Especiais

Governo Bolsonaro deturpou edital de Dilma para fichar ‘detratores’ na internet

Documento atravessou governos e foi modelo para Bolsonaro catalogar até tuiteiro crítico.

Dívidas e doenças: é assim que o Brasil produz o fumo da China Tabacos, maior fabricante de cigarros do mundo

Gigante cultiva no Brasil para alimentar o mercado chinês – maior do mundo. Mas voa abaixo do radar das autoridades brasileiras. 

Capitão Adriano abortou assassinato para evitar confronto com o miliciano Ecko

Chefe do Escritório do Crime temia mais o rival do que ser pego pela polícia comandada pelos interventores militares do Rio.

Funcionários do império alimentício Maratá usam tiro, fogo e violência para tomar área de camponeses no Maranhão

Jagunços uniformizados atearam fogo a 136 casas no Maranhão e deixaram 450 pessoas sem moradia e roça. Um homem morreu e uma mulher ficou inválida.

Série

As mensagens secretas da Lava Jato

Delação da Odebrecht livrou corruptores e entrega só uma condenação a cada 40 processos

Levantamento inédito revela que ‘delação do fim do mundo’ salvou 77 executivos em troca de provas insuficientes para punir ‘corruptos’.

Lava Jato força a barra para processar jornalistas em Curitiba e com juízes alinhados à operação

Procurador usou até endereço falso para garantir que ações corressem na cidade; uso de juizado de pequenas causas prejudica defesa dos réus.

Advogados públicos da AGU que ganham até R$ 30 mil por mês contrariam a lei para faturar mais fazendo bicos

Empreendedores, eles viraram sócios de uma franquia privada que faz mediação e arbitragem de conflitos entre pessoas ou empresas – apesar de isso ser proibido pela legislação.

Série

Alô, Milícia

Grampos sugerem que comparsas do miliciano Adriano da Nóbrega recorreram a Bolsonaro

Após integrantes da rede de proteção do ex-caveira fazerem referência a ‘Jair’ e ‘presidente’ em escutas, o MP do Rio, que não pode investigar o presidente, não renovou grampos.

Áudios: Funcionário da Basf é vítima de homofobia e pressionado a trabalhar ou se demitir

Ataques começaram após o casamento. Empresa aconselhou vítima a continuar trabalhando e justificou:‘ as pessoas são ruins’.