Cinco semanas após o primeiro caso de infecção pelo novo coronavírus no Brasil, o Ministério da Saúde ainda não entregou a estados e municípios nem 0,5% dos testes de diagnóstico que prometeu comprar. Até a quarta-feira, dia 1º, só havia distribuído 54,8 mil testes do tipo PCR, também chamado de teste molecular.

Esse é considerado o padrão ouro para o diagnóstico da covid-19, e tem confiabilidade muito alta quando combinado com um diagnóstico clínico bem feito. Já que os testes rápidos, como os comprados pela mineradora Vale e que começaram a ser distribuídos essa semana, têm até 75% de chance de erro em resultados negativos para coronavírus.

O Ministério da Saúde garantiu que colocará à disposição de médicos e agentes de saúde 14,9 milhões de testes PCR. Mas foi incapaz de dizer, apesar de insistentemente questionado pelo Intercept, quando isso irá ocorrer. Tampouco conseguiu informar quanto dinheiro pretende investir nisso – apesar de ter afirmado, há mais de uma semana, que faria a compra.

Até o início da tarde desta quinta-feira, havia quase oito mil casos confirmados de coronavírus no país. Mas um sanitarista que entrevistamos estima que, para cada um deles, há mais de 11 infectados. Outras avaliações falam em 15 para um. Quer dizer – se resolvesse testar agora todos os casos suspeitos, provavelmente o Brasil não teria como fazer isso.

A falta de materiais para testagem é responsável por notícias como a de que há 23 mil exames à espera de resultado no país. Uma fração deles – é impossível saber qual, já que nem mesmo o Ministério da Saúde tem a resposta – espera por reagentes químicos e outros ingredientes necessários para que possam ser concluídos. Há ainda outro gargalo: os testes do tipo PCR são processados em máquinas, que têm capacidade limitada a um certo número de análises por dia.

Os testes PCR são essenciais para que o Brasil possa testar o máximo possível de pessoas, o que é uma recomendação da Organização Mundial da Saúde para acompanhar a evolução da pandemia.

Dos 14,9 milhões de testes PCR prometidos no último dia 24 pelo Ministério da Saúde, a maioria – 10 milhões – virá graças a uma “compra pública nos mercados nacional e internacional”. Outro 1,3 milhão será entregue por empresas brasileiras autorizadas pela Anvisa a importar os produtos.

Essas compras, porém, ainda não foram fechadas – não há registro delas no Diário Oficial, no sistema de compras do governo federal nem na lista de contratos emergenciais firmados pelo Ministério da Saúde para o combate ao coronavírus. Do restante dos testes PCR, 3 milhões serão montados pela Fundação Instituto Oswaldo Cruz, a Fiocruz, e outros 600 mil doados pela Petrobras.

Outro fator pode piorar a situação já precária: uma compra gigantesca feita pelo governo dos Estados Unidos pode deixar outros países – o Brasil, inclusive – sem oferta suficiente de produtos médico-hospitalares, como admitiu o próprio ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Testes rápidos para tapar buraco

Enquanto isso, o governo tenta mostrar que não está parado anunciando a distribuição de 500 mil testes rápidos, que produzem resultados em 15 minutos, mas são muito menos confiáveis. Eles foram doados ao governo federal pela mineradora Vale, que vê na crise do coronavírus uma oportunidade de se recuperar do desgaste de imagem sofrido após os crimes ambientais que mataram quase 300 pessoas em Mariana e Brumadinho, em Minas Gerais. É o primeiro lote de um total de 5 milhões de testes rápidos que a empresa prometeu doar. Além deles, a Fiocruz deverá fornecer mais 3 milhões.

Mas os testes rápidos não resolvem o problema. Como já dissemos, a confiabilidade deles é baixa – eles detectam uma proteína produzida pelo organismo para reagir ao coronavírus, que só aparece sete dias após a infecção. Estima-se que resultados negativos para coronavírus podem ser falsos em três de cada quatro testes. Por isso, não se prestam a um diagnóstico preciso, e a orientação do governo é usá-los apenas para monitorar agentes de saúde e de segurança.

Mandetta repete, em entrevistas diárias, que a principal estratégia do governo contra a covid-19 será fazer testes em massa nas 48 cidades com mais de 500 mil habitantes – usando os testes PCR. Se de fato for colocado em prática, irá funcionar no sistema drive thru: as pessoas irão de carro aos postos de coleta. Dali, o material extraído da mucosa do nariz será levado ao laboratório. O paciente receberá o resultado, em 24 horas, por meio de um aplicativo, que ainda está sendo “cristalizado”, segundo o ministro.

Mas, para isso, faltam os testes. O Intercept perguntou ao ministério, desde o dia 31, quantos já foram comprados – ou, caso as compras não tenham ocorrido, qual a data prevista para elas. O órgão limitou-se a dizer que “as aquisições não foram finalizadas”, sem esclarecer a data de conclusão e os fornecedores dos testes.

O maior contrato para compra de insumos para testes foi feito com a empresa investigada pela Polícia Federal.

Já houve atraso no cronograma anunciado no dia 24: o governo esperava que a Fiocruz entregasse 2 milhões de testes PCR e 3 milhões de testes rápidos até 30 de março. O calendário, porém, foi revisto “devido à escassez mundial de insumos” para a fabricação dos exames. Agora, a previsão é de que a Fiocruz entregue 1,5 milhão de testes por mês a partir de abril, sem especificar uma data. Até lá, o sistema de saúde brasileiro pode já ter entrado em colapso.

O Ministério da Saúde também fez compras emergenciais de insumos no Brasil – como reagentes químicos, instrumentos para cultura viral e equipamentos de laboratório – para que instituições como a Fiocruz montem os kits para realização dos testes. Essas compras somam R$ 4,8 milhões e estão listadas no site do ministério.

É provável que esses insumos venham a ser usados para a montagem de parte dos 3 milhões de testes que a Fiocruz irá entregar. Mas, como os contratos não permitem estimar quantos testes serão produzidos com o material comprado e o Ministério da Saúde se recusa a informar, isso é incerto.

Como se a situação não pudesse ser pior, o maior desses contratos – no valor de R$ 3,2 milhões e destinado à compra de materiais para detectar o vírus em laboratório – foi firmado com uma empresa chamada Reagen, investigada em uma operação da Polícia Federal no Paraná. Ela responde a uma acusação de improbidade administrativa por um esquema de desvio de bolsas de pesquisa na UFPR, a Universidade Federal do Paraná.

O dono da empresa, Jorge Luiz Bina, foi condenado em primeira instância a quatro anos e seis meses de prisão. O empresário defendeu-se afirmando que a esposa, também incriminada, disse à justiça que ele “não possuía envolvimento no esquema”.

O Intercept já mostrou também que Mandetta pagou 67% a mais por máscaras de um empresário bolsonarista.

Coronavirus - Institute for Virology

O teste molecular, ou PCR, é o padrão ouro – ou seja, o mais confiável conhecido – para detectar o coronavírus. Associado a um bom diagnóstico clínico, ele tem alta confiabilidade.

Foto: Sven Hoppe/picture alliance via Getty Images

Carência de informações

Enquanto os testes não chegam, centenas de pessoas são internadas – e várias morrem – sem saber se estão contaminadas. Na quarta, Mandetta reconheceu que os números do coronavírus no Brasil devem ter “um acréscimo significativo” em abril. Isso se os testes chegarem e permitirem, por exemplo, que se esclareçam mortes suspeitas – só no estado de São Paulo, “em torno de 200 óbitos” cuja causa provável é o coronavírus aguardam confirmação.

Nesta quinta, a Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais, que reúne cartórios de registro civil, informou que até as 15h havia 351 certidões de óbito com a covid-19 como causa declarada por médicos. É um número superior ao que tem o Ministério da Saúde – 299 mortes até o início da tarde.

Segundo o ministério, o Brasil teve, até o dia 1º de abril de 2020, 21.426 internações por síndrome aguda respiratória grave, abreviada como SRAG. É um aumento de 170% em relação ao ano passado, quando foram registrados, no mesmo período, 7.761 hospitalizados pelo problema.

A disparidade reforça a impressão de que está havendo subnotificação dos casos de coronavírus. Em apenas 1.274 internações por SRAG de 2020 (6% do total) a covid-19 foi registrada como causa. Mas o Brasil teve neste ano quase 14 mil internações por crise respiratória a mais do que nos primeiros três meses de 2019.

No dia 1º, Mandetta rechaçou a possibilidade de que essa diferença seja indício de subnotificação. De acordo com o ministro, os hospitais do país têm sido mais eficientes em notificar as SRAG. “Na verdade, eles [estados e municípios] estão notificando as outras [doenças respiratórias], que eles não faziam com tanta ênfase no ano passado”, tentou tranquilizar.

Os testes poderão dizer se o otimismo do ministro tem fundamento ou se é só uma tentativa dele de se esquivar do problema e tranquilizar a sociedade. Quando – e se – chegarem.