Esta reportagem foi financiada por nossos leitores

Grupos de empregos. De mães. De futebol. De vizinhos. De economistas. De tatuagens. E, claro, de discussões políticas. Não importa o tema: grupos de WhatsApp têm sido monitorados por marqueteiros políticos em busca de detalhes sobre o comportamento de usuários. A análise, constante e detalhada, serve para estudar potenciais eleitores com objetivo de emplacar mensagens com o máximo potencial de convencimento. E ninguém sabe que as conversas que você têm com seus amigos, em tese restritas ao ambiente do grupo, estão sendo usadas como matéria-prima para campanhas eleitorais.

Várias agências que prestam serviços de propaganda eleitoral pelo WhatsApp usam programas de computador para monitorar grupos e eleitores de perto. Desta forma, os marqueteiros conseguem medir os assuntos quentes no momento, o humor e a receptividade das pessoas às mensagens que a campanha quer emplacar.

Com o programa, a equipe consegue identificar o público-alvo ideal para receber cada tipo de conteúdo. Assim, as mensagens que chegam para um homem de mais de 60 anos, paulista e com diabetes são diferentes das que são enviadas a uma mulher nordestina que vive com um salário mínimo. Eles sabem o que dizer e a quem deve ser dito – e a melhor hora para isso.

Nós tivemos acesso a um dos programas usados em campanhas eleitorais no Brasil, o WNL, para entender como ele funciona. Utilizamos uma versão que foi contratada por um político– seu nome é preservado em nome da segurança da fonte. Sua campanha monitorou e distribuiu conteúdo a mais de 100 grupos de WhatsApp. Eles monitoram grupos de diabéticos, torcedores de times de futebol, motoristas de Uber e divulgação de vagas de emprego. Colegas de trabalho, vizinhos.

A estratégia vendida para políticos lembra um experimento científico. Um emissor lança um estímulo em um grupo (um post histérico sobre a mentirosa fraude nas urnas eletrônicas, por exemplo). As reações a essa postagem são analisadas e classificadas entre positivas, negativas ou neutras. Quem reage bem continuará recebendo informações parecidas. Quem reage mal receberá outros tipos de mensagens.

Também é possível selecionar palavras-chave para descobrir interesses específicos. Por exemplo, um paciente de câncer fala sobre a sua condição e tratamento. O sistema recolhe esses dados e encontra outros cidadãos em situações parecidas. Eles passarão a receber conteúdo como as propostas do candidato para a saúde, por exemplo.

Devidamente catalogado, cada usuário ganha um dossiê individual – com as informações, são criados novos grupos com temas específicos, como igreja, “kit gay”, família, comunismo, armas, corrupção, privatização etc. Quem foi classificado como neutro passa a receber principalmente materiais contrários ao adversário. Assim, alguém que é neutro e que se preocupa com a pedofilia será bombardeado com memes sobre a falsa ameaça do “kit gay”.

O grupo contrário tem um tratamento ainda mais incisivo. Anúncios em redes sociais e fake news mais pesadas passam a mexer com valores caros à pessoa, como família e religião, para tentar inflar a rejeição pelo concorrente. O serviço também é usado com mensagens SMS e ligações telefônicas gravadas para pessoas que não usam o WhatsApp.

A reação das pessoas é usada para calibrar o tipo de mensagem: mais agressiva ou mais positiva, por exemplo.

A lei eleitoral diz que só podem ser usados os contatos de apoiadores do candidato, com os números cedidos voluntariamente. Na prática, porém, a empresa tem acesso a números que nada têm a ver com política. São listas com centenas de milhares de perfis que, muitas vezes, já vêm com recorte geográfico, de faixa etária e renda mensal. Isso facilita, e muito, a ação dos marqueteiros. Cada contato é vendido por um valor entre R$ 0,09 e R$ 0,25, dependendo do nível de segmentação.

Mercado de eleitores

Uma pesquisa divulgada hoje reafirmou que as campanhas eleitorais combinam uma série de bases de dados diferentes abusando ilegalmente de poder econômico para se comunicar com os eleitores. Ela foi feita pela Coding Rights, organização que trabalha na defesa de direitos na internet, em parceria com a Tactical Tech, que pesquisa o impacto político e social da tecnologia.

Em entrevista às pesquisadoras, estrategistas políticos afirmaram que combinam informações públicas – como o Censo – com dados comprados de empresas privadas, como a Serasa Experian e a Vivo. Essas bases de dados incluem dados demográficos e telefones (incluindo seus respectivos contatos de WhatsApp). Também há formas ilegais de obtenção desses dados, como programas que coletam automaticamente telefone de eleitores em seus perfis do Facebook.

“Nós verificamos que essas empresas são engajadas em vários tipos de atividades. Enquanto algumas trabalham exclusivamente escaneando redes sociais para subsidiar os times de comunicação para produzir propaganda direcionada, outras fazem todo o marketing político dos candidatos e têm times exclusivos para cuidar da parte digital das campanhas”, diz o estudo. Se a primeira copia o que já é feito pelo marketing de grandes empresas privadas, a segunda ainda não havia sido testada com essa injeção de dinheiro em tão pouco tempo.

A Serasa Experian, por exemplo, coleta e analisa dados de comportamento, informações financeiras e perfis de consumo. A empresa conhece 140 milhões de pessoas (67% dos brasileiros) e não revela quais são exatamente as bases de dados usadas para compor nossos perfis. Com esses dados, é possível descobrir quem está endividado, onde alguém vai jantar, suas preferências sexuais, eventualmente seu trajeto de casa ou de alguma viagem. É um sistema que conhece o seu carro e sabe quais remédios você toma, informação útil para que empresas enviem mensagens para oferecer produtos e candidatos.

Quanto mais conhecem você, mais eficientes são as mensagens enviadas pelos marqueteiros.

As organizações também estudaram outras quatro empresas: Facemídia, Idea Big Data, Numbr Group e Ponte Estratégia. A Ponte anunciou uma parceria com a Cambridge Analytica, responsável pelo escândalo de coleta de dados e manipulação na campanha de Donald Trump, na qual coletou informações comportamentais das pessoas em um teste no Facebook para criar propaganda direcionada. A Cambridge foi fechada em maio, e a Ponte seguiu direto para as campanhas eleitorais usando o mesmo método aprendido com a empresa: o ‘microtargeting’, ou seja, a técnica de classificar as pessoas de uma maneira bastante específica segundo suas preferências.

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, empresários bancam disparos em massa pelo WhatsApp com contratos de até R$ 12 milhões. Entre os serviços oferecidos aos políticos, além do envio massivo de mensagens, também está um “dashboard WhatsApp” que permite gerenciar as postagens e os envios. A AM4, única agência de marketing que aparece na prestação de contas de Jair Bolsonaro, tem um serviço do tipo. A empresa produz conteúdo para pelo menos 1.500 grupos no WhatsApp de forma organizada.

Como o WhatsApp tem um caráter pessoal – você possivelmente recebe informações de amigos, parentes ou em grupos que discutem temas importantes para você – a chance de confiar no conteúdo que chega direcionado é maior, e a mensagem, portanto, mais eficiente. Se os políticos souberem exatamente o que você pensa e como reage a determinados assuntos, ganham um canal de comunicação imbatível para produzir mensagens sob medida e persuadi-lo. Jair Bolsonaro que o diga.