Na quarta-feira, 18 de setembro, enquanto os democratas se preparavam para uma série de reuniões privadas, ficou claro que os nervos estavam à flor da pele. Agosto havia sido um desafio para os escalões mais baixos do partido, com ativistas e cidadãos irritados os interpelando nas prefeituras, nos mercados e em eventos locais por conta da falta de vontade do partido de pedir o impeachment do presidente Donald Trump. “Passamos o verão inteiro apanhando em casa”, disse um democrata que recebeu esse tratamento. No dia anterior, o ex-conselheiro de Trump Corey Lewandowski zombou da entrevista do Comitê Judiciário com ele, escancarando o desprezo pelo processo e pelas pessoas por trás dele.

Enquanto isso, democratas novatos dos distritos-pêndulo (os swing districts, que mudam de preferência a cada eleição), considerados a linha de frente do partido, passaram as últimas semanas condenando a pressão sobre eles para pedir o impeachment, alegando que isso os estava deixando em conflito político. Os democratas debatiam publicamente se as audiências que o deputado Jerry Nadler, de Nova York, estava realizando em seu Comitê Judiciário eram ou não o início de um processo de impeachment. Mantendo-se firme diante da onda do impeachment, gritando para que parasse, estava a presidente da Casa, Nancy Pelosi. Não foi por sua culpa que o processo havia se tornado um fiasco, disse Pelosi a colegas durante uma reunião. Em sua opinião, Nadler deveria ter mandado prender Lewandowski por desacato “imediatamente”.

A passividade do partido estava causando problemas reais para os membros da base no Congresso.

Mas, segundo disse o deputado democrata de Maryland Jamie Raskin a seus colegas naquele dia, havia um problema maior. Raskin, o progressista de mais alto escalão na periferia da liderança, é um advogado constitucional e vem há tempos pedindo impeachment por princípio. Mas agora a política também importava, argumentou ele, e a passividade do partido estava causando problemas reais aos membros da base do partido no Congresso, especialmente os que não estavam manifestando apoio ao impeachment para respeitar a oposição da liderança a ele. A fim de aplacar um pequeno punhado de integrantes da linhas de frente – talvez em torno de sete ou oito – todo o partido vinha sendo arrastado e rotineiramente humilhado pelo desprezo de Trump pelo Estado de direito.

Essa raiva na base estava se traduzindo em desafios primários, observou ele, e resultando em constituintes desnecessariamente furiosos. A deputada Cheri Bustos, presidente do Comitê de Campanha Legislativa Democrata e defensora de não se fazer nada quando se tratava de Trump, contava recentemente 111 primárias, muito mais do que um ciclo típico. Os membros sem desafios oficiais em primárias também não estavam de forma alguma seguros, pois poderiam em breve enfrentar um desafio, a menos que houvesse uma mudança na trajetória da política.

A novata Lori Trahan, de Massachusetts, por exemplo, manifestou-se pelo impeachment depois que Dan Koh, que ela venceu nas primárias por 147 votos em 2018, cobrou que ela o fizesse, com a clara ameaça de que possa concorrer novamente. Os assentos de mais de 200 democratas estavam sendo colocados em risco para proteger um punhado de linhas de frente barulhentos, argumentou Raskin, e não estava claro se a estratégia os estava protegendo realmente de qualquer coisa. Ativistas de base estavam se desmobilizando, democratas enfrentavam desafios primários por toda parte e, de alguma forma, os democratas pareciam estar perdendo, novamente, para Trump. Alguma coisa precisava acontecer.

Essa coisa surgiu mais tarde naquela noite, na forma de um furo do Washington Post quanto a uma denúncia de um membro da comunidade de inteligência dos EUA sobre uma promessa que Trump fez a um líder estrangeiro. Assim, na quinta-feira à noite, o Post informou que o país envolvido era a Ucrânia. A partir daí, não demorou muito para se deduzir o que havia acontecido. Tudo foi coroado com confissões de Trump e de seu advogado Rudy Giuliani, o homem da mala da operação: Trump havia exigido que, em troca de ajuda dos EUA, o novo primeiro-ministro ucraniano investigasse as ligações entre o então vice-presidente Joe Biden, seu filho Hunter Biden e um escândalo que envolve a demissão de um promotor e uma empresa de gás natural, de cujo conselho Hunter era pago generosamente para participar.

O caso em si não é o que parece. Ao demitir o promotor, Biden provavelmente prejudicou mais a empresa de Hunter do que qualquer outra coisa, mas a situação parece ruim o suficiente. De fato, Hunter Biden não tinha quaisquer habilidades para oferecer à companhia de gás natural além de sua capacidade de influenciar o pai, quer ele tenha feito isso ou não. Trump viu claramente a possibilidade de aproveitar isso em sua vantagem nas eleições de 2020.

“Será um fim de semana brutal para muita gente, especialmente para quem não se manifestou pelo impeachment.”

As notícias caíram como uma bomba sobre uma bancada democrata que já estava prestes a explodir. Choveram pedidos pelo impeachment de Trump da esquerda do partido e de seus candidatos à presidência. Na noite de sexta-feira, os democratas estavam se preparando para uma reação em suas regiões. “Será um fim de semana brutal para muita gente, especialmente para quem não se manifestou pelo impeachment”, previu um democrata.

De fato, foi. Os democratas, incluindo os da linha de frente, passaram o fim de semana mandando mensagens de texto furiosamente e ligando uns para os outros enquanto trabalhavam em torno de como responder à mais recente ilegalidade de Trump. “As pessoas estão furiosas”, disse outro democrata no fim de semana. “Gente da linha de frente está furiosa! E não são sequer os ‘progressistas’ da linha de frente.”

Pelosi pareceu não compreender a mudança que estava ocorrendo sob seus pés. No fim de semana, o repórter John Harwood perguntou a um assessor de Pelosi se as notícias haviam mudado o cálculo dela a respeito do impeachment e recebeu a resposta: “Não. Está vendo algum voto do Partido Republicano para isso?”

O redator de discursos do presidente Barack Obama Jon Favreau, que agora funciona, de sua posição no podcast Pod Save America, como uma espécie de tribuna para o exército de resistência voluntária, estava apoplético. “Isso é uma loucura”, disse ele. “Isso é patético. Não foi para isso que trabalhamos tanto em 2018.”

Na terça-feira à tarde, Pelosi estava pedindo que processo de impeachment começasse.

A deputada Abigail Spanberger, ao centro, e a deputada Elaine Luria, à direita, são seguidas por repórteres depois de sair de uma reunião da bancada democrata no Capitólio em 24 de setembro de 2019, onde foi anunciada a abertura de processo formal de impeachment contra o presidente dos EUA, Donald Trump.

A deputada Abigail Spanberger, ao centro, e a deputada Elaine Luria, à direita, são seguidas por repórteres depois de sair de uma reunião da bancada democrata no Capitólio em 24 de setembro de 2019, onde foi anunciada a abertura de processo formal de impeachment contra o presidente dos EUA, Donald Trump.

Foto: Win McNamee/Getty Images

Durante grande parte da sessão do Congresso em andamento, houve um consenso bastante claro dentro da bancada democrata da Câmara quanto à origem de seus problemas políticos mais incômodos. Os radicais do chamado Esquadrão, com seus milhões de seguidores no Twitter e suas sessões de foto para capas de revista, iriam se tornar o rosto do partido, e eleitores de todo o país recuariam, custando seus assentos à linha de frente e enviando a Câmara, e talvez a Casa Branca, de volta às mãos do Partido Republicano. Durante a primeira metade do ano, os líderes democratas travaram batalhas públicas com o Esquadrão – as deputadas: Alexandria Ocasio-Cortez, Ilhan Omar, Ayanna Pressley e Rashida Tlaib – se manifestavam por meio de condenações oficiais no plenário da Casa ou em entrevistas para a colunista do New York Times Maureen Dowd.

Dos 44 membros da linha de frente da bancada democrata, os que foram mais participativos contra o impeachment internamente e em público incluem Max Rose, Elissa Slotkin, Abigail Spanberger, Josh Gottheimer, Elaine Luria, Mikie Sherrill, Jared Golden, Chrissy Houlihan e Jimmy Panetta, acompanhado por outros, dependendo do dia. Coletivamente, os membros da linha de frente são fundamentais para a maioria, de modo que os membros da base do partido estão há tempos dispostos a reduzir e muito a folga quando se trata de moderar a agenda democrata.

Mas os democratas que mais se opunham ao impeachment, aqueles que não apenas insistiam em se opor a ele, como trabalhavam para impedir que a bancada mais amplo seguisse adiante, começaram a deixar de serem bem recebidos– especialmente com membros da base os comparando à maioria da linha de frente, que não ficavam o tempo todo reclamando publicamente e em privado sobre toda a pressão que estavam sofrendo.

Os democratas que mais se opunham ao impeachment, aqueles que não apenas insistiam em se opor a ele como trabalhavam para impedir que a bancada mais amplo seguisse adiante, começaram a deixar de serem bem recebidos.

A paciência também diminuiu, uma vez que a política de passividade não parecia mais estar beneficiando sequer a linha de frente, com a desmobilização da base democrata começando a parecer uma preocupação eleitoral existencial. E os argumentos que estavam sendo usados por alguns membros da linha de frente para não fazer nada estavam se tornando cada vez mais tensos. “Não é nem um pouco difícil pedir o impeachment”, argumentou um deles aos colegas. “O que realmente exige coragem é não pedir o impeachment.”

Os mesmos membros da linha de frente que haviam sido os mais fortes contra buscar o impeachment também costumavam ser os mais hostis pública e internamente em relação ao Esquadrão. À medida que mais membros da bancada começaram a ver a passividade, e não o radicalismo, como o maior problema do partido, eles se afastaram da ideia de que o Esquadrão seria a sentença de morte deles e até mesmo alguns membros da linha de frente passaram a ter menos paciência em relação aos ataques internos que estavam sofrendo. A deputada Angie Craig, uma novata da linha de frente de Minnesota, defendeu particularmente a seus colegas da linha de frente que, se eles tivessem um problema com o Esquadrão ou qualquer outra pessoa, deveriam se sentir à vontade para dizer isso publicamente em suas regiões e usar o contraste para se diferenciarem. Mas, ela argumentou em uma reunião privada pouco antes do recesso de agosto, que os membros deveriam parar de lutar internamente para que o Esquadrão fosse fechado. Cada membro, argumentou ela, tem um distrito para representar, e é o caso também de Ocasio Cortez, Omar, Tlaib e Pressley.

Na segunda-feira, Craig saiu em apoio a processos de impeachment. Ela foi acompanhada por seu colega de Minnesota Dean Phillips, outro da linha de frente que ganhou as manchetes no início deste ano por seu rompimento público com Omar, que serve em um distrito vizinho. Trump argumentou que, ao tornar o esquadrão o rosto dos democratas, ele poderá vencer em Minnesota em 2020, dando um peso extra aos movimentjos de Craig e Phillips, que mudaram os distritos republicanos em 2018.

Na segunda-feira à noite, seis dos principais opositores do impeachment, do tipo a que Raskin se referiu na reunião da semana passada, publicaram um artigo editorial conjunto no Washington Post pedindo pelo início do processo de impeachment: os autores, todos novatos da linha de frente, incluíam Spanberger, Slotkin, Gil Cisneros da Califórnia, Houlahan, Luria e Sherrill. (Jason Crow, do Colorado, também assinou o editorial, mas já havia apoiado o impeachment).

Eles seriam seguidos na terça-feira por mais integrantes da linhas de frente defendendo o impeachment, incluindo Antonio DelGado e Tom Suozzi. E então, foram seguidos por Pelosi, que convocou uma reunião terça-feira à tarde para dizer que ela avançaria com o processo de impeachment, embora não tivesse decidido se formaria um comitê especial ou se seria um processo regular.

O deputado democrata Gerry Connolly, da Virgínia, deixou a reunião chamando-a de “ao mesmo tempo significativa e anticlimática”. Ele havia pedido o impeachment em agosto.

O presidente do judiciário da Câmara, Jerry Nadler, ao centro, e o presidente de relações exteriores, Eliot Engel, à direita, chegam para uma reunião no Capitólio com a bancada democrata da Casa a respeito de um processo de impeachment do presidente Trump em 24 de setembro de 2019.

O presidente do judiciário da Câmara, Jerry Nadler, ao centro, e o presidente de relações exteriores, Eliot Engel, à direita, chegam para uma reunião no Capitólio com a bancada democrata da Casa a respeito de um processo de impeachment do presidente Trump em 24 de setembro de 2019.

Foto: Tom William/CQ-Roll Call, Inc via Getty Images

Nos últimos meses, destacando pesquisas pagas pelo DCCC, líderes democratas fizeram chover dados sobre os democratas da Câmara, argumentando repetidamente que os eleitores não se importam com o impeachment de uma maneira ou outra, que a questão é impopular nos distritos e que a eleição será ser decidida em novembro próximo pela situação da economia. O DCCC argumentou – mostrando slides que os membros não podem levar para fora dos briefings – que os eleitores querem ver os democratas tendo uma agenda afirmativa, não gastando seu tempo tentando derrubar Trump. No entanto, mesmo antes dos democratas abrirem o processo de impeachment na terça-feira, a cobertura da mídia estava dominada por boatos de impeachment, e os membros estavam sendo confrontados por eleitores irritados em seus distritos de origem. Enquanto isso, o projeto mais ambicioso lançado pela liderança do Partido Democrata em 2019, seu pacote de medicamentos controlados, foi lançado na semana passada sem qualquer repercussão.

As pesquisas empalidecem em comparação com a escala da aposta de Trump na Ucrânia. “Isso é extorsão de um líder estrangeiro. Trata-se de abuso de poder da maneira mais sórdida para sujar um possível oponente político”, disse Connolly, chamando a situação de “inaceitável”.

Um assessor veterano de um democrata da linha de frente, que defendeu o impeachment no início do verão norte-americano, disse que fazer isso havia minimizado a dor que muitos outros sentiram durante o recesso.

Mesmo que as pesquisas digam que a maioria dos distritos prefere que os democratas legislem e cooperem, em vez de focarem no impeachment, esses números não contam a história toda. Primeiro, eles ignoram a intensidade, já que os democratas mais ativos – os que aparecem nas prefeituras e batem nas portas – também são os mais propensos a apoiar o impeachment, e conquistá-los tem grandes vantagens de reeleição, ao mesmo tempo em que irritá-los traz desvantagens. Um assessor veterano de um democrata da linha de frente, que defendeu o impeachment no início do verão norte-americano, disse que fazer isso havia minimizado a dor que muitos outros sentiram durante o recesso. “Agosto teria sido realmente doloroso se não tivéssemos feito isso”, disse o assessor.

A pesquisa superficial também não responde à pergunta sobre quais seriam as consequências do impeachment. Uma reserva comum entre os democratas que têm receio do impeachment se resume a suas implicações políticas: Processar Trump com o impeachment simplesmente não o ajudaria a se reeleger, galvanizando seus apoiadores? E como o Senado o absolverá, por que se dar ao trabalho?

Essa preocupação, argumentam os defensores do impeachment, não compreende corretamente a forma como o impeachment seria percebido publicamente e, talvez mais importante, como a falta do processo de impeachment é interpretada pelos eleitores. Toda a conversa dos democratas sobre escândalo e corrupção, impeachment ausente, parece mera briga partidária, ao passo que ações concretas enviam um sinal aos eleitores de que há mais do que isso.
A incapacidade dos democratas de controlar a mensagem – se Nadler havia iniciado a investigação de impeachment ou não – também havia colocado a linha de frente em uma situação difícil. No final de agosto, Spanberger falou sobre isso em uma teleconferência da linha de frente. Ela perguntou se alguém sabia lhe dizer se os democratas haviam ou não dado início a um processo de impeachment. Quando recebeu silêncio como resposta, ela cobrou da liderança do partido por deixar os democratas vulneráveis não apenas confusos sobre o que deveriam fazer, mas confusos sobre o que de fato estavam fazendo.

Enquanto isso, Slotkin fez críticas semelhantes em particular, argumentando que a abordagem aleatória adotada pelo Comitê Judiciário havia tornado o processo amador e dificultado ainda mais que membros como ela o apoiassem.

Alexander McCoy, diretor político do grupo de veteranos progressistas Common Defense, disse que depois de se reunir com mais de 30 escritórios democratas sobre impeachment na semana passada, ele saiu com a sensação de que os democratas, e principalmente os da linha de frente, estavam profundamente confusos quanto a qual é a estratégia do partido. “Esses membros do Congresso foram eleitos cobrar a responsabilidade de Donald Trump, mas muitos estão preocupados com o fato de o processo de investigações até agora ter sido uma bagunça. O problema é que eles estão certos”, disse ele. O lobby pareceu valer a pena, pois eles se encontraram com seis dos sete signatários do artigo do Washington Post que abriram as comportas.

UNITED STATES - SEPTEMBER 24: House Intelligence Committee chairman Adam Schiff, D-Calif., arrives for a meeting of the House chairmen to discuss impeachment in Speaker Pelosi's office on Tuesday, Sept. 24, 2019. (Photo By Bill Clark/CQ Roll Call via AP Images)

O presidente do Comitê de Inteligência da Câmara, Adam Schiff, chega para uma reunião dos presidentes da Casa para discutir o impeachment no escritório de Pelosi em 24 de setembro de 2019.

Photo: Bill Clark/CQ Roll Call via AP

De modo frustrante para muitos democratas da Câmara, suas próprias sortes políticas parecem estar à mercê de discussões intramuros entre os membros mais graduados do partido, lutando por território ou velhas rixas. “Muito disso é guerra de território no topo e entre alguns membros barulhentos da da linha de frente que estiveram por trás de muitas das piores votações que tivemos este ano”, disse um membro. Segundo democratas, o presidente do Comitê de Inteligência, Adam Schiff, democrata da Califórnia, tem sido uma das principais vozes contra o impeachment porque seu próprio comitê, ele argumenta, deveria ser o local para investigações. Sobre o estado da União da CNN, ele começou a se mover, cautelosamente, no fim de semana:

O presidente está nos empurrando para esse caminho e, em particular – depois de procurar ajuda estrangeira e dar as boas-vindas a um assistente estrangeiro na última campanha presidencial como candidato, ele está fazendo a mesma coisa novamente, mas agora usando o poder da presidência – ele pode nos obrigar a seguir por esse caminho. Conversei com vários colegas na última semana e isso parece ser de um tipo diferente e podemos muito bem ter chegado a um ponto sem volta.

Enquanto isso, o Comitê Judiciário está dividido com sua própria discórdia. A presidência está com o deputado Jerry Nadler, de Nova York, que venceu uma disputa de poder em 2017 contra o deputado Zoe Lofgren, californiano próximo a Pelosi, depois que John Conyers foi forçado a renunciar. Democratas dizem que as feridas daquela batalha ainda estão abertas, causando tumulto extra em comitês internos.

No Comitê de Formas e Meios, o presidente Richard Neal, de Massachusetts, se arrastou por meses antes de solicitar os impostos de Trump à Receita Federal, como é seu direito. Seus colegas ficaram enlouquecidos pela lentidão do processo, que eles suspeitavam ter sido motivada pelo desejo de Neal de obter o apoio de Trump e do Partido Republicano à sua legislação de segurança de aposentadoria. Depois que a lei foi aprovada no comitê, Neal finalmente se mexeu, embora agora tenha um desafio na primária de Alex Morse, prefeito de Holyoke.

A mesma dinâmica está ocorrendo no Comitê de Transporte e Infraestrutura, presidido pelo democrata do Oregon Peter DeFazio. David Fahrenthold, do Washington Post, que investigou profundamente as finanças de Trump e, em particular, seu lucro com o Trump Hotel em Washington, criticou Neal e DeFazio por investigações lentas.

No Congresso, também houve dois membros em particular que têm o poder de fazer essas investigações avançarem ou desacelerarem acusados de lentidão pelos colegas. É o caso de Richard Neal, presidente do Comitê de Formas e Meios, e outro chamado Peter DeFazio, do Oregon, de transporte e infraestrutura. Esse Comitê de Transporte e Infraestrutura supervisiona o hotel de Trump em DC. O hotel de Trump em DC está localizado em um prédio de propriedade do contribuinte, sob um contrato de arrendamento da GSA, a Administração de Serviços Gerais. Portanto, esse comitê, o comitê de DeFazio, tem o poder de efetivamente investigá-lo, se quisesse, e na realidade não fez muita coisa. E a reação dos subordinados de DeFazio, outros membros do Congresso, foi que DeFazio está caminhando devagar porque quer fazer um acordo de infraestrutura. Ele ainda tem alguma esperança de que a semana de infraestrutura finalmente chegará e ele fará um acordo com Trump. DeFazio disse, ah, não é verdade. Mas o resultado é de que sabemos muito pouco sobre o que Trump está fazendo naquele hotel dos contribuintes. Quero dizer, esse parece que ser o passo de formiguinha da supervisão, e eles não fizeram isso.

A deputada Dina Titus, de Nevada, que preside uma subcomissão que supervisiona os hotéis de Trump, culpou DeFazio oficialmente por não agir na esperança de fechar um acordo de infraestrutura. Agora, DeFazio também tem um desafio de primária do organizador Doyle Canning, concorrendo explicitamente com base na falta de vontade de DeFazio em desafiar Trump.

Se o impeachment amadureceu sob o sol das primárias insurgentes, o repentino movimento para a frente ameaça derrotar esses desafios. Os oponentes que estavam detonando os titulares por serem muito brandos com Trump precisaram ajustar a mensagem de uma maneira que drenasse parte de sua energia.

“Muito pouco, tarde demais”, disse Melanie D’Arrigo, desafiando Suozzi em Nova York, argumentando que ele “ignorou uma clara ameaça à nossa segurança nacional por causa de seus aliados do Partido Republicano.”

Doyle Canning, desafiando DeFazio, aumentou a exigência, pedindo uma votação rápida no plenário.

Os democratas do Congresso devem iniciar o impeachment hoje estabelecendo o caminho para uma votação no plenário para #ImpeachTrump antes de 2020. #Timetotakeastand

Alguns, no entanto, têm a sorte de que seus oponentes ainda se apegam ao status quo, recusando-se a pedir impeachment.

Nossa constituição não diz que cheques e saldos só se aplicam quando for politicamente conveniente ou se as eleições forem um remédio para um executivo infrator da lei. Impeachment é o remédio. É dever constitucional do Congresso. Chega de andar devagar: Faça seu trabalho. #ImpeachTrump

Isso pode mudar, no entanto, a qualquer momento.

Tradução: Cássia Zanon

Correção, 30/9, 9h58: Este texto foi corrigido para explicar o que são os distritos-pêndulo (swing districts, que trocam de preferência por democratas ou republicanos a cada eleição).