Há um ano, o traficante Rogério 157 era preso de cuecas numa casa na favela do Arará, na zona norte do Rio de Janeiro, vizinha ao presídio em que o ex-governador Sérgio Cabral aguarda julgamento. Depois de tentar – e conseguir – tomar o comando do tráfico na Rocinha do traficante Nem que comandava a favela a distância a partir de sua cela em Rondônia, 157 tinha a cabeça a prêmio e rodou a cidade por meses, até que a polícia o capturasse. Atrás dele, um rastro de mortes.

A sangrenta disputa pela Rocinha pegou a cidade de surpresa e ganhou repercussão na imprensa nacional e internacional. Mas a população da favela já sabia o que ia acontecer. Era pouco mais de meio-dia do dia 21 de setembro de 2017 quando o Disque Denúncia, organização ligada à Secretaria de Segurança do Rio, recebeu a seguinte informação – praticamente uma profecia:

“No alto da Rua citada, na favela da Rocinha, próximo ao posto de saúde, numa mata, neste momento, pode ser encontrado o traficante “Rogério 157″ com aproximadamente 50 traficantes, fortemente armados, que estão esperando a invasão dos traficantes que estão a mando do “Nem da Rocinha” (…) Ele obrigou alguns moradores a estocarem alimentos e água em suas casas pois amanhã e no fim de semana haverá um confronto na comunidade. Moradores estão tendo seus celulares revistados”.

A manhã seguinte foi o caos: a autoestrada Lagoa-Barra, um dos principais pontos de ligação entre a zona sul do Rio e a emergente Barra da Tijuca, foi fechada nos dois sentidos, pessoas se jogaram no chão da passarela desenhada por Oscar Niemeyer que liga a favela ao bairro vizinho de São Conrado, enquanto policiais e traficantes trocavam tiros.

Um levantamento inédito feito pelo Intercept com base em informações exclusivas do Disque Denúncia, mostra que a “profecia” do ataque à Rocinha em setembro de 2017 se repetiu ao menos outras duas vezes, em 2004 e 2006. Os dados permitem concluir que o histórico de invasões e troca de comando em uma das maiores favelas da América Latina – e não só nela – segue um roteiro: os cidadãos ligam com antecedência para o Disque Denúncia para informar às autoridades sobre os conflitos prestes a acontecer, com detalhes sobre onde e como serão as invasões. A polícia, que tem acesso às denúncias, não interfere na disputa – as informações são disponibilizadas à Secretaria de Segurança, mas não necessariamente repassadas à PM e à Polícia Civil. Resultado: a favela é invadida, moradores são mortos e feridos e passam por em infindáveis dias e horas de tiroteios. Depois de tudo, as forças de segurança lançam megaoperações – a Rocinha chegou a passar uma semana cercada pelo Exército. Até que comece um novo ciclo.

AP_17345838429076-1544028887

Localizada na zona sul do Rio, a favela da Rocinha sofre com frequência com ‘invasões’ de traficantes rivais que poderiam ser evitadas.

Foto: Leo Correa/AP Photo

Reprise

Para quem tem memória boa, 2017 parecia um reprise. Há dois dias da Sexta-feira Santa de 2004, uma pessoa ligou para o Disque Denúncia e alertou que a favela da Rocinha seria invadida em meio à Páscoa.

“Traficantes do Comando Vermelho pretendem fazer, no dia 10/04, sábado, um marco, pois irão formar vários bondes das comunidades Chatuba, Pavão Pavãozinho, Complexo do Alemão, Grota, Tabajara, Vidigal e Manguinhos para atacarem traficantes rivais.Os bondes serão liderados pelo traficante identificado como Eduíno Eustáquio Araújo Filho, vulgo Dudu da Rocinha, a mando dos traficantes presos em Bangu I”…

No dia seguinte, a bala começou a voar na favela, tal qual previsto pelo cidadão anônimo que ligou para o serviço às 13h51 do dia 7 de abril de 2004. Atores que faziam o último ensaio da tradicional encenação da Paixão de Cristo correram com outras dezenas de pessoas para dentro de uma casa. O feriado acabou com a morte de cinco pessoas –três moradores que não tinham nada a ver com a disputa e dois policiais militares. Outras oito pessoas ficaram feridas. Era só o início da batalha pelo domínio da Rocinha, cujos reflexos seriam vistos também em outros pontos da cidade: Complexo do Alemão, Vigário Geral e nos morros do Andaraí (zona norte), Vidigal e Pavão-Pavãozinho (zona sul).

05-12-2018-denuncias-na-rocinha-corrigido-1544034509

Arte: João Brizzi/The Intercept Brasil

Em 2004, o Disque Denúncia recebeu outras 20 denúncias avisando sobre as datas prováveis da invasão liderada pelo traficante Dudu da Rocinha e favelas coligadas naquela Sexta-Feira Santa. Uma delas chegou ao Disque Denúncia 42 dias antes do tiroteio, às 13h18 de 21 de janeiro. Uma pessoa entrou em contato com o serviço avisando que Dudu estava tramando um golpe contra o então dono da favela, Luciano Barbosa, o Lulu.

“Na comunidade citada (Rocinha), ocorrerá, a qualquer momento, uma invasão”, dizia a denúncia, que ainda explicava que a investida havia atrasado por um detalhe: “Não ocorreu antes pelo atraso de 100 fuzis, os quais já foram entregues”. A megaoperação aconteceu 10 dias depois.

Dois anos depois, em fevereiro de 2006, mais do mesmo: seis mortos e oito feridos em nova invasão na Rocinha. Um deles era Diego, de 14 anos, que tinha acabado de voltar da escola. “O Diego cresceu comigo na Vila Verde. Ele estava numa laje com uns amigos quando tomou um tiro no peito que ninguém viu de onde veio. Ele era muito brincalhão, então ninguém acreditou. Só que quando ele virou tinha um buraco aqui e rombo nas costas”, lembra Fabiano* apontando pro peito, desenhando o trajeto do tiro que matou o amigo. “Desceram com ele carregado num pedaço de porta, mas quando chegou lá embaixo ele morreu, não aguentou.”.

Das 26 denúncias recebidas pelo Disque Denúncia naquele ano, dez eram sobre os planos de invasão do Comando Vermelho, o CV, para retomar o território em posse da ADA, como são conhecidos os membros da facção Amigos dos Amigos, que até o ano passado controlava a venda de drogas na favela, e duas sobre corrupção policial, incluindo venda de armas.

A invasão, de novo, se confirmou. Dessa vez, o Comando Vermelho fracassou na investida.

Em 2004 o Disque Denúncia recebeu mais de 20 denúncias avisando sobre a invasão liderada pelo traficante Dudu da Rocinha. A polícia, mais uma vez, só chegou depois.

Foto: Ana Carolina Fernandes/Folhapress

‘A polícia é a política em armas’

Se existem denúncias que antecipam os confrontos, por que a polícia não age para evitar os tiroteios? Parece simples, mas não é bem assim, como explica a antropóloga e professora da UFF especialista em segurança pública, Jacqueline Muniz. “Isso depende do cruzamento com outras informações de inteligência, da capacidade logística de manejar a força policial, do controle de vazamentos internos e, principalmente, da prioridade política dada pelo governo, pois não se tem como mobilizar efetivos policiais indefinidamente”.

Muniz frisa que “a polícia é a política em armas”, uma vez que toda ação de polícia expressa a decisão do governador do estado. “Polícia não tem estoque, polícia é pronto-emprego e seu recurso é escasso porque se demanda mais polícia no sucesso ou no fracasso. Daí a importância de definir a prioridade política. Se a prioridade é o confronto, a lógica de emprego policial é de um tipo. Se é impor um equilíbrio entre recursos criminosos, uma redistribuição para enfraquecer o bando mais poderoso – não necessariamente uma estratégia boa –, é outra lógica de ação. Isso tudo altera o modo como se aloca e mobiliza os recursos policiais”, reitera.

Talvez a polícia opte por não agir. Mas, se a decisão é essa, só sobra uma estratégia para encarar o problema: megaoperações pontuais e espalhafatosas que produzem boas fotos, mas nenhum efeito prático – até o fim de julho, por exemplo, o Intercept mostrou que as operações militares realizadas pela intervenção federal na segurança do Rio custaram R$ 46 milhões sem que isso resultasse em uma redução real da violência no Estado.

AP_18048832279166-1544029824

Talvez a polícia opte por não agir. Mas, se a decisão é essa, só sobra uma estratégia para encarar o problema: megaoperações pontuais e espalhafatosas que produzem boas fotos.

Foto: Fabio Motta/Estadão Conteúdo

Para a antropóloga é ingênuo associar o desempenho policial ao “kit sucesso”: pessoas presas e drogas e armas apreendidas. Segundo ela, ações de investigação e inteligência “discretas, de baixa visibilidade e de menor custo”, com frequência longe das favelas em si, dão muito mais resultado.

Ela lembra que ações desse tipo enviam um recado para o crime, alterando sua dinâmica. “O agir e não agir policial, tecnicamente orientado, encarece a economia criminosa, inclusive o custo da propina, por exemplo”, diz Muniz. “A informação fica mais cara para o corrupto que vende e para o criminoso que compra. Daí a importância de se usar os dados do Disque Denúncia para o planejamento e gestão de operações especiais cuja meta política deve ser sempre baixa [mortes] zero.”

“Com os dados fornecidos, a polícia se resguarda, protege melhor o cidadão e até o bandido. São raros os casos de operações baseadas em nossas informações que resultam em vítimas”, pontua Zeca Borges, diretor do Disque Denúncia, ao lembrar que, com informações bem embasadas, é possível prender criminosos como o traficante Elias Maluco, que liderou a execução do jornalista Tim Lopes, sem disparar um tiro sequer.

Quando a polícia atua com base em inteligência, o combate ao crime passa a ser mais barato, menos danoso e menos arriscado para os agentes que atuam às cegas e para o morador que fica no meio do fogo cruzado. Só cai o número de fotos grandiosas para publicidade.