Há um ano, o Brasil assistiu a uma sangrenta guerra pelo comando do tráfico na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro. O bando de Rogério 157 peitou os comandados de Nem, até então seu chefe e do comércio de drogas na região – mesmo preso. Ambos faziam parte da facção Amigos dos Amigos, a ADA, uma das mais tradicionais do Rio, com mais de 20 anos de atuação.

Para o Brasil, o episódio parecia apenas mais um capítulo da criminalidade carioca. Telejornais transmitiram ao vivo da favela, e os tiroteios ajudaram a justificar a Intervenção Federal na segurança pública do estado.

Agora, a disputa entre Rogério e Nem surge como parte de um contexto maior: o declínio e quase extinção da ADA.

É isso que mostra um levantamento exclusivo baseado em dados do Disque Denúncia e cruzado com informações da imprensa e novas entrevistas. A ADA passou do domínio de 19 favelas para apenas duas. Aquela que já foi a casa de Escadinha, , Playboy, Bem-Te-Vi e Nem da Rocinha, hoje só tem um nome expressivo em seus quadros: Celsinho da Vila Vintém, que de fundador, passou a lobo solitário. Os outros pularam fora do barco após uma sucessão de traições e disputas.

Clique aqui para entender essa história.


Leia o especial