar lá”. Para então finalizar: “E o resto é com Deus.”

Foto em destaque: Aécio ao lado do pecuarista Téo Barbosa (à esquerda, de chapéu) e dos poucos eleitores que foram vê-lo em uma fazenda em Teófilo Otoni.