Especiais

Ele trabalhou no leilão da internet 5G. Agora, vai ser diretor de uma das teles vencedoras

Vitor Menezes, ex-número dois do Ministério das Comunicações, deixou o governo Bolsonaro para ser diretor de relações institucionais da Ligga Telecom.

Denuncie um juiz na imprensa e vá à falência (se não for preso)

Desgostosos por serem citados em reportagens, juízes e desembargadores contam com colegas para ganhar processos contra jornalistas e censurar a imprensa.

Como a Uber se blinda para impedir que a justiça reconheça vínculo trabalhista de motoristas

Análise do comportamento de juízes fez a plataforma criar sistema que impede jurisprudência desfavorável.

Exclusivo: Coronel com alto cargo no governo Bolsonaro empresta conta bancária a Fabrício Queiroz, mostra documento

Acusado de operar rachadinhas de Flávio Bolsonaro tem procuração para operar contas bancárias do coronel Washington Luiz Lima Teixeira.

Das bancas clandestinas às camisas de Flamengo, Vasco, Santos e Cruzeiro: a nebulosa história do site de apostas Pixbet

A Pixbet está nas camisas de 10 clubes das séries A e B e é sucessora de negócios como a Futebol Fácil, suspeitos de burlar a lei.

Planalto é o maior difusor de mentiras sobre a Amazônia no YouTube

Mapeamento mostra que vídeos que desinformam sobre a floresta e os povos indígenas já renderam 70 milhões de visualizações.

Amil é acusada de ignorar denúncias contra clínica de quimioterapia

Médicos e ex-executivos avisaram ao grupo e à controladora UHG sobre piora de pacientes da Hemomed e preços fora da realidade, mas não houve investigação.

Ministério da Justiça equipa polícias para vasculhar celulares em troca de dados

Secretaria responsável por dossiê antifascista agora encabeça projeto que fornece software israelense Cellebrite às polícias estaduais.

‘Burra’, ‘picolé de piche’, ‘viadinho’: ex-funcionários do McDonald’s relatam cultura de abusos

Empresa adota prática de fazer acordos judiciais com indenizações baratas para encerrar rapidamente as ações – e evitar danos à imagem.

Médicos influenciadores cobram R$ 500 por atestado antivacina

Com agenda lotada, médicos influenciadores antivacina aproveitam a visibilidade da pandemia para conseguir pacientes e cobrar até R$ 2,1 mil por consulta.