O mercado das ideias alucinógenas anda saturado. É terraplanismo, é negacionismo climático, é movimento anti-vacina, é olavismo. Há groselhas para todos os gostos no submundo do pensamento. O mais novo hit é o anarcocapitalismo, um engodo teórico que vem fazendo sucesso na internet entre os jovens de direita, entre empresários e no governo Bolsonaro. Há o incrível caso de um diretor no Ministério da Economia que ganha dinheiro do estado, veja só, para defender o fim do … estado.

O anarcocapitalismo é um visão extremada do libertarianismo, o qual, por sua vez, é uma visão extremada do liberalismo clássico. Prega o fim do estado — considerado fonte de toda a opressão — e liberdade irrestrita para o capitalismo. É uma tentativa esquizofrênica de misturar a teoria política do anarquismo individualista, de esquerda, com a teoria econômica ultraliberal da Escola Austríaca de Ludwig von Mises, em sua versão mais vulgar possível, propagada por liberais nanicos que fazem sucesso na internet. O uso do prefixo “anarco” também não faz o menor sentido, já que o anarquismo clássico busca a supressão do capitalismo. É uma contradição em si.

Na internet, o estereótipo do anarcocapitalista é o adolescente de classe média revoltado com o preço dos games encarecidos pela taxação, que sai pelas redes sociais repetindo o bordão “imposto é roubo”. Há uma rede de jovens ancaps no YouTube dedicada a espalhar o besteirol. São em sua maioria brancos de classe média que desprezam as ideias de esquerda e têm interesse em investimentos e criptomoedas.

Apesar de não estar presente em nenhum debate acadêmico sério do mundo, o anarcocapitalismo vem ganhando espaço no mainstream brasileiro. Além dos jovens na internet, há também grandes empresários difundindo o engodo.

Hélio Beltrão Filho, sócio herdeiro do Grupo Ultra e ex-executivo do Banco Garantia, é um engenheiro com experiência no mercado financeiro que tem se dedicado a divulgar o anarcocapitalismo no Brasil. Ele é fundador do Instituto Millenium e presidente do Instituto Von Mises, dois think tanks brasileiros criados para difundir os ideais ultraliberais. As duas entidades são ligadas a Atlas Network, organização financiada pelos irmãos Koch e pelo Departamento de Estado dos EUA, cuja missão é espalhar o libertarianismo empresarial pelo mundo.

Não é surpreendente que haja sempre ricaços dispostos a financiar e propagar a ideia de que a única forma de tornar o mundo melhor é deixar os ricos viverem em paz, sem impostos, sem regras, sem aborrecimentos. Afinal, dizem, eles são ricos por intervenção divina, não podem ser penalizados por serem bons, por serem competentes, por terem sobrevivido à selva do darwinismo econômico (mesmo que eles tenham ganhado suas fortunas graças aos esforços de algum antepassado).

Esses radicais acreditam que as pessoas são pobres por serem incapazes, incompetentes ou preguiçosas. A pobreza, portanto, acabará quando acabarem os pobres. As desigualdades sociais, portanto, não são sua preocupação central. Elas seriam resolvidas, por mágica, pela mão invisível do mercado – ou, então, talvez pelas mãos armadas dos exércitos particulares?

Beltrão está próximo do olavismo. Tem orgulho em dizer que foi, junto de Olavo de Carvalho, um dos primeiros a confrontar o “marxismo cultural” no Brasil.

O libertarianismo do empresário não se sustenta na hora de interpretar acontecimentos históricos. Ele afirma que em 1964 não houve golpe, mas um “contragolpe”. Seu pai, Hélio Beltrão, foi ministro do Planejamento (que ironia!) durante a ditadura militar e signatário do AI-5. “Havia uma disputa de golpes, e os militares fizeram um golpe antes que a esquerda o fizesse”, afirmou numa entrevista em que comemorou a vitória de Bolsonaro, a quem considera um “político genial”. Beltrão está empolgado com a presença de liberais no governo e “diz que se belisca todo dia para saber se é verdade”. “Sempre tive dúvidas se isso seria possível. E acho que é só o começo”.

Beltrão parece seguir a tradição de liberais-libertários que usam o palavreado dessa ideologia para justificar, defender e racionalizar regimes autoritários, como Roberto Campos no Brasil da ditadura ou os Chicago boys no Chile de Pinochet. Malabarismo retórico e intelectual que deve fazer com que Stuart Mill se revire em seu túmulo.

Os ancaps costumam se sentir bem ao lado de conservadores de extrema direita em todo lugar do mundo. O pai do anarcocapitalismo, Murray Rothbard, elogiou o então candidato ao senado David Duke, o homem mais conhecido da Ku Klux Klan. O mesmo que declarou simpatia por Bolsonaro no ano passado.

Em nome do pluralismo de ideias, a Folha de S. Paulo achou razoável oferecer uma coluna no caderno Economia para esse anarcocapitalista do mercado financeiro, o que seria equivalente a oferecer espaço no caderno de Ciência para um terraplanista. Na estreia da coluna semanal, Beltrão apresentou o anarcocapitalismo como uma “sutil evolução do liberalismo clássico dos séculos 18 e 19″ e desandou no misticismo ao pregar as maravilhas de uma sociedade com mercados totalmente desregulados.

No texto seguinte, em que trata dos ciclos econômicos, Beltrão mostra o quão frágil é seu conhecimento sobre macroeconomia. Diz que “o nível cultural e moral de uma nação é espelhado em sua taxa de juros de mercado. Quanto mais baixo o nível, mais altas as taxas”. Como as taxas de juros reais no Brasil estão sempre entre as mais altas do mundo, só podemos concluir, seguindo o raciocínio de Beltrão, que somos uma gentinha bem rastaquera. Mas, há salvação, basta estudar “as teorias dos ciclos, em especial a descrita por Mises, e otimize você mesmo sua carteira de investimentos”.

A filosofia política de Beltrão é cômica. O autor chega a defender o fim do estado usando como exemplo o bom funcionamento de um shopping center em termos de segurança.

mises-1557066085

Fonte: https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1504

Beltrão também tem a pachorra de comparar a escravização de africanos e seus descendentes com o ato de pagar impostos. E de comparar a chibata com notificações da Receita Federal.

Fonte: https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=654

É o tipo de argumento que só pode conquistar o público adolescente. Ingênuos e desinformados, os ancaps imaginam um mundo em que reina a concorrência mais pura e perfeita, numa imagem idílica do capitalismo, risível no início do século 19, que dirá nos dias de hoje. Em uma sociedade anarcocapitalista, todos os serviços seriam prestados por empresas ou indivíduos, que competiriam livremente entre si. Saúde, educação, segurança e até tribunais de justiça deveriam ser contratados de particulares.

O grupo ultraliberal Clube Farroupilha, de Santa Maria (RS), também levanta a bandeira do anarcocapitalismo. Seus integrantes são oriundos da Universidade Federal de Santa Maria, sendo que dois deles viraram políticos do partido Novo do Rio Grande do Sul. O seu fundador, Geanluca Lorenzon, de 26 anos, é um ancap convicto que prega o fim do estado, mas que ganhou um cargo de diretor no ministério da Economia. Para ele, os anarcocapitalistas cumprem a função estratégica de contrabalancear o radicalismo de esquerda. “Nós mantemos a discussão equilibrada. Você precisa de radicais dos dois lados”.

Lorenzon fala como se radicais de esquerda, que defendem a tomada dos meios de produção pela classe trabalhadora, fossem influentes no debate político e não estivessem isolados nos centros acadêmicos da vida. É que, para os ancaps, os governos do PT representaram o radicalismo de esquerda.

helio-beltrao-1557156916

O anarcocapitalista Hélio Beltrão fala em evento do Instituto Mises, do qual é presidente.

Foto: Divulgação/Instituto Mises

Bom senso liberal jogado no lixo

O liberalismo – que nasceu como “coisa” na Revolução Gloriosa de 1688 na Inglaterra e como “rótulo político” nas cortes espanholas em 1810 – se opunha ao absolutismo, à tirania do estado. Mas os liberais queriam regular, não extinguir o estado. Tanto que sua primeira bandeira foi pela constitucionalização das monarquias – uma Constituição serve, fundamentalmente, para proteger o cidadão contra o arbítrio do estado.

Mesmo Friedrich Hayek, um liberal com os dois pés no chão, afirmava em “O Caminho da Servidão”, que “a doutrina liberal (…) não nega, mas até enfatiza que, para a concorrência funcionar de forma benéfica, será necessária a criação de uma estrutura legal cuidadosamente elaborada”. Ou ainda que “o bom uso da concorrência como princípio de organização social exclui certos tipos de intervenções (…), mas admite outros que às vezes podem auxiliar consideravelmente seu funcionamento, e mesmo exige determinadas formas de ação governamental”.

No anarcocapitalismo, todo esse bom senso liberal é jogado no lixo.
Ele é a doença infantil do liberalismo.

Mas vejam só como é a dialética das coisas. O estado realmente está constantemente violando as liberdades dos indivíduos. Por isso, temos que nos proteger dele. Por outro lado, é a existência do estado que nos garante e nos permite exercer nossas liberdades.

Quando, por qualquer motivo, ocorre o desaparecimento do estado, o que vemos não é o reino da paz e das liberdades. Ao contrário, é o império do caos, da violência, do medo. Basta pensar no que ocorre em regiões de países em conflito, como Somália, Iraque e Síria. Ou ainda, basta ver o cotidiano de pessoas que, desassistidas pelo estado, vivem sob o comando de traficantes e milícias pelas periferias do Brasil.

No sistema econômico atual, onde prospera cada vez mais a concentração de riqueza e capitais, as empresas multinacionais, os oligopólios, como o consumidor se protegeria da ameaça dessas gigantes? A ideia de segurança inteiramente privada significa a total e completa legalização do sistema de milícias, como ocorre em partes do Brasil.

Parece não fazer sentido, certo? Pois é, não faz mesmo. No fim das contas, o anarcocapitalismo nada mais é do que a corda do liberalismo esticada para além do limite da sensatez.

ATUALIZAÇÃO, 7/4, 17h48: Este texto foi atualizado para incluir documentos que revelam o repasse de dinheiro do Instituto Irmãos Koch a Atlas, após a Rede Atlas entrar em contato por e-mail alegando não ser financiada pelo governo dos EUA ou pelos Irmãos Koch. Os documentos foram revelados na reportagem de Lee Fang.